Adotando crianças, adotando um país

Al Neuharth
Fundador do USA Today
DE MONTICELLO, Virgínia (EUA)

Milhões de pessoas nos Estados Unidos vão comemorar o 4 de julho nesta sexta-feira de formas tradicionais. Piqueniques. Diversões e jogos. Fogos de artifício.

Mas aqui, na cidade histórica onde nasceu o homem que escreveu a Declaração de Independência, o dia será "especialmente especial". E será na Monticello de Thomas Jefferson que 80 homens, mulheres e crianças de 36 países receberão os seus certificados de cidadania estadunidense.

Eles estão entre os 1.200 indivíduos que vão se naturalizar em todos os Estados Unidos neste feriado, em mais de dez cerimônias. Esses eventos ocorrem em locais especiais, de costa a costa. Lugares como o Parque Fórum da Liberdade, às margens do Rio Potomac, em Washington, D.C.; ou na torre Space Needle, bem acima de Seattle, no Estado de Washington. Mas nenhum templo da história nacional carrega mais simbolismo no 4 de julho do que a Monticello de Jefferson.

Quando fui convidado para ser o orador dessa cerimônia, fiz um estudo sobre a questão da cidadania. Aprendi que há três formas, e não apenas duas, como anteriormente havia pensado, de alguém se tornar cidadão estadunidense: 1)Nascer aqui, ou nascer no exterior sendo filhos de pais que são cidadãos dos Estados Unidos. 2) Vir do exterior para cá e, caso se tenha 18 anos ou mais, passar nos testes de cidadania e prestar o juramento. 3) Ser adotado em outro país, enquanto menor de idade, por pais estadunidenses.


É por meio da adoção que esses três bebês estrangeiros receberão os seus certificados de cidadania: Katherine Han Huddleston, sete meses, Vietnã; Conor Denis Farrel, dois anos, Rússia; Juliya Oksana Guthrie, três anos, Ucrânia.

Eles serão as estrelas do show. É impossível superar essa combinação de pais adotando crianças e crianças adotando um país para empolgar corações e mentes no Dia da Independência.

Conheça outras opiniões relativas a adoção e cidadania:

"Toda criança merece tal honra, mas até que comecemos a fazer da adoção uma alternativa mais aceitável para as jovens mães grávidas que passam por problemas, continuaremos a ter milhares de crianças em nosso sistema de orfanatos - e as famílias norte-americanas viajarão ao exterior para adotar bebês, deixando os nossos órfãos para trás" - Scott Mars, diretor-executivo da American Adoptions.

"A adoção internacional pode ser uma maneira excelente de formar uma família. Freqüentemente há crianças jovens e saudáveis disponíveis; a espera por uma criança, especialmente um bebê, pode ser breve, e oferece-se a um órfão uma vida no seio de uma família" - Susan Maines, diretora-executiva da America World Adoption Association.

"As comemorações de naturalização são lições cívicas que mobilizam e esclarecem todos os norte-americanos e fazem com que nos lembremos dos valores centrais e dos sacrifícios que tornaram o nosso país ao mesmo tempo etnicamente diversificado e grandioso. E é difícil imaginar uma localidade mais especial que Monticello, ou uma data mais simbólica do que o 4 de julho" - Dan Jordan, presidente da Fundação Thomas Jefferson. Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos