Tropas especiais procuram agentes de destruição em massa em Cabul

Tim Friend

Cabul, Afeganistão -- Nas primeiras horas de uma manhã ensolarada de sábado, dois veículos da Força Internacional de Assistência de Segurança (ISAF) foram até o bairro de Wazir Akbar Khan e estacionaram em frente a uma casa.

USA Today
Cabo Stevie Higgs testa o grau de destruição de uma bomba no aeroporto internacional de Cabul
A ISAF investigava uma denúncia de que um dos aposentos da casa estaria cheio de contêineres de antraz. A casa tinha sido ocupada pela Al Qaeda durante o regime do Taleban, pertencendo agora a Abdul Karim Aymaq, o administrador municipal de Cabul. Aymaq, que mora na casa há dois meses, estava ansioso para que os contêineres fossem retirados dali.

Quatro homens do Regimento Nuclear, Biológico e Químico (NBC) bateram à sua porta e esperaram que o proprietário autorizasse a sua entrada. Eles recolheram amostras do ar do aposento, coletaram resíduos do chão de concreto e das paredes de estuque, e a seguir levaram um dos contêineres para ser examinado em um laboratório portátil do NBC, no posto militar francês, no Aeroporto Internacional de Cabul.

Por volta de 10h, a unidade de laboratório do NBC, utilizando equipamentos sofisticados, geralmente encontrados somente nos grandes laboratórios comerciais ou acadêmicos, determinou que os contêineres continham apenas recipientes de máscaras de gás da era soviética. A capacidade de responder de forma tão rápida a uma ameaça potencialmente devastadora é exatamente aquilo que o laboratório se propõe a fazer.

"Tendo visitado a casa que pertenceu a Al Qaeda no início da manhã, pudemos afirmar categoricamente às 10 h que nela não havia antraz", diz o capitão James Cameron, chefe do laboratório NBC. "Tal rapidez é fundamental. Pode-se imaginar os recursos que teriam que ser mobilizados, caso tivéssemos que montar guarda no local e esperar que os resultados chegassem de um laboratório na Inglaterra". O laboratório é capaz de identificar tanto armas biológicas soviéticas como norte-americanas.

A unidade, composta por três soldados britânicos, faz parte do Regimento ISAF NBC. Ela inclui ainda 18 soldados italianos que operam a unidade de descontaminação, uma outra equipe de resposta rápida que os soldados se alegram em ver quando se defrontam com os perigos biológicos, químicos e nucleares da guerra moderna.

O laboratório móvel foi criado em 1998, inicialmente para monitorar as fronteiras do Iraque, "a fim de garantir que Saddam não estaria liberando algo de horrível para além do seu território", diz Cameron. Desde então, o regimento NBC se tornou um laboratório portátil de alta tecnologia, capaz de monitorar e avaliar os riscos representados pela radiatividade, armas biológicas e centenas de milhares de agentes químicos. O seu compacto laboratório de análise de DNA o capacita a identificar organismos letais como o antraz em menos de uma hora, com um grau de precisão extremamente alto.

O envio do regimento NBC a Cabul representa a primeira vez que um laboratório científico tão completo é utilizado em uma guerra.

"Nenhum outro país, incluindo os Estados Unidos, possui a nossa capacidade", afirma Cameron. "Esta unidade é efetivamente um modelo para operações futuras. Uma grande quantidade de kits (vários instrumentos científicos) que estamos utilizamos não é ainda sequer comercializada em meio à comunidade científica".

Quando chegou a Cabul, dois meses atrás, o Regimento NBC começou a instalar detectores sensíveis pela cidade e pelas colinas que a rodeiam. Ocultos nos parques áridos e nas imediações de todas as instalações da ISAF estão dezenas de sensores para medir os níveis de radiatividade. Coletores de aerossol que se assemelham a pequenas banheiras para banho de passarinhos estão distribuídas pela cidade e próximas às principais instalações da ISAF, a fim de testar o ar respirado pela população. Alguns dos sensores podem ser checados à distância, sem que haja a necessidade de se ir a campo.

Segundo Cameron, entre eles estão as unidades biodetectoras instaladas em torno de Cabul. Elas são similares àquelas posicionadas discretamente nas imediações do Pentágono, sendo porém mais automatizadas e sensíveis.

