Mágica de Hollywood garante sucesso à pré-estréia de Harry Potter

Claudia Puig

Londres, Inglaterra -- A maioria dos fãs vai ter que esperar mais de uma semana para ver a vassoura voadora Nimbus 2000 de Harry Potter e os seus livros usados de magia. Mas um punhado de felizardos conseguiu lugares para a pré-estréia, no domingo, de "Harry Potter e a Pedra Filosofal", que estará nos cinemas britânicos e norte-americanos oficialmente no dia 16 de novembro.

A estréia trouxe um pedaço de Hollywood a Londres, em estilo bem britânico. Crianças com fantasias de Harry Potter e caçadores de autógrafos se aglomeravam na multidão barulhenta de fãs. A polícia de Londres estima que a multidão em frente ao cinema Odeon Theatre, em Leicester Square, chegava a 10 mil pessoas, incluindo mais de 500 jornalistas de todo mundo. Só 2.700 convites foram distribuídos para o evento.

Foi uma das maiores estréias já ocorridas em Londres. Uma policial disse que nunca viu nada parecido.

É inegável o apelo universal da história sobre um garoto-mago que freqüenta uma escola pouco convencional. Antes mesmo de chegar às salas de projeção, o filme já é maior do que os seus astros, um fenômeno em processo de construção. Os quatro livros da série "Harry Potter", escritos por J.K. Rowling, venderam 116 milhões de cópias em todo o mundo e desencadearam uma fascinação generalizada.

A avaliação da audiência, que incluiu nomes como Cher, Sting e a Duquesa de York, foi altamente positiva.

"Achei o filme brilhante", disse Cher, com os cabelos extremamente aloirados e vestida com uma roupa cor de bronze. "Quero assisti-lo de novo. Foi um dos filmes mais bonitos que já vi na vida, e eu nem sequer gosto de efeitos especiais". Já para algumas pessoas, os efeitos especiais foram particularmente impressionantes.

John McAuliff, de oito anos, de Staten Island, Nova York, foi à pré-estréia com a mãe, Jeanne, e o pai, John, um policial da cidade de Nova York. A sua cena favorita foi a do esporte aéreo "Quidditch", mas ele também gostou muito de Fluffy, o cão de três cabeças. "Quero ver o filme novamente", disse o garoto.

Tanto crianças como adultos concordaram que o filme foi mais assustador do que o esperado.

Josephine Sacks, de oito anos, moradora de Londres, disse: "estou orgulhosa de como me portei. Não fechei os olhos uma única vez". Mas a sua irmã Juliette, de seis anos, se agarrou ao pai, Nigel, durante as cenas mais assustadoras.

O dia foi marcante para muitas das crianças, mas particularmente para Katie Gotham, que fez oito anos na terça-feira. O seu dente caiu no início do filme, e a sua mãe, Susan, lutou para acha-lo no chão. "É melhor do que o livro", dizia Katie confiante, enquanto a mãe tirava do bolso o dente de leite da menina, finalmente encontrado. "Mas foi mais assustador. A cena do xadrez me deixou com medo".

Na multidão estava um grupo de astros, membros da realeza e jornalistas.

Sarah Ferguson, a Duquesa de York, trouxe as duas filhas, Beatrice e Eugenie. "Elas conhecem o livro mais do que eu", disse a duquesa. "Demorei um pouco para entender o enredo. Em uma época como esta, cheia de notícias ruins, não é maravilhoso poder comemorar a imaginação?".

Sting trouxe a filha, Coco, de 11 anos, e disse: "É importante que o filme tenha sido feito no Reino Unido. Trata-se de um conceito britânico".

A atriz Cate Blanchett, grávida de oito meses, estava com o marido, o roteirista Andrew Upton. Ao chegar ela deu tapinhas na barriga, dizendo, "Ele vai ouvir tudo. Só espero que eu não entre em trabalho de parto"

Também estavam presentes o ator e diretor Ben Stiller, que estava na cidade para promover o seu último filme, "Zoolander", e Christiane Amanpour, tirando uma folga das suas reportagens para a CNN sobre o Afeganistão, acompanhada do marido, James Rubin.

E, é claro, também estavam lá os personagens principais do filme.

J.K. Rowling, a autora da série tão amada pelo público elogiou a produção do filme. "Estou extremamente feliz. Chris Columbus manteve a promessa que me fez, o que foi uma decisão bastante corajosa", disse ela, referindo-se provavelmente à fidelidade do filme para com o livro.

Antes da pré-estréia, a autora posou para fotografias com Daniel Radcliffe, e sussurrou algo para o astro de "Potter", que tem 13 anos de idade.

Mais tarde Radcliffe revelou: "Ela só me disse para aproveitar o momento".

Os três astros do filme formaram a composição básica para as fotos da noite. Durante a chegada dos convidados, Radcliffe respondeu alegremente às perguntas dos jornalistas, enquanto mexia os pés de um lado para o outro.

"Eu acordei à 1h, 3h e 5h50", contou o jovem astro. "É assustador. Estou anestesiado".

Rupert Grint, de 13 anos, que fez o papel de Ron Weasley, era todo sorrisos, enquanto dizia, "É surpreendente e super-legal".

