Estudo salva o cromossomo y - e os homens - da extinção

Tim Friend

Os cientistas decodificaram o cromossomo y, solucionando assim mistérios sobre como o cromossomo funciona e por que o homem existe.

Os cientistas haviam assumido - incorretamente - que o cromossomo y fosse uma desolação genética, acumulando códigos sem sentido e perdendo os seus fragmentos no decorrer de gerações sucessivas.

No ano passado, alguns cientistas previram que o cromossomo y - e os homens - se extinguiriam dentro de 10 milhões de anos, diz David Page, cientista do Instituto Médico Howard Hughes que trabalha ainda no Instituto Whitehead e no Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

A má imagem do cromossomo y se baseia em suposições sobre o emparelhamento de cromossomos durante a concepção. Os humanos possuem 23 cromossomos e dois cromossomos determinadores do sexo; o x, feminino, e o y, masculino. Quando o espermatozóide se une ao óvulo, o conjunto de 23 cromossomos do pai se emparelha com o da mãe.

Com o passar do tempo, todos os cromossomos são danificados, de forma que o emparelhamento dos cromossomos correspondentes permite a troca de partes danificadas por saudáveis. Dessa forma, os cromossomos se regeneram a cada concepção. As mulheres possuem duas cópias do cromossomo x; os homens possuem um x e um y. Os cromossomos do par xx são capazes de regenerar um ao outro, mas o y é solitário, de forma que se presumia que estivesse destinado a sucumbir por falta de reparos.

Até o momento, o y vinha sendo o Rodney Dangerfield dos cromossomos", diz Page.

O seqüenciamento do código genético do cromossomo y, anunciado na edição de quarta-feira da revista "Nature", revelou surpresas. Primeiro, trata-se de uma unidade rigidamente controlada, que tem um único objetivo: fabricar grande quantidade de espermatozóides saudáveis (cerca de 10 trilhões no decorrer de uma vida) a fim de assegurar a sobrevivência da espécie humana. Sob uma ótica evolucionária, os homens são bancos de material para procriação. As descobertas foram confirmadas também pela decodificação do cromossomo y de chimpanzés.

O y solitário é capaz de realizar a sua tarefa vital por ter desenvolvido oito palíndromos de códigos genéticos - letras que formam a mesma palavra, quer sejam lidas de trás para frente ou de frente para trás. Por meio desse método inteiramente inesperado, o cromossomo y gera imagens simétricas dos seus genes produtores de espermatozóides que o tornam capaz de reparar danos. Assim, o cromossomo y não necessita de um parceiro.

"Basicamente, o nosso objetivo é conferir respeitabilidade ao cromossomo masculino. O y é o único cromossomo rotineiramente transformado em caricatura", afirma Page. "Já se disse que o y é o hospedeiro do gene do controle remoto, do gene do arroto e daquele que faz com que os homens se recusem a pedir informações quando procuram determinado endereço". Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos