Droga anticolesterol causa problemas aos nervos

Steve Sternberg e Julie Appelby
USA Today

As conhecidas drogas que reduzem o colesterol, as chamadas statinas, comprovaram que diminuem os riscos de doenças cardíacas e derrames. Em uma era na qual 16 milhões de indivíduos tomam tais medicamentos nos Estados Unidos -- e também muitos milhões em outros países -- um efeito colateral inesperado da medicação começa a emergir.

No ano passado, a Bayer retirou do comércio o medicamento Baycol, após a ocorrência de 100 mortes, motivadas por uma rara doença que provoca o rompimento dos músculos.

Agora, pesquisadores dinamarqueses afirmam ter identificado um novo e preocupante efeito colateral provocado pelas statinas, um problema nos nervos que causa formigamentos, fraqueza, dificuldade de caminhar e dor. O principal autor do estudo dinamarquês, David Gaist, da Universidade do Sul da Dinamarca, e Sidney Smith, diretor de ciências da Associação Americana do Coração, ajudaram a responder algumas questões sobre as novas pesquisas e as drogas statinas:

Pergunta: O que são as statinas?

Resposta: São drogas que interferem com a capacidade do organismo de produzir colesterol e outras gorduras presentes no sangue, capazes de entupir as artérias.

b>Pergunta: Por que elas são úteis?

Resposta: Estudos com 50 mil pessoas nos Estados Unidos e no exterior demonstraram que essas drogas podem reduzir o número de mortes causadas por ataques cardíacos e derrames em até 30%.

b>Pergunta: E até que ponto elas são seguras?

Resposta: Com exceção do Baycol, elas foram consideradas tão seguras que alguns médicos chegaram a fazer brincadeiras, sugerindo que fossem adicionadas aos reservatórios de água. Mas, assim como qualquer outro remédio, elas também geram efeitos colaterais, danificando especialmente o fígado.

O fígado quebra as statinas, que são drogas complexas e difíceis de serem digeridas pelo órgão. Conforme indica o caso envolvendo o Baycol, elas também têm um efeito sobre os músculos. Os médicos monitoram rotineiramente enzimas do fígado e dos músculos, buscando identificar esses efeitos colaterais: se o nível das enzimas se elevar, os médicos podem interromper o tratamento.

b>Pergunta: O que acontece aos nervos?

Resposta: Os médicos ainda não descobriram o que causa os danos aos nervos dos pacientes que tomam as statinas. Nos casos dinamarqueses, médicos descobriram sete pacientes que sofriam de uma doença chamada polineuropatia, um termo técnico para se referir à inflamação e aos danos dos tecidos nervosos. Os sintomas encontrados são típicos de problemas dos nervos: dormência, fraqueza e dor.

Anteriormente, as statinas tinham demonstrado que afetam os nervos, mas de uma maneira benéfica. Em um estudo, pesquisadores descobriram que as statinas reduzem o risco da doença de Alzheimer em mais de dois terços. E, de fato, os médicos se preparam para dar início a duas grandes experiências, a fim de determinar se as statinas poderiam desempenhar um papel benéfico em indivíduos propensos à doença de Alzheimer.

b>Pergunta: Por que os problemas com os nervos não foram detectados em estudos anteriores?

Resposta: Até mesmo experiências em larga escala não são suficientemente amplas para possibilitar a descoberta de efeitos colaterais raros e sutis de cada droga.

Algumas questões foram levantadas e algumas statinas trazem na bula a menção aos potenciais problemas para os nervos. Mas esse efeito colateral não parece ser generalizado. Cerca de uma em cada 2.200 pessoas que tomam statinas podem vir a sofrer de polineuropatias.

b>Pergunta: Por que o problema foi descoberto neste estudo?

Resposta: A Dinamarca possui um sistema nacional de saúde que permitiu aos pesquisadores checar as fichas médicas de todos os habitantes de um condado em que moravam cerca de 500 mil pessoas. Nenhum estudo anterior fora tão amplo.

b>Pergunta: Os pacientes devem parar de tomar statinas?

Resposta: Não. Mas eles devem consultar os seus médicos, caso sintam algum dos sintomas vinculados à polineuropatia.

Tradução: Danilo Fonseca

Clique aqui para ler mais notícias de saúde.

UOL Cursos Online

Todos os cursos