Estudo revela que Botox faz com que o suor tenha um melhor odor

Rita Rubin
USA Today

Cientistas alemães modificaram a forma como se encarava o Botox. Um novo estudo revela que injeções da substância - mais conhecida por acabar com rugas de expressão - podem fazer com que o odor do suor fique mais adocicado.

O Botox já foi aprovado em vários países para o tratamento da hiper-hidrose axilar, o termo técnico para a sudorese excessiva nas axilas. Ele ainda não foi aprovado para tal finalidade nos Estados Unidos, mas isso não impede que os médicos o usem para tratar de pacientes que suem excessivamente.

Injeções da toxina botulinum nas axilas bloqueiam os nervos conectados às glândulas sudoríparas.

Antes do espetáculo da entrega do Oscar, no ano passado, Estee Lauder ofereceu às atrizes indicadas para o prêmio um dia de spa em casa, incluindo injeções de Botox nas axilas. Não se sabe se alguma das mulheres aceitou a oferta.

As pessoas que sofrem de hiper-hidrose podem arcar com despesas altíssimas de lavagem a seco, mas raramente exalam odor corporal excessivo, escreveram pesquisadores alemães no periódico especializado "Archives of Dermatology". Mas para os desafortunados que padecem desse problema, o Botox não elimina a necessidade de se usar desodorante.

Os médicos da Universidade Ludwig-Maximilian, em Munique, que teriam publicado "o estudo definitivo" sobre o Botox e o excesso de suor, dois anos atrás, começaram a se pergunta se o produto não aliviaria o problema do mau-cheiro em pessoas que não apresentassem sudorese exagerada nas axilas. Assim, eles recrutaram 16 voluntários, com as idades variando entre 18 e 51 anos, nenhum dos quais tinha uma história de bromidrose, o termo científico para designar axilas mau-cheirosas.

Em nome da ciência, os voluntários usaram camisetas brancas de algodão, recém-lavadas, por 24 horas. Durante dois dias antes de vestir as camisetas, e no decorrer do período em que as usaram, os seguintes itens foram proibidos: desodorante, perfume, aspargo, cebola, alho e "contato físico íntimo com parceiros".

E essa não foi a pior parte do experimento. As áreas das camisetas sob as axilas foram cortadas e armazenadas em frascos de vidro. Os voluntários precisaram cheirar cada amostra e dar-lhes uma "nota" em termos de intensidade e natureza desagradável do odor.

Ok, mas isso talvez tenha sido ainda pior. Eles tiveram que repetir todo o teste. Só que desta vez, todos receberam injeções de Botox em uma axila, e, para efeitos de comparação, aplicações de uma solução salina na outra. A seguir, aguardaram uma semana antes de voltarem a vestir as camisetas brancas.

Quando comparados aos pedaços de camisetas retirados da área sob as axilas não tratadas, aqueles que ficaram sob as axilas que receberam aplicação de Botox exalaram um odor menos intenso e mais agradável, segundo os pesquisadores. Eles solicitaram novos estudos para investigar os mecanismos subjacentes ao fenômeno.

Uma outra pergunta digna de uma pesquisa: Quantas pessoas desejariam gastar algo entre US$ 450 e US$ 500 (R$ 1.568 e R$ 1.742) para ter o privilégio de não usar desodorante por cerca de um ano?

Tradução: Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos