Cai a vantagem de Bush sobre Kerry na reta final

Susan Page e Bill Nichols
Em Washington

A vantagem do presidente Bush sobre o senador John Kerry é de 51% contra 46% entre os eleitores prováveis restando apenas uma semana para a eleição, é o que indica uma pesquisa USA Today/CNN/Gallup realizada entre sexta-feira e domingo (22 a 24/10).

A vantagem de Bush diminuiu --de 52% contra 44%-- em comparação a uma pesquisa realizada na semana anterior. O candidato independente Ralph Nader ficou com 1%.

Entre o universo maior de eleitores registrados, a vantagem de Bush sobre Kerry é de 49% contra 47%, uma queda em relação a 49% contra 46% de uma semana atrás. A vantagem de Bush em ambos os grupos está dentro da margem de erro da pesquisa, de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Um levantamento separado no Estado indefinido chave da Flórida trouxe boas notícias para os republicanos. Em uma pesquisa realizada entre quinta-feira e domingo, Bush está à frente de Kerry com 51% contra 43% entre os eleitores prováveis --basicamente espelhando a vantagem de Bush de 52% contra 43% de um mês atrás.

Entre os eleitores registrados, Bush lidera com 51% contra 42%, um aumento em relação aos 49% contra 44% de um mês atrás.

A pesquisa nacional destaca vários indicadores de um eleitorado altamente mobilizado e polarizado. Quase um quarto dos entrevistados, 22%, disseram que já votaram ou votarão antes do dia da eleição.

Ao serem questionados sobre se o que está em jogo nesta eleição é maior do que em anos anteriores, 90% dos eleitores registrados concordaram, em comparação a 67% em 1996. Além disso, 76% disseram temer o que acontecerá em caso de derrota do candidato que apóiam, em comparação a 59% em 1996.

O índice de aprovação de Bush, a medição mais confiável das perspectivas de reeleição do presidente, permaneceu estável em 51%. Os estrategistas republicanos temem uma queda abaixo de 50%, uma importante bandeira vermelha para presidentes em exercício.

A pesquisa detectou uma crescente desaprovação a Teresa Heinz Kerry, que pediu desculpas na semana passada após dizer ao USA Today sobre a primeira-dama Laura Bush: "Eu não sei se ela alguma vez teve um emprego de verdade". Laura Bush foi professora e bibliotecária.

A pesquisa revelou que 40% vêem Teresa Heinz Kerry desfavoravelmente, contra uma visão favorável de 38%. Uma pesquisa realizada no início deste mês apontava 40% de visão favorável contra 34% desfavorável.

  • Leia também:

    Paul Krugman: Pesquisas tendenciosas favorecem George Bush Mas o presidente lidera com folga na Flórida, diz pesquisa Gallup George El Khouri Andolfato
  • UOL Cursos Online

    Todos os cursos