Por que os EUA tratam bem a China , e mal Cuba?

Al Neuharth

George W. Bush é o sétimo presidente dos Estados Unidos a visitar a China desde que Richard Nixon abriu as portas para aquele país em 1972. Porém, Bush mantém as portas fechadas para Cuba. Compare as duas nações comunistas:

Cuba -- Fica a 145 quilômetros de nossa costa. A sua população é de 11 milhões de habitantes.

China -- Está a 11.270 quilômetros de distância. Possui 1,3 bilhão de habitantes.

Em Pequim, Bush se referiu à China como "nossa parceira". Já Cuba é oficialmente nossa inimiga. Por que?

Porque um número reduzido de exilados poderosos no sul da Flórida convence os nossos políticos a manter uma política maluca com relação a Cuba. Essa política foi planejada para derrubar Fidel Castro e vem falhando há mais de 40 anos.

Na semana passada falei neste espaço sobre uma visita a Cuba e um encontro com Elian Gonzalez. Muitos dos leitores perguntaram como é possível ir até Cuba.

Resposta: Da forma mais difícil!

A maior parte dos cidadãos norte-americanos tem o seu direito constitucional de viajar a Cuba negado. É possível obter uma "licença especial" do Departamento de Tesouro dos Estados Unidos. Possível, mas muito difícil.

O nosso grupo solicitou essa licença em 14 de fevereiro de 2001. A licença nos foi negada em 2 de março.

Tornamos a fazer a solicitação em 12 de abril. Negada em quatro de junho. Tentamos novamente em 15 de agosto. E a licença finalmente foi concedida em 3 de outubro.

A conclusão dessa novela: Muitos dos cidadão norte-americanos que visitam Cuba o fazem ilegalmente. Eles se infiltram pelas Bahamas, Canadá ou México, e Cuba os recebe de braços abertos. Eis o número de visitantes no ano passado:

Legais, portadores da licença: mais de 137 mil.

Ilegais: 27 mil.

Contrastando com este quadro, mais de 644 mil de nós visitamos a China em 2000, com vistos legais, obtidos com facilidade em uma questão de dias.

A "Lei de Negócios com o Inimigo" que nos impede de visitar Cuba é destituída de sentido. Vergonhosamente, o "inimigo" somos nós.

Segundo Joe Garcia, diretor-executivo da Fundação Nacional Cubano-Americana, "Há um bom motivo para Cuba estar na lista de países terroristas elaborada pelos Estados Unidos. A ilha abriga fugitivos da Justiça, é um paraíso seguro para terroristas e está envolvida com o tráfico de drogas. Não vamos fazer vistas grossas para o mal -- sabemos aonde isso nos leva. Não ajude Cuba com dólares norte-americanos".

Como alguém que adoraria ver a democracia em Cuba, acredito que a melhor forma de concretizar tal visão seria permitindo que os cubanos pudessem perceber o que estão perdendo. E a melhor forma de faze-lo seria permitindo que os cubanos conhecem pessoalmente os norte-americanos".

(Al Neuharth é fundador do USA TODAY)

Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos