Inteligência americana afirma que Al Qaeda atua na Caxemira

Mark Memmott
USA Today
Em Nova Déli (Índia)

A Índia se preparava para possíveis ataques da Al Qaeda, quando o secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, disse na quarta-feira que "possui indicações" de que o grupo extremista estaria atuando ao longo da tensa fronteira entre a Índia e o Paquistão.

Rumsfeld fez o comentário após ter se encontrado com o primeiro-ministro indiano, Atal Bihari Vajpayee, para discutir maneiras de atenuar as recentes tensões na Caxemira, a região em litígio que levou os dois rivais nucleares à beira de uma terceira guerra.

"Vi indicações de que existem de fato elementos da Al Qaeda operando na área", disse Rumsfeld. "Não tenho evidências precisas sobre quantos são, quem são e do local exato em que operam".

A visita do secretário de Defesa acontece no momento em que as autoridades indianas advertem bancos em Mumbai (ex-Bombaim), a capital financeira da Índia, para que reforcem a segurança, a fim de evitar possíveis ataques desfechados pela Al Qaeda.

Os comentários de Rumsfeld confirmam relatos de que alguns membros da Al Qaeda se deslocaram do Afeganistão para a Caxemira. Esses comentários geraram expectativas quanto ao que os Estados Unidos poderiam fazer para combater esses indivíduos na conturbada região. O secretário de Defesa não disse se os Estados Unidos desejam enviar tropas para caçar a Al Qaeda na Caxemira. "Estamos contando com a colaboração de vários países", disse ele. "Temos trabalhado com esses países a fim de garantir que eles não se transformem em abrigos para terroristas".

Autoridades norte-americanas e indianas estão cogitando utilizar sensores eletrônicos ao longo da fronteira entre o Paquistão e a Índia, na Caxemira, para monitorar os movimentos de militantes islâmicos.

Oficiais de inteligência do Pentágono dizem acreditar que alguns agentes operacionais da Al Qaeda tenham se dispersado pelas montanhas cheias de cavernas em uma área de um terço da Caxemira controlada pelo Paquistão. A CIA (Agência Central de Inteligência, o principal órgão de inteligência externa dos Estados Unidos), que tem monitorado de perto os movimentos da Al Qaeda, também relatou a presença de pequenas quantidades de combatentes da Al Qaeda na Caxemira. Acredita-se que membros da rede extremista possuam fortes laços com os militantes islâmicos locais que movem uma luta de guerrilha conta o governo indiano na região dividida.

As agências americanas de inteligência dizem não saber se os agentes operacionais da Al Qaeda migraram para a Caxemira a fim de escapar das autoridades paquistanesas e norte-americanas ou para realizar ataques contra a Índia. Elas tampouco são unânimes em afirmar que todos os membros da Al Qaeda estejam na Caxemira. Uma autoridade norte-americana disse em Islamabad, na quarta-feira, que não há evidências concretas que comprovem os comentários do secretário de Defesa.

O ministro do Interior do Paquistão, Moinuddin Haidar, também demonstrou ceticismo.

"Se - e eu quero enfatizar este 'se' - encontrarmos algum membro da Al Qaeda na fronteira, nos os entregaremos aos norte-americanos", disse ele. "Temos cooperado integralmente com as autoridades norte-americanas ao capturar elementos da Al Qaeda em qualquer região do país. Não precisamos de tropas norte-americanas na Caxemira"

Em resposta a uma concentração de tropas indianas nas suas fronteiras orientais, o Paquistão deslocou milhares de soldados que estavam na fronteira com o Afeganistão, onde se presume que a maior parte dos membros da Al Qaeda e do Taleban esteja se ocultando". Rumsfeld se encontrou na quinta-feira, em Islamabad, com o presidente paquistanês, general Pervez Musharraf.


Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos