Americanas sofrem, mas vão à final do futebol

Scott Pitoniak
Em Heraklio, Creta

A preleção da técnica April Heinrichs, do time de futebol feminino dos Estados Unidos, feita antes da partida semifinal desta segunda-feira (23/08) nos Jogos Olímpicos, pediu a vitória em homenagem a "Mia e toda a gang".

Não irá entrar para a história esportiva do país como o discurso do carismático técnico de futebol americano Knute Rockne saudando o seu craque George Gipp. Mas surtiu efeito. As americanas, contando com o gás de suas várias novatas, venceram as alemãs por 2 a 1, num jogo épico que precisou ser decidido na prorrogação de 30 minutos.

Numa noite abafada no Estádio de Pancrácio, a heroína dessa maratona de duas horas de duração acabou sendo Heather O'Reilly, de 19 anos. A estudante de segundo ano na Universidade da Carolina do Norte recebeu um passe de uma jogadora que ela considera um ídolo, a veterana e campeã olímpica Mia Hamm, para fazer o gol decisivo, aos 9 minutos da prorrogação.

O'Reilly, a mais jovem jogadora da seleção americana, fez o gol decisivo, e isso até combina com a preleção de Heinrichs feita antes do jogo, dirigida especialmente para motivar as jogadoras novatas.

"Foi interessante porque na preleção a April lançou um tema que ainda não havia mencionado", diz O'Reilly. "Acho que ela estava esperando pelo momento certo".

Foi um bom momento para uma cartada de efeito psicológico- logo antes da revanche contra o time alemão, que venceu as americanas nas semifinais da Copa do Mundo feminina de 2003, num jogo em que O'Reilly não pode participar porque ainda estava se recuperando de uma perna quebrada.

Heinrichs disse às jogadoras mais novas: "Essas mulheres (as veteranas) precisam estar no topo, e nós precisamos fazer isso por elas". E todo mundo obedeceu, já que o time dos Estados Unidos ganhou seu lugar na decisão pela medalha de ouro, que será contra o Brasil, em Atenas, nessa quinta-feira (26/08). As brasileiras venceram as suecas por 1 a 0.

Na primeira etapa da competição, semana passada, o time dos Estados Unidos venceu o Brasil por 2 a 0, num jogo marcado por muitas faltas.

Já na semifinal, as americanas dominaram as alemãs desde o início, fazendo 1 a 0 aos 33 minutos, com o gol de Kristine Lilly. Junto com Mia Hamm, Brandi Chastain, Joy Fawcett e Julie Foudy, Kristine faz parte do núcleo que levou a seleção americana a vencer duas Copas do Mundo e duas medalhas olímpicas, uma de ouro e outra de prata.

O time americano teve várias outras oportunidades de marcar ainda no primeiro tempo, com boas oportunidades perdidas por Hamm e Abby Wambach. Mas Wambach compensou essa falha com um passe decisivo para Lilly. Foi o terceiro gol que essa veterana marcou nos Jogos.

No segundo tempo, os Estados Unidos foram prejudicados com a falta sofrida pela capitã Julie Foudy, que contundiu o tornozelo direito na falta cometida pela atacante alemã Isabell Bachor. Julie ainda tentou continuar no jogo, mas pediu substituição após cinco minutos.

"Tentei seguir em frente, mas não houve jeito", disse Foudy, cuja presença na decisão da medalha de ouro é duvidosa. "Não quis permanecer em campo e prejudicar o time".

Faltando 14 minutos para o fim da prorrogação, a goleira Briana Scurry fez boa defesa de um chute de 25 metros, feito por Renate Lingor. Os alemães seguiram pressionando, e quase marcaram meio minuto depois, salvas pelo escanteio de Steffi Jones.

O tempo regulamentar terminava e os Estados Unidos ainda venciam, mas o árbitro deu um acréscimo de cinco minutos, devido às paralisações provocadas por faltas. Um minuto depois, Bachor surpreendeu as americanas quando subiu pela esquerda, passou por Christie Rampone e chutou ultrapassando Fawcett e Scurry, sendo que a goleira nada pode fazer.

O tempo normal, mais os acréscimos, terminou com o empate de 1 a 1, levando à prorrogação, com dois tempos de 15 minutos. E foi já no primeiro minuto do tempo extra que O'Reilly chutou pela esquerda e acertou na trave, de uma distancia de 12 metros.

Mas, aos 9 minutos da prorrogação, O'Reilly teve outra oportunidade, e dessa vez soube convertê-la em gol. Rampone fez um lançamento longo para Wambach, que passou bem para Hamm. A veterana Mia Hamm então driblou a zagueira adversária e cruzou uma bola perfeita para O'Reilly arrematar e marcar. Decisão do ouro será nesta quinta, contra a seleção brasileira Marcelo Godoy

UOL Cursos Online

Todos os cursos