Sites na Internet ensinam a arte de romper um relacionamento amoroso

KAREN S. PETERSON

USA TODAY


Delia Coleman diz que, quando tinha pouco mais de 20 anos de idade, eram os homens que punham um fim aos romances. "Os caras gostavam de aumentar o número de mulheres que tinham sucumbido ao seu charme", diz essa solteira de 32 anos, que mora em Chicago.

Mas, agora que ela ultrapassou a barreira dos 30 anos, são as mulheres que dispensam os homens, afirma. "As mulheres são muito mais rápidas quando se trata de romper com relacionamentos fracassados. Elas ficam impacientes com o processo. Temos as nossas amigas e as nossas vidas a serem vividas; em suma, outras coisas para fazer. Se eu estou envolvida com um relacionamento por dois meses e sinto que a coisa não vai dar certo, então a pessoa em questão é transferida da 'caixa de namorados' para a 'caixa de amigos'".

O interesse sobre quem dispensa quem - e a etiqueta, ou falta dela - é um fenômeno de cultura popular. A arte de dar um chute no traseiro do parceiro é um tópico comum na Internet. Basta utilizar as palavras "dump" ("terminar o namoro") e "dating" (namorar) no site de busca Gooble, e o internauta encontrará 46.700 sites.

Alguns desses sites se encarregam de dispensar o seu parceiro para você, como é o caso do www.wasniceknowingyou.com (a expressão quer dizer algo como "foi bom ter te conhecido"). Dessa forma você não é obrigada a olhar nos olhos do seu candidato a ex. Mas se você está da outra extremidade da experiência, ou seja, é a parte dispensada, é possível encomendar o kit da www.dumpkit.com, que vem com uma boneca vudu para que você espete agulhas nele ou nela.

Os sites da Internet estão cheios de histórias de ex-namorados e ex-namoradas que tomaram um pé no traseiro, bem como de algumas desculpas esfarrapadas convenientes. Será que você já ouviu aquela história do cara que rompeu com a namorada porque o segundo dedo do pé da menina era maior do que o dedão?

A arte de terminar um namoro atraiu a atenção de uma prestigiada organização de pesquisas de opinião, que divulgou os resultados daquilo que poderia ser definido como um anti-projeto de Dia dos Namorados.

Em geral, a idéia prevalecente é de que as mulheres e os homens terminam uns com os outros em uma razão numérica equilibrada, segundo a pesquisa feita pela organização Public Opinion Strategies:

-Cerca de 36% dizem que as mulheres terminam mais com os homens.

- Cerca de 34% acreditam que o inverso é que é verdade: ou seja, os homens terminariam com as mulheres na maioria das vezes.

- Cerca de 40% dos entrevistados vêem a si próprios como pessoas que terminam o relacionamento: eles foram os que na maioria das vezes tomaram a iniciativa de terminar com o relacionamento.

- Cerca de 25% se definiram como a "parte chutada" na maioria das vezes.

Em média, cerca de um quarto dos entrevistados (22%) disseram que já terminaram com algo entre seis a dez parceiros. E 46% dizem que foram as vítimas por duas ou três vezes nas suas vidas. A pesquisa, realizada com 800 adultos, tem uma margem de erro de 3,5%.

As legiões daqueles que tomaram um chute no traseiro se reúne na Internet. Thea Newcomb administra o site www.soyouvebeendumped.com, de Glasgow, Escócia. Ela formou formou um "grupo de apoio global" para aqueles que foram dispensados sem cerimônia. A reação dolorida a um crime do coração "é algo de universal, esteja você no Alasca ou na Inglaterra, independente da idade, da profissão ou do sexo", diz ela.

E o rompimento geralmente se dá por volta do Dia dos Namorados, já que nesse período os casais costumam reavaliar os seus relacionamentos, afirma Newcomb. "Uma mulher enviou um e-mail dizendo como foi dispensada pelo namorado quatro horas após o enterro do avô, no Dia dos Namorados".

Algumas das passagens mais grosseiras envolvendo fins de relacionamentos que foram registradas no seu site incluem:


- Sinto muito. Você simplesmente é muito chata para ser minha namorada.

- Somos felizes, mas não muito, portanto, creio que devemos conhecer outras pessoas.

- Se eu tivesse que escolher entre você e essa taça de vinho, escolheria a taça de vinho, em qualquer ocasião.

- Não te acho mais atraente. Os meus padrões de beleza mudaram.

Normalmente, os entrevistadores da Public Opinion Strategies fazem esse tipo de pesquisa com o mesmo entusiasmo que teriam em abraçar um porco-espinho hidrófobo. "Fazemos pesquisas para campanhas políticas e assuntos de política pública", afirma Bill McInturff, um dos parceiros da firma.

No entanto, dois meses atrás, McInturff se encheu ao ouvir uma mulher da equipe rindo sobre o chute que dera no namorado. Os comentários de McInturff causaram uma discussão entre os pesquisadores masculinos e femininos - gerando problemas na pesquisa. "Fazemos todo o tipo de pesquisa, e nada gerou tanta confusão no escritório".

