Gwyneth Paltrow concilia maternidade com ação

Donna Freydkin
Em Nova York

Gwyneth Paltrow pode estar se tornando uma espécie de musa, ou de símbolo dourado, para todas as mamães de primeira viagem. No ano passado, a atriz vencedora de um Oscar por "Shakespeare apaixonado" se casou secretamente com o músico Chris Martin. E em março deu a luz à filha Apple Blythe Alison, após 70 horas de trabalho de parto. Agora Gwyneth está de volta ao circuito das entrevistas.

Ela está aqui no hotel Essex House para promover seu novo trabalho, um filme romântico de ação movida a efeitos especiais, chamado "Sky Captain and the World of Tomorrow." Enquanto Gwyneth, aos 31 anos, se satisfaz ao conversar sobre o novo filme, ela brilha, como o Times Square na noite de ano novo, à simples menção do nome da filha Apple, que estará pronta para almoçar daqui a pouco, graças a mamãe Paltrow.

"É a coisa mais incrível que já aconteceu comigo", ela diz. "Eu me surpreendo pelo tanto que eu estou amando essa menina. É um clichê total. Você acorda de manhã com aquele sentimento de que é uma linda manhã de natal. Você mal pode esperar para ver a criança, ver o que ela vai fazer e só quer ficar por perto, é a melhor coisa do mundo".

É tão bom que Gwyneth não tem planos de mudar a rotina de trocar fraldas tão cedo. Além de "Sky Captain" e do drama "Proof", que já está pronto e estréia em dezembro nos Estados Unidos, ela não tem projetos imediatos para filmes. Poderá fazer teatro, ou não. E quanto à cinebiografia de Marlene Dietrich que ela pretende fazer? Ainda nem há um roteiro, mas a atriz espera que o filme possa começar dentro de um ou dois anos.

"Agora só quero ficar em casa, sem me comprometer com nada que seja muito grandioso", diz Gwyneth, que não contratou nenhuma babá. "Eu me sinto totalmente a fim de estar com a minha filha". E quanto ao nome de Apple ("maçã", em português) para a filha, que gerou debates acalorados na mídia? Foi Martin, 27, quem escolheu.

"Nós tinhamos acabado de ficar grávidos. Nem sabíamos o sexo do bebê, aí ele disse: 'Acho que se for uma menina deveríamos chama-la de Apple.' E eu simplesmente adoro esse nome, porque acho que remete a doçura e saúde".

Ela faz uma pausa e cai na gargalhada."Eu adorei, mas parece que causou o maior escândalo do mundo! Eu realmente não sei porque".

O que ela sabe de verdade é que o novo filme é resultado de um trabalho feito com amor. "Sky Captain", que estréia dia 17 de setembro nos Estados Unidos, foi filmado durante sete semanas por um diretor estreante, totalmente feito com uma tela azul como "cenário", sendo que todos as cenas de fundos virão de efeitos especiais que serão acrescentados.

Gwyneth, que se sente mais à vontade vestindo espartilhos do que disparando máquinas mortíferas, resolveu apostar na novidade quando assinou o contrato para trabalhar em seu primeiro filme de ação. O clima da produção é romântico e futurista, fazendo lembrar tanto "Guerra nas Estrelas" como "Casablanca". Nele ela volta a atuar ao lado de Jude Law, com quem trabalhara no excelente thriller "O Talentoso Ripley".

"Adorei a Gwyneth desde o momento em que a conheci", diz Jude. "Ela é muito divertida, tem grande senso de humor, e é muito profissional. Um amor de pessoa". Na vida real eles são companheiros amigáveis e fazem muitas piadas.

E isso é bom, porque ela mesmo diz que os dois precisaram confiar muito em seus "poderes de imaginação" ao simular cenas em que voam em aviões ou ficam trancados em quartos. Por ironia, Gwyneth, que já expressou em alto e bom som toda sua ojeriza aos paparazzi, interpreta uma espaçosa repórter/fotógrafa que investiga um personagem misterioso, que pode estar tentando dominar o mundo. "Tudo o que eu mais odeio está nesse personagem", ela diz, às gargalhadas.

Mas ela não acha a menos graça sobre a obsessão da mídia com sua vida privada. Quase tudo o que Gwyneth faz atrai atenção no mundo inteiro. Houve um certo furor em torno do casamento dela com Martin, que é líder do grupo Coldplay, em Santa Bárbara, no mês de dezembro passado.

E também houve falatório sobre umas marcas circulares --de um tratamento desintoxicante chinês chamado "cupping"-- detectadas nas costas da atriz, numa estréia nessa temporada de verão em Nova York. E esse frenesi se intensificou desde o nascimento de Apple --para desgosto de Gwyneth, os fotógrafos a perseguem pelas ruas da cidade, tirando fotos dela com o carrinho de bebê.

"É realmente frustrante", ela diz. "Gostaria que as pessoas nos deixassem em paz de vez em quando, e nos deixassem viver um dia normal juntos como mãe e filha. E isso me preocupa ainda mais quando a menina se dá conta do que está acontecendo. Nem sei o que direi a Apple no dia em que ela perguntar porque tanta gente nos persegue".

Fugir das câmeras?

Gwyneth diz que tentou de tudo --já ficou um ano sem atividades, se recusou a discutir seu casamento com a imprensa e até já evitou comparecer aos eventos forrados por tapete vermelho. Já conseguiu até passar desapercebida em público ao lado do marido, mas sempre permanece na berlinda.

"Não dá para vencer isso, seja qual for a forma de driblar essa curiosidade. Não sei por que as pessoas têm esse interesse insaciável. Por um lado, isso dá um orgulho danado, tipo 'Uau, as pessoas realmente se interessam por mim e pela minha vida', ou se interessam pelo que eu visto, pelo que eu penso, pelo que eu falo, e aí eu penso: Isso é bom demais. Mas, ao mesmo tempo, acho que a mídia dos tablóides de vez em quando extrapola. E eu acho que as pessoas têm direito a ter uma vida privada e a seus momentos de intimidade com suas famílias".

E é por isso que Gwyneth começou a colecionar tablóides e a anotar os nomes dos paparazzi mais insistentes, como os que "andam para lá e para cá no quarteirão e nas esquinas, sendo que todos eles conversam entre si e a gente não sabe o que está acontecendo. Em Londres, eles nos perseguem em automóveis, e eu vou começar a apresentar queixas porque eles estão me colocando em risco, pela maneira como dirigem. É realmente assustador e simplesmente inaceitável, principalmente quando existe a vida de um pequeno bebê em suas mãos".

Tanto ela quanto Martin superprotegem Apple. "Ele protege fisicamente não só a filha como também a mim, e também protege a casa e nós dois".

O jeitinho de Apple, segundo a mãe, não lembra particularmente nenhum dos pais dela. "Isso depende do dia, depende do ângulo em que olhamos para ela. Eu não vejo nenhum de nós dois nela. Vejo muito o meu irmão quando era bebê, vejo minha mãe, vejo a irmãzinha do Martin, mas ainda não consigo nos ver nela".

Duas cintas e um bebê

Se a menina herdar só um pouco dos genes da mãe e da avó, a atriz Blythe Danner, Apple será uma criança de sorte. Gwyneth, três meses após ter dado à luz, está com um saudável bronzeado. E é só elogiar a atriz pela forma esbelta como se encontra após o parto para receber um riso de agradecimento.

O segredo dela para estar tão esbelta numa festa em Los Angeles, poucas semanas após ter dado à luz? "Duas cintas!", a atriz diz sorrindo. "É um grande truque, é assim que todas as garotas de Hollywood fazem. Há umas roupas ótimas chamadas Spanx, parecidas com bermudas de ciclistas, que simplesmente espremem a gente dentro delas, dando um resultado excelente".

Apesar das evidencias físicas demonstrarem o contrário, Gwyneth insiste que ainda está uns 5 quilos mais pesada do que estava antes da gravidez. Mas moldar o corpo à forma anterior ao bebê não é a maior prioridade para ela.

"O mais importante é que estou recebendo muitas calorias e boa nutrição, e que tudo isso acaba indo para ela", diz Gwyneth, que graceja sobre seus dois "grandes seios nutritivos".

Talvez essa declaração é a que mais bem define Gwyneth. Apesar de sua imagem glamurosa-gelada e de sua formação nova-iorquina um tanto aristocrática, a atriz parece ser aquele tipo de garota casual e divertida com quem você adoraria sentar para tomar uma cerveja gelada, para trocar idéias sobre técnicas de amamentação. Ou, no caso de Gwyneth, para tomar uma xícara de chá, que ela consome durante a entrevista.

Segundo Kerry Conran, o diretor de "Sky Captain", "Gwyneth é afiada como uma tachinha pontiaguda, e é muito engraçada. É uma pessoa normal, mas ao seu lado a gente percebe porque há tanta vida e personalidade nela."

Hoje ela está radiante, mas Gwyneth ainda treme quando lembra como ficou debilitada no começo da gravidez. Na ocasião a atriz estava em Londres filmando "Proof", onde vive uma filha devotada que sofre com a morte do pai, um gênio da matemática vivido por Anthony Hopkins.

"Felizmente só vomitei umas poucas vezes, mas sentia muitas náuseas. E eu não tomava nem Tylenol quando estava grávida. Sou daquelas radicais que não coloca nenhuma substancia química no corpo".

Voltar à rotina das entrevistas e do circuito de promoção dos filmes é uma agradável mudança de ritmo. "É como a primeira vez que eu usei secador no cabelo. Estou voltando a usar salto alto de novo, é divertido. Estou me acostumando à vida adulta novamente".

Mas logo o assunto volta a Apple. O bebê e os pais passaram a maior parte do verão nos Estados Unidos, mas fora essa ocasião o trio tem se dividido entre Londres e Nova York, onde ela e o inglês Martin possuem residências. "Acho que, até ela começar a freqüentar o jardim de infância, nós provavelmente ainda viajaremos muito. O pai dela fará muitos shows em turnê, e eu estarei com eles, todos nós estaremos juntos. Talvez ela vá para a escola em Nova York".

E talvez Apple tenha irmãozinhos. "Agora não, mas acho que isso irá acontecer. Meu mano é tão importante para mim que não posso imaginar a vida sem um irmão. Mas por enquanto estou adorando estar só com ela".

Gwyneth faz uma pausa, rindo enquanto continua se divertindo ao "planejar" a vida de Apple. "Ela só tem 3 meses e meio. Mas depois irá para Harvard, para ser uma doutora."

Ou, talvez, uma vencedora de Oscar como a mãe, ou ganhadora de Grammy como o avô, o falecido músico Bruce Paltrow.

Jude Law, o pai

Ele tem três filhos, mas Jude Law ainda não se transformou no pediatra Dr. Spock. É só o que falta, pois ele estrela "Sky Captain and the World of Tomorrow" ao lado da nova mamãe Gwyneth Paltrow, e filmou "Closer" com a atualmente grávida Julia Roberts.

Mas não espere que Law fique dando dicas de paternidade para suas co-protagonistas. "Não precisaria fazer isso", diz Law, que acabou de conhecer Apple. Tanto Gwyneth quanto Julia já conhecem os filhos dele e, segundo Jude, as duas são "do tipo que trata as crianças com respeito, como pessoas mirins e não como criancinhas, evitando falsos paternalismos".

Depois de ter encerrado as filmagens básicas de "Closer", Jude viu a recém-grávida Julia quando foram rodar uma cena adicional. Ele tem muita confiança na habilidade dela como mãe: "Foi muito legal vê-la depois que soubemos da boa notícia, porque Julia é uma pessoa que encara as crianças com muita naturalidade. Ela será uma mamãe fantástica". Atriz, que se derrete para a filha, Apple, de três meses, estrela filme Marcelo Godoy

UOL Cursos Online

Todos os cursos