Estudos comprovam efeitos benéficos dos peixes para o coração

Steve Sternberg
USA Today
Em Chicago (EUA)

Pessoas que sofrem de doenças do coração podem reduzir o risco de um ataque cardíaco fatal comendo uma porção diária de salmão ou outro peixe de carne oleosa, ou ainda ingerindo um suplemento diário de óleo de peixe, recomendaram autoridades em cardiologia na terça-feira (19).

As recomendações da Associação Americana do Coração, divulgadas no encontro anual da instituição, em Chicago, se constituem na primeira vez em que o grupo apóia o uso de um suplemento nutricional como forma de melhorar a saúde do coração. Estudos atuais sugerem que os componentes do óleo de peixe, os chamados ácidos gordurosos ômega-3, podem salvar as vidas de pessoas que sofrem do coração.

"Temos evidências de que, se pacientes cardiopatas consumirem cerca de um grama da substância por dia, os seus índices de sobrevivência melhoram e eles têm menos ataques cardíacos", afirma Penny Kris-Etherton, da Universidade do Estado da Pensilvânia, a principal autora do relatório da Associação Americana do Coração.

"O organismo de certas pessoas não aceita peixe, outras não gostam desse alimento e há ainda aqueles indivíduos que moram em regiões onde não é possível encontrar pescados", diz ela. "Essas pessoas deveriam pensar em ingerir um suplemento de acordo com orientações médicas".

A Associação Americana do Coração também mencionou pesquisas recentes que indicam que até mesmo aqueles indivíduos que possuem corações sadios podem se beneficiar de uma dieta rica em peixes como salmão, enchova, cavala e espadarte. Um estudo conduzido com 22.071 médicos, o chamado de "Estudo da Saúde dos Médicos", sugeriu que o consumo de peixe pode reduzir o risco de um indivíduo sofrer um ataque cardíaco em 80%. Um estudo paralelo, o Estudo da Saúde das Enfermeiras, revelou que os ácidos gordurosos ômega-3 podem reduzir o risco de as mulheres morrerem do coração em 33%.

Peixes gordurosos podem conter níveis significativos de mercúrio, o que não representa risco para a maioria dos adultos que têm uma dieta balanceada, mas o governo recomenda que algumas mulheres tomem precauções. Mulheres que estão ou podem ficar grávidas devem evitar comer mais do que 170 gramas de peixe por semana. Mulheres grávidas ou que estão amamentando, assim como bebês, não devem comer cação (tubarão), espadarte, cavala ou pargo.

"Espero que a população não se sinta confusa -- tais regras tem por principal objetivo proteger os fetos", explica Bill Harris, professor de medicina da Universidade de Missouri. "Espero que ninguém vá pensar que estamos fazendo com que indivíduos de 60 anos de idade corram o risco de se intoxicarem com mercúrio".

Outros fatos revelados durante o evento:

- A obesidade dobra o risco de doenças do coração em irmãos e irmãs de pessoas que possuem cardiopatias precoces, especialmente se ganharem mais de nove quilos em menos de uma década. O estudo da Universidade Johns Hopkins, divulgado na segunda-feira, envolveu 539 irmãos ou irmãs de pessoas que foram vítimas de ataques cardíacos ou que morreram de cardiopatias.

- Até mesmo os idosos podem se beneficiar das drogas que reduzem o colesterol. Um estudo com 6.000 indivíduos, com idades entre 70 e 82 anos, revelou que o tratamento com a droga pravastatina reduz as mortes por cardiopatias em 25%, segundo Jim Shephard, da Universidade de Glasgow.

Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos