Após debate, Kerry dispara e empata com Bush

Susan Page
Em Washington

A reação favorável do público a seu desempenho no primeiro debate presidencial reforçou o senador John Kerry do Massachusetts e reduziu a disputa com o presidente Bush a um empate, segundo uma nova pesquisa USA Today/CNN/Gallup.

A vantagem de oito pontos percentuais que Bush tinha antes do debate de quinta-feira evaporou em uma pesquisa feita entre a última sexta-feira e sábado (1 e 2 de outubro). Entre os prováveis eleitores, Bush e Kerry têm 49% cada. O candidato independente Ralph Nader tem 1%.

Ao entrar em seu último mês, a campanha presidencial está basicamente onde começou: muito perto de um empate. "Esta é uma corrida nivelada, que será decidida por tudo o que acontecer nos próximos 30 dias", disse Mark Mellman, um pesquisador de Kerry.

Segundo Matthew Dowd, principal estrategista da campanha de Bush, a situação não causa surpresa. "Nós sempre dissemos que essa corrida seria dura --quando estávamos por cima e quando estávamos por baixo", ele diz.

No debate, que se concentrou em política externa e segurança nacional, Kerry afirmou que sua posição sobre o Iraque foi coerente e que as políticas de Bush são desorientadas. O presidente foi criticado depois por sua comunicação não-verbal: as câmeras o mostraram com ar de desdém enquanto Kerry estava falando.

O debate na TV teve uma audiência de pelo menos 62,5 milhões de pessoas, segundo as aferições da Nielsen --um terço a mais que o público que assistiu ao primeiro debate presidencial em 2000.

Segundo a pesquisa, Kerry conseguiu:

  • vantagem em relação à economia. Os eleitores, por 7 pontos percentuais, disseram que Kerry conduziria a economia melhor que Bush. Antes do debate Bush era o preferido nessa questão pela primeira vez, por 6 pontos.

  • que a vantagem de 14 pontos de Bush sobre a condução do Iraque fosse cortada pela metade, para 7 pontos. Bush continua com uma grande vantagem sobre política antiterrorismo, de 17 pontos, embora bem abaixo dos 27 pontos que obteve na pesquisa feita em 24 a 26 de setembro.

  • melhorar sua posição como potencial comandante-em-chefe, embora Bush ainda seja o preferido. Por 5 pontos, os eleitores disseram que confiam mais em Bush para cuidar das responsabilidades de comandante-em-chefe. A vantagem do presidente era de 16 pontos.

  • convencer mais eleitores, embora ainda não a maioria, de que tem um plano claro para o Iraque. Na pesquisa, 41% disseram que Kerry tem um plano, contra 30% antes do debate. Para Bush, 49% disseram que tem um plano claro, contra 52%.

  • ser considerado o vencedor do debate por mais que o dobro do eleitorado --57% a 25%. Por 13 pontos, os eleitores disseram que Kerry se expressa mais claramente que Bush. Por 10 pontos, dizem que Kerry é mais inteligente.

    Com essas avaliações positivas, vem o que alguns candidatos preferem evitar: maiores expectativas. Por 48% a 41%, os eleitores prevêem que Kerry se sairá melhor que Bush em seu segundo debate na próxima sexta-feira (08/10) em Saint Louis.

    Nos 17 Estados considerados mais competitivos por ambos os lados, Kerry tem uma ligeira vantagem: 47% a 45%. Antes do debate ele estava 7 pontos atrás nesses campos de batalha. Pela primeira vez o apoio de Nader foi ajustado para refletir apenas os Estados onde ele está na disputa.

    Um motivo para a ascensão de Kerry foi a crescente inquietação sobre o Iraque. Por 51% a 41%, os eleitores disseram que não foi um erro mandar tropas americanas para lá. Essa margem de aprovação é 10 pontos mais estreita que antes do debate. E o Iraque surgiu como uma questão mais forte na campanha --equivalente à economia e só perdendo para o terrorismo. Pesquisa aponta uma forte recuperação do democrata nos EUA Luiz Roberto Mendes Gonçalves
  • UOL Cursos Online

    Todos os cursos