Um dos protótipos que estão sendo utilizados pela primeira vez é o dosímetro radiativo ANURD13. Ele pode ser usado por um soldado e dispara um alarme quando detecta radiatividade. Um outro é o FAG, que faz a distinção entre diferentes tipos de radiação e determina a direção e localização da fonte radiativa.

A unidade também tem coletado amostras de água de Cabul e as examinado, para determinar a presença de microorganismos e produtos químicos. Esses serão os primeiros dados científicos coletados sobre os índices de poluição na cidade em mais de 25 anos. O NBC vai fornecer tais informações ao governo e cientistas ambientais da região. Esses dados vão compor a lista de problemas com que já se depara a população da cidade. Porém, é um começo, conforme diz o sargento Iain Thomson, que segura um frasco com um líquido claro.

"Esta é a essência de Cabul, que não é boa", afirma Thomson. As conclusões iniciais apontam para o fato de que o ar de Cabul é altamente poluído com hidrocarbonetos provenientes dos fogões locais, que queimam lenha e esterco, assim como dos motores e fogões a diesel. À noite, a poluição às vezes se torna tão densa que os recém-chegados a confundem com uma neblina pesada. A maior parte dos visitantes ocidentais desenvolve uma persistente "tosse de Cabul", alguns dias após chegarem.

A água local é ainda pior. Ela contém índices perigosos de pesticidas -- bem acima dos níveis que causam câncer -- e uma quantidade de organismos causadores da cólera e da diarréia que faz com que essas doenças sejam as maiores causadoras de mortes entre as crianças e enfermos.

Os agricultores em todo o Afeganistão usam grandes quantidades de pesticidas. No decorrer dos últimos três anos de seca, os pesticidas ficaram concentrados no solo. Agora, quando o inverno causou as primeiras chuvas consistentes, os pesticidas presentes nos campos poeirentos ao redor de Cabul estão sendo carregados para os córregos que abastecem a cidade de água potável.

De acordo com Cameron, a unidade NBC identificou uma outra ameaça relativa a pesticidas, dias após chegar a Cabul. Quando os líderes da Al Qaeda e do Taleban fugiram em novembro, eles deixaram para trás milhares de frascos de ácido carbônico puro, um pesticida agrícola que atua como agente nervoso. Os frascos estavam espalhados por toda a cidade, nos quintais e quartos das casas onde moravam os membros da Al Qaeda, juntamente com frascos de estreptomicina, um antigo antibiótico de primeira geração.

Esses frascos representam um risco considerável para crianças e adultos curiosos que os encontram. A unidade tem estado ocupada localizando e eliminando os frascos.

Mas um dos primeiros testes que o NBC enfrentou, que foi fonte de um óbvio orgulho entre os membros da unidade, envolveu velhas bombas soviéticas de combustível encontradas no aeroporto. As bombas, que contém 500 quilos de combustível, eram uma ameaça para as equipes que tentavam reabrir a instalação. Ninguém sabia o conteúdo das bombas, e ninguém tampouco queria abri-las para descobrir o que continham.

A equipe NBC demonstrou o potencial do seu dispositivo para diagnóstico de campo AP2C, que lembra um pouco uma vídeo-câmera da década de 80 com um tubo na extremidade. A equipe recolheu resíduos de 25 anos de idade em volta das tampas das bombas e as colocou no interior do tubo. Os resíduos foram aquecidos nos tubos e, a seguir, analisados pela AP2C, usando a técnica de fotometria de chama, que interpreta a variação de cores nas labaredas e identifica imediatamente o tipo de combustível no interior das bombas.

"Nós simplesmente esperamos em volta das bombas e fomos capazes de descobrir o que continham sem abri-las", conta Thomson.

A primeira missão importante da equipe após a sua chegada foi determinar rapidamente os níveis residuais de agentes biológicos, químicos e radiológicos de Cabul. Agora, ela monitora a cidade, em busca de quaisquer alterações, como aquelas que ocorreriam caso a Al Qaeda realizasse um ataque.

Ao contrário das bombas convencionais, os ataques químicos e biológicos costumam ser consumados em silêncio e expor a população a ameaças antes que ela perceba o que está se passando.

E, caso toda a tecnologia fracasse, o laboratório possui um dispositivo raramente visto nos laboratórios norte-americanos: um pássaro em uma gaiola de madeira. Segundo Cameron, todo mundo precisa dispor de um plano B.

Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos