Tudo o que você precisa saber sobre o antraz

Anita Manning

O medo do antraz está se espalhando pelo mundo como se fosse uma doença infecciosa, gerando muitas perguntas e temores entre o público. Eis o que especialistas das agências americanas de saúde e dos Correios dos Estados Unidos dizem sobre o antraz e o que fazer caso se tenha contato com esse agente patológico.

Pergunta: Como as pessoas podem ser infectadas com Antraz?

Resposta: Existem três maneiras através das quais a bactéria Bacillus anthracis, causadora do antraz, pode invadir o organismo. Todas as três maneiras podem resultar em morte, caso a doença não seja tratada.

O antraz cutâneo ocorre quando a bactéria entra no organismo através de um corte ou arranhão. Ela provoca uma lesão cujo centro se torna negro. Pode haver inchaço na área, bem como febre e dores no corpo. Quando tratada com antibióticos, a maior parte dos pacientes se recupera. Caso não seja tratado, o antraz cutâneo pode causar a morte em cerca de 20% dos casos.

O antraz inalado é a forma mais perigosa da doença, sendo quase que 100% fatal, a menos que o tratamento com antibiótico seja iniciado logo após a exposição. Para serem infectados, os indivíduos têm que inalar os esporos, que precisam ser dispersos por meio de uma nuvem de partículas muito pequenas. Caso sejam muito grandes, as partículas cairão no solo e se misturarão aos elementos presentes no chão. Porém, se tiverem o tamanho certo, que possibilite que sejam profundamente inaladas até os pulmões, elas podem se multiplicar e infectar o sangue e o sistema linfático. A doença começa com sintomas similares aos da gripe, que evoluem em uma questão de dias, causando sérios problemas respiratórios e choque.

A terceira forma de infecção é através da ingestão de alimento contaminado, o que causa o antraz gastrointestinal. Os sintomas incluem náusea, perda de apetite, vômito e febre, seguidos de dor abdominal, vômito de sangue e diarréia intensa. A morte ocorre entre 25% e 60% dos casos.

Pergunta: A doença é contagiosa?

Resposta: Não, o antraz não pode ser transmitido de uma pessoa a outra pelo ar, mesmo após uma vítima ter desenvolvido os sintomas. Parentes e outras pessoas que convivem com o paciente, e que não tenham sido infectados da mesma maneira, não precisam tomar antibióticos.

A exceção é quanto ao antraz cutâneo, já que o contato direto com a secreção de uma ferida aberta pode disseminar a bactéria.

Pergunta: Que tipo de correspondência pode ser considerado suspeito?

Resposta: Os Correios dos Estados Unidos afirmam que a população deve tomar cuidado com qualquer correspondência que possua algum tipo de substância em pó no seu exterior, odores estranhos ou manchas. Se a correspondência é de um desconhecido, se tem excesso de selos, se está endereçada a alguém que não trabalhe mais na empresa, se não tem endereço do remetente ou que não pareça legítima, também deve despertar suspeita. Correspondências que tenham um peso incomum, aquelas cuja distribuição de peso seja desequilibrada, que tenham um formato estranho ou uma quantidade incomum de fita adesiva, que estejam carimbadas com cláusulas restritivas, tais como "pessoal" ou "confidencial", ou que tenham no carimbo postal o nome de uma cidade que não seja a do destinatário, são razões para alerta.

Pergunta: O que se deve fazer, caso se receba uma correspondência suspeita?

Resposta: Coloque-a em um canto e não permita que ninguém tenha contato com ela. Chame um supervisor dos correios ou um policial. O serviço postal diz que não se deve manusear, cheirar ou provar o conteúdo de envelopes ou pacotes suspeitos. Isole a área e se assegure de que qualquer um que tocar na correspondência lave as mãos com água e sabão. Anote o nome de todos aqueles que tocaram na correspondência, e acrescente informações que possibilitem localizar esses indivíduos, passando esses dados para a polícia. Tome um banho e coloque todas as peças de vestuário que estava usando quando teve contato com a correspondência em uma sacola plástica. Entregue a sacola aos investigadores policiais.

Pergunta: É possível esterilizar correspondências passando-as com ferro quente ou colocando-as no forno de microondas:

Resposta: Segundo o porta-voz do Centro de controle e Prevenção de Doenças, Tom Skinner, a agência não pode tecer comentários sobre "métodos de descontaminação não testados".

Pergunta: Por que as equipes médicas realizam coletas com esfregaços nasais?

Resposta: Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, os esfregaços nasais, feitos com longos cotonetes, são usados durante as investigações de exposições comprovadas ou suspeita de contato com o antraz a fim de auxiliar na determinação do tamanho possível da área contaminada. Segundo David Fleming, vice-diretor do Centro, não existe exame laboratorial para determinar se houve exposição. Ele afirma que os antibióticos são administrados às pessoas que, devido a suas histórias, podem ter sido expostas à bactéria. As pessoas que não estiveram na área onde o antraz foi detectado, mas que ainda assim estão preocupadas, devem procurar os departamentos locais de saúde, de acordo com Fleming.

Pergunta: Qual a diferença entre a exposição ao antraz e a doença verdadeiramente dita?

Resposta: A exposição significa que o indivíduo teve contrato com o antraz, mas isso não quer dizer que esse contato tenha sido o suficiente para causar a doença. Quanto maior a exposição, maior o risco de se desenvolver a doença, a menos que o tratamento com antibióticos comece imediatamente. Aquelas pessoas que foram expostas a correspondências ou outros objetos suspeitos de estarem contaminados com antraz recebem tratamento imediato a fim de se prevenir que contraiam a doença.

Pergunta: Que antibiótico deve ser utilizado?

Resposta: O Cipro é aprovado para o uso contra o antraz inalado, especialmente porque há a preocupação quanto à possibilidade do uso de variedades de antraz que tenham sido geneticamente modificadas para resistir à ação de outros antibióticos. O antraz comum, presente na natureza, e que não tenha sido geneticamente modificado, pode ser tratado com vários antibióticos diferentes, incluindo a penicilina e a doxiciclina.

Pergunta: Que outros exames são realizados?

Resposta: Exames de sangue podem ser feitos para detectar anticorpos, os agentes do nosso organismo encarregados de combater infecções. São necessários dois testes de anticorpos, a fim de comparar a mudança na resposta dos anticorpos com o decorrer do tempo. A fim de confirmar se uma enfermidade se trata realmente do antraz, os médicos podem coletar amostras do sangue ou do líquido da medula espinal e tentar cultivar a bactéria em uma placa de vidro em laboratório. Eles podem ainda examinar amostras de tecido com o microscópio ou utilizar uma tecnologia denominada PCR - a sigla em inglês para Reação em Cadeia de Polimerase - a fim de amplificar pequenas quantidades de DNA, provando que há a presença da bactéria do antraz.

Pergunta: Como descontaminar um edifício ou escritório após um incidente com antraz?

Resposta: Fleming, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, está trabalhando com a Agência de Proteção Ambiental a fim de "desenvolver procedimentos apropriados de descontaminação". Os esporos liberados no ar cedo ou tarde vão cair ao solo, deixando de se constituir em um risco substancial como vetor do antraz inalado, embora ainda sejam capazes de provocar o antraz cutâneo.

"A descontaminação se concentra em limpar todas as superfícies, e examinar o ambiente para garantir que ele esteja livre dos esporos", afirma Fleming. A aplicação de cloro é um meio eficiente para se esterilizar as superfícies dos ambientes contaminados.

Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos