Exclusivo para assinantes UOL

Por que o feminismo favorece os homens

Jim Pollard

  • 08.03.2009 - Joca Duarte/Folha Imagem

    Passeata no Dia Internacional da Mulher, em São Paulo (SP), pede que o aborto deixe de ser crime

    Passeata no Dia Internacional da Mulher, em São Paulo (SP), pede que o aborto deixe de ser crime

As feministas não estão felizes. Na França, a filósofa Elisabeth Badinter torceu os narizes de alguns leitores ao argumentar no novo livro “Le Conflit: La Femme et la Mere” (“O Conflito: A Mulher e a Mãe”) que as mulheres estão sendo escravizadas pelo ideal da mulher que faz tudo pelos seus filhos. Na Inglaterra, Natasha Walter, que defendeu o igualitarismo do “The New Feminism” [“O Novo Feminismo”] em 1998, expressou um lamento em seu novo livro, “Living Dolls” [algo como “Bonecas Vivas”]. “Já acreditei que precisávamos apenas estabelecer as condições para a igualdade para que os remanescentes do antigo sexismo desaparecessem de nossa cultura. Estou pronta para admitir que eu estava errada”, escreveu.

UOL Cursos Online

Todos os cursos