McInturff, de 48 anos, ainda se lembra de quando uma namorada terminou o namoro, quando ele tinha 15 anos. "O meu pior momento foi quando estava no segundo ano do segundo grau. Eu realmente gostava da garota, mas ela terminou comigo, dizendo, 'Bill, as garotas se casam com caras como você, mas não namoram com eles'. Para mim foi uma tragédia de adolescência".

Independente do gênero, o término do relacionamento nem sempre é feito de forma cortês. Steven Smith, de 32 anos, de San Diego, organiza uma lista de desculpas para terminar com um parceiro no site collegeclub.com. Uma dos seus favoritos é o cara a quem a namorada disse que estava terminando o namoro porque ele não respeitava o fato de ela ser vendedora da Amway.

Segundo Smith, um outro cara comparou a sua parceira a um automóvel Trans Am que estaria sendo trocada por um Corvette. "Eu amo de verdade o meu Trans Am porque ele é o carro do qual mais gostei até o momento", foi a mensagem mandada pelo cara para a garota. Mas ele estava pronto para "trocar de chassi", e ela se sentiu basicamente na condição de um carro usado.

O Collegeclub.com é uma divisão da Student Advantage Inc., que vende produtos a estudantes universitários. Jim Styn, de 28 anos, é uma espécie de lenda no departamento do Collegeclub em San Diego, graças às suas estórias sobre rompimentos de relacionamentos com a namorada. "Levei a minha namorada para soltar uma pipa, com a intenção de deixar que ela achasse que fosse literalmente soltar uma pipa. As coisas não se passaram de forma tão tranqüila quanto eu esperava". Segundo a estória, ele finalmente cortou a linha da pipa na frente da garota, explicando que estava deixando que ela (a garota) partisse. Mas, segundo ele, isso nunca acabou acontecendo.

Isso foi demais para as suas tentativas sutis de bancar o esperto. Agora, Styn admite que quando quer terminar um namoro, "simplesmente evito atender os telefonemas da garota. Não tenho orgulho disso. O meu nível de maturidade não é tão grande".

Romper com alguém ficou mais fácil na era do identificador de chamadas, diz Styn. Você fica sabendo quem está ligando sem ter que atender o telefone. Um outro fator que ajuda um pouco é o e-mail e a mensagem instantânea, diz ele. "É coisa para quem não tem coração. Mas funciona se você tem problemas para encarar alguém ou está nervoso com relação ao que ele ou ela pode fazer. Pode ser uma forma segura de romper o relacionamento".

E há também os sites da Internet que fornecem uma infinidade de maneiras de terminar com a cara-metade. Basta clicar em "dump" no site www.wasniceknowingyou.com e tirar vantagem da frase inscrita na página: "Ficamos satisfeitos em fazer o trabalho sujo para você".

O Rejection.com traz uma lista de números telefônicos que fornece "serviços de rejeição de primeira linha" feitos por "especialistas em rejeição". O serviço é utilizado para terminar relacionamentos, embora a co-autora e comediante Chelsea Peretti diga que a intenção principal do projeto é ser uma piada.

Algumas das pessoas entrevistadas pela Public Opinion Strategies são bastante filosóficas quanto a colocar um fim em um romance.

Ray Shaun afirma que as mulheres têm mais facilidade de acabar com os homens do que o contrário. "As mulheres sabem dizer certas coisas em um relacionamento de forma mais fácil do que os homens", diz Shaun, de 21 anos, de Greensboro, Carolina do Norte. "Os homens perguntam a alguém como fazê-lo, mas uma mulher já sabe de antemão o que dizer".

Shawn Hill terminou alguns namoros, mas somente após procurar todas as formas de preservar o relacionamento. Hill, de 38 anos, morador de Englewood, Califórnia, quer uma "alma gêmea". Mas se as perspectivas parecerem sombrias, ele pode perder o interesse e começar a reclamar de pequenas coisas. "Eu me torno menos tolerante. É a minha maneira indireta de dizer que não quero mais ficar com a pessoa".

David Zierman e Kimberly Allario, de Sacramento, vão se casar em 16 de fevereiro. Mas nem todos os relacionamentos de David seguiram o roteiro típico de um romance de Dia dos Namorados.

Ele pretendia terminar o namoro com uma outra moça há alguns anos, no Dia de Ação de Graças. "Mas quando ela me disse que o dia mais infeliz da sua vida foi quando um ex-namorado pôs um fim ao relacionamento no Natal, eu simplesmente não consegui terminar", diz Zierman, de 38 anos. "Mantive o relacionamento até o final de janeiro. Mas daí caí fora antes do Dia dos Namorados. Foram meses difíceis. Eu estava atolado entre essas datas".

Allario, a sua noiva, passou pelo que talvez seja a suprema história de término de namoro. Há alguns anos ela se envolveu com um cara que disse ser agente federal e que não podia falar muito sobre a sua vida ou sobre o seu emprego, que envolvia atividades secretas. "O clima de segredo e mistério era total", diz Allario, de 33 anos. Um dia, após cerca de um ano de relacionamento sério, ela ouviu uma mensagem na secretária eletrônica cancelando o encontro daquela noite. Desde então, Allario nunca mais se encontrou com o cara.

"Descobri que ele era um farsante. Tudo que me dissera era mentira". Um dia ele foi preso por ter cometido uma fraude na Internet.

Ela diz que, agora, a história é até engraçada. "Mas, na época, foi simplesmente surrealista".



Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos