Nos EUA, funcionários em férias precisam manter contato com seus escritórios

Stephanie Armour
USA Today

Os funcionários que pretendem ficar bem longe do trabalho durante as férias de meio de ano nos EUA podem ter uma desagradável surpresa. Não há maneira de escapar do escritório.

Os patrões estão exigindo que os funcionários mantenham contato enquanto estiverem em férias. E um número cada vez maior de trabalhadores está abrindo mão inteiramente das férias devido às preocupações financeiras ou ao excesso de trabalho no escritório.

- No Crossbow Group, uma empresa de serviços de marketing com sede em Westport, no Estado de Connecticut, a diretoria exigiu que todos os funcionários que saíssem de férias deixassem telefones de contato. Eles também precisam avisar à firma para onde vão viajar. "Como chefe gerencial, não vou para lugar algum onde a empresa não possa entrar em contato comigo", afirma Jay Bower, o presidente da firma.

- Na Mindbridge Software, em Worcester, Massachusetts, foi criado um web site específico para que os funcionários em férias possam entrar em contato com a empresa. "É importante para a companhia que ninguém fique inacessível durante as férias", explica Scott Testa, da Mindbridge. "O aspecto ruim é que muita gente está convicta de que as férias são feitas exatamente para que o trabalhador se desligue completamente do trabalho".

- Rick Schultz, de Dulth, Geórgia, é vice-presidente de marketing industrial da Teradata, uma empresa especializada em soluções analíticas. Devido às demandas do trabalho, este ano ele está reduzindo o período de férias com a família na Flórida. "Aquela época em que tirávamos sete dias integrais de férias e depois voltávamos ao trabalho acabou", diz Schultz.

Atualmente, 40% dos gerentes são obrigados a deixar com a empresa o seu itinerário e telefones de contato enquanto estiverem de férias, segundo uma pesquisa realizada em maio pela Associação Americana de Gerenciamento. Quase 19% deles precisam entrar em contato com o escritório enquanto estiverem fora. Esses números representam um aumento em relação ao ano passado, quando cerca de 35% dos funcionários precisavam fornecer tais informações à firma.

Dois em cada cinco norte-americanos não vão tirar férias neste verão, segundo um estudo feito pela firma de pesquisa de mercado, Insight Express, com sede em Stamford, em Connecticut. O principal motivo para isso são os problemas financeiros pessoais e a impossibilidade de deixar o escritório, devido ao grande volume de trabalho.

"O motivo pelo qual as pessoas não estão tirando férias não são ameaças ou questões de segurança", afirma Lee Smith, chefe do setor de operações da Insight Express. "Foi isso que nos surpreendeu".

Alguns especialistas afirmam que há perigos concretos causados pela prática de se fazer tais exigências aos funcionários em tempos de crise, especialmente porque essas exigências englobam desde a diretoria até o corpo de funcionários mais subalternos.

"Há menos gente para trabalhar mais. Aquela pessoa que cobria o serviço de um funcionário em férias não existe mais", diz Robert Morgan, da Spherion, uma fornecedora de soluções personalizadas, com sede em Fort Lauderdale, no Texas. "A estafa é uma grande ameaça. As pessoas precisam de folga".


Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos