Será possível se sentir seguro durante as Olimpíadas em Atenas?

Jeff D'Alessio
Florida Today/USA Today

Ele foi a Montreal em 1976, a Los Angeles em 1984, a Barcelona em 1992, a Atlanta em 1996 e a Sydney em 2000. E chegou até a pensar em rumar para Moscou em 1980 para ver por quanto venderia uma calça jeans. Assim, nada seria capaz de impedir que Guy Wickman, obviamente um fã devoto das Olimpíadas, assistisse a estes históricos Jogos de Verão em Atenas, local das primeiras Olimpíadas.

Nem mesmo a ameaça do terrorismo. "O meu pensamento é o seguinte: Estou apenas de visita nesta Terra. Assim, ser tirado de cena faz parte da vida", diz Wickman, 55, morador de Rockledge, Flórida. "Mas preferia que quem me tirasse de cena não fosse um desses caras".

À medida que se aproximam os jogos de 13 a 29 de agosto, as autoridades estão tomando todas as precauções para garantir que todos tenham segurança nestes Jogos de Verão.

Nestes primeiros Jogos Olímpicos desde os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 serão investidos aproximadamente US$ 1,2 bilhão com a segurança, que incluirá desde unidades da Otan especializadas em neutralização de armas químicas até um dirigível espião suíço de 60 metros de comprimento que voará sobre Atenas. Essa quantia é cerca de quatro vezes maior do que a que foi gasta nos Jogos Olímpicos de Sydney.

As medidas incluem ainda:

  • cerca de 70 mil policiais, soldados e outros agentes de segurança, que serão colocados em pontos estratégicos e em portos de Atenas a partir desta terça-feira (20/07);

  • mais de 1.400 câmeras, que serão instaladas em postes nos locais em que acontecerão os eventos, a fim de ajudar na tarefa de garantir a segurança;

  • oito navios de cruzeiro -incluindo o maior navio de passageiros do mundo, o Queen Mary 2- que hospedarão autoridades de Estado, dignatários e alguns atletas, incluindo a equipe nacional de basquete dos Estados Unidos. Os navios serão protegidos por forças especiais, lanchas de combate e helicópteros, e contarão com detectores de materiais radioativos, químicos e biológicos.

  • agentes armados dos Estados Unidos, que deverão proteger atletas norte-americanos durante um período de treinamento pré-olímpico na ilha de Creta.

    "Estou mais preocupada com a minha família e o com o público", diz a jogadora norte-americana de vôlei de praia Kerri Walsh.

    "Acho que os atletas estarão muito bem protegidos, mas estou um pouco apreensiva com a segurança dos meus familiares. Sei que vamos receber instruções rigorosas quanto à segurança e vou passar essas instruções aos meus pais e garantir que estejamos nos locais certos. Não quero ser insolente. Temos orgulho de ser norte-americanos, mas não vamos deixar que esse orgulho se manifeste demais em nossas faces".

    Atrasos nas construções

    Passaram-se 32 anos desde que terroristas palestinos seqüestraram e mataram 11 atletas e técnicos israelenses nos Jogos Olímpicos de Munique. Embora pouca gente acredite que os participantes em si correrão perigo nestes jogos, os especialistas temem uma repetição do que aconteceu em 1996, quando uma bomba explodiu no Centennial Park, em Atlanta, matando uma pessoa e ferindo 111.

    "Eric Robert Rudolph não atacou um estádio olímpico ou os locais diretamente ligados ao evento", diz Walter Purdy, diretor do Centro de Pesquisas sobre Terrorismo, próximo a Washington. "Ele foi até uma área externa onde sabia que haveria concentração de pessoas".

    "É esse o tipo de perigo que eu visualizo em Atenas durante as Olimpíadas. Os atletas estarão seguros. As instalações olímpicas também. Mas a Grécia é um país que possui fronteiras e que tem várias ilhas. Mesmo com uma força de segurança de 70 mil homens, como garantir que esses agentes estejam em toda parte?".

    E há um fator complicador: o atraso na construção de instalações olímpicas fundamentais em Atenas. O principal complexo não deverá estar pronto até de 10 de agosto, três dias antes das Cerimônias de Abertura. Um novo sistema de transporte ferroviário, capaz de levar até 80 mil pessoas por dia do centro da cidade aos subúrbios de Atenas à beira-mar, foi finalmente inaugurado nesta segunda-feira (19/07).

    A título de comparação, Purdy diz que as instalações para os Jogos de Inverno de Salt Lake City, nos EUA em 2002, estavam construídas -e prontas para passar por rigorosas inspeções- um ano antes da chegada da tocha olímpica.

    "Como seria possível verificar as brechas de segurança quando as instalações ainda estão sendo construídas?", questiona ele. "Pode não haver tempo suficiente para se testar efetivamente a segurança desses locais".

    A preocupação com o terrorismo aumentou na Europa desde março, quando um atentado a bomba em um trem matou 191 pessoas em Madri. Dois meses depois, cerca de 100 dias antes dos jogos, três explosões danificaram um posto policial nos arredores de Atenas. O incidente, do tipo que ocorre regularmente na Grécia, foi atribuído a anarquistas locais.

    "Se algo acontecer conosco e alguém nos matar, sabe de uma coisa? Peguem-nos", diz o norte-americano Rulon Gardner, o rei da luta greco-romana. "É só isso que peço".

    Mas a ameaça de terrorismo na Grécia -que está próxima do turbulento Oriente Médio- não vai impedir que atletas e fãs se divirtam com a experiência olímpica. Os atletas dizem não ter tempo para se preocuparem com a sua segurança, já que é preciso tentar ganhar uma medalha olímpica.

    "Iremos a Atenas em um momento em que estaremos ainda em guerra, e isso pode fazer com que aumente um pouco a possibilidade de um incidente", diz o atleta norte-americano Stacy Dragila. "Mas se eu tiver que me preocupar com isso, vou perder grande parte da concentração naquilo que tento fazer no meu treinamento".

    Wickman, um viajante veterano, tomou algumas medidas extras de segurança, mas está mais preocupado em ver tudo o que quer durante a sua curta estada em Atenas do que com a possibilidade de que algum grupo radical tente arruinar os jogos.

    A sua filha de 16 anos e a sua mãe chegarão de Massachusetts dois dias antes dele. Assim, Wickman pediu ao grego cuja casa de cinco quartos em Atenas está alugando que pegasse as duas no aeroporto e as acompanhasse nos passeios pela cidade até a sua chegada.

    O preço ficou um pouco maior do que o esperado -US$ 100 por dia, além dos US$ 225 diários com aluguel e dos US$ 1.200 gastos com a compra de ingressos para 27 eventos. Mas ele diz que vale a pena.

    "A minha maior preocupação é com elas", diz Wickman, que já viajou por cerca de 25 países. "Mas o terrorismo tem uma importância muito pequena na minha lista de preocupações. Acredito que se eles foram capazes de nos pegar nas Torres Gêmeas, podem nos atingir em qualquer lugar". Falta de organização e atraso em instalações ampliam tensão a poucos dias dos Jogos Danilo Fonseca
  • UOL Cursos Online

    Todos os cursos