Emma Watson, que atuou como Hermione Granger, usava um longo vestido negro de algodão, com sapatos de saltos altos e uma cobra de penas. A menina de 11 anos estava nitidamente no seu elemento. "É absolutamente surpreendente", disse ela. "Há milhões de pessoas lá fora. Isso é um sonho".

Tratava-se de um momento pelo qual a jovem atriz estava esperando. A sua avó, Freda Watson, dividiu a sensação com a neta. Quando Emma tinha quatro anos, ela queria se tornar uma fada, uma princesa ou uma atriz. "Na época eu lhe disse que ela dificilmente teria sorte quanto as duas primeiras opções", disse a avó.

A habilidade da jovem atriz em lidar com a imprensa não foi surpresa para os seus companheiros de elenco, que falaram repetidamente sobre a postura da menina durante as entrevistas de fim-de-semana, no Castelo de Knebworth, em Hertfordshire.

Construído em 1490 e situado no interior do país, cerca de 72 quilômetros a nordeste de Londres, o castelo estava repleto de partes do cenário do filme, incluindo tapeçarias, quadros e a parafernália do "Quidditch".

Robbie Coltrane, que faz o papel do amigável gigante Hagrid, o Guardião das Chaves e do Território de Hogwart, disse admirar a postura dos três atores.

"Eu desejaria ter tal comportamento", disse ele, referindo-se a Radcliffe, Grint e Watson. "Talvez todos eles fiquem malucos quando fizerem 18 anos. Emma talvez se torne aquele tipo que chega na segunda-feira com um grande anel pendurado no nariz e diz, 'a minha atuação está uma porcaria'".

Segundo Chris Columbus, o diretor de "Harry Potter", tal coisa simplesmente não vai ocorrer. Pelo menos se ele puder influir nos acontecimentos.

O diretor de filmes como "Uma Babá Quase Perfeita" e "Lado a Lado" já aconselhou os jovens atores para que evitem os problemas ligados à fama que afligem os astros de pouca idade. Ele conhece isso de perto, já que dirigiu Macaulay Culkin em "Esqueceram de Mim".

"Estamos só trabalhando. Trata-se apenas de um filme", diz Columbus aos artistas mirins. "Eu tento passar isso nas crianças. Digo para elas, 'Nada de finais de semana na casa de Michael Jackson. Nada desse tipo de coisa. Não entrem nessa. Foi isso o que aconteceu com Macaulay. Não fiquem seduzidas por essa estória de serem astros. É uma viagem vazia".

Columbus, que tem quatro filhos, é altamente protetor com relação aos jovens atores que dirigiu.

"Originalmente, eu não queria que as crianças fossem aos Estados Unidos para aparecer no (David) 'Letterman', (Jay) 'Leno' e coisas desse tipo", diz ele. "Achei que eles estariam bem mais tranqüilos se ficassem por aqui, dessem as sus entrevistas à imprensa e partissem para o próximo filme. A boa notícia é que eles vão entrar no circuito, mas depois retornam. É um retorno para o mundo do trabalho, e voltaremos à rotina anterior, todos unidos em um espírito de companheirismo".

Radcliffe e Grint na verdade já filmaram uma das cenas mais carregadas de ação para o segundo episódio, "Harry Potter e a Câmara Secreta".

"Filmamos por cerca de três semanas e meia, e já pude ver duas cenas editadas em conjunto. A coisa parece boa", afirma Columbus. "Nós filmamos a cena na qual os garotos chegam pela primeira vez à floresta e entram na caverna das aranhas. As aranhas os perseguem pela floresta escura, e eles escapam em um Ford Anglia voador, o carro do pai de Ron".

O roteirista Steve Kloves está trabalhando no terceiro roteiro, "Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban", mas ainda não se sabe se Columbus também vai ser o diretor desse filme.

"Se eu conseguir algo entre dois e três meses de folga, talvez me decida a dirigir o terceiro filme", diz Columbus. "Com certeza não posso perder esse grupo. Atualmente me sinto responsável por essas crianças. Mas tenho que pensar também na minha própria família".

Embora considere o terceiro livro o melhor dos quatro, Columbus diz que, atualmente, está "obcecado com o segundo. Cada livro fica um pouco mais sombrio. É claro que não se questiona que nós não criamos nenhum clima adicional para o primeiro filme. Fomos tão sombrios quanto o primeiro livro".

Columbus promete ainda mais emoções para a "Câmara Secreta".

"É difícil fazer uma afirmação com tanta antecedência, mas o Quidditch vai melhorar no próximo filme", diz ele. "Descobrimos certas tecnologias novas que vão torna-lo ainda mais rápido e emocionante".

Mas, por hora, há o "Pedra Filosofal" e a excitação considerável que o filme está gerando.

"Nunca vi um filme com tanta publicidade quanto este", diz Richard Harris, que faz o papel de Albus Dumbledore, o enigmático mago que tem o estilo de Merlin. "Fico pensando no porque de eles precisarem de nós para fazer a publicidade". Embora Harris não faça parte do grupo de milhões de pessoas que devoraram os livros, a sua neta de 12 anos, Ella, é uma fã.

Harris não quis pegar o papel porque o contrato exigia que ele participasse dos próximos episódios. Mas o poder de persuasão da neta acabou vencendo.

"Ela me disse, 'Você tem que trabalhar no filme. Se você não pegar esse papel, nunca mais falo com você'", conta Harris. "E é claro que eu não quis correr esse risco".

Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos