Amanhece um novo dia em '24 Horas', com a série ganhando novo elenco

Gary Levin

O relógio ainda está correndo em "24 Horas", mas ainda resta alguém para ser torturado, ameaçado ou colocado em risco? E que novo destino poderia perturbar pessoas já aterrorizadas por uma bomba errante, um desastre nuclear e um vírus mortal?

Os produtores do thriller da Fox pensaram em uma solução inteligente: zerar tudo e encontrar um novo elenco.

O astro Kiefer Sutherland volta como Jack Bauer, é claro. Mas quando "24 Horas" voltar para a quarta temporada com um especial de duas horas no domingo (às 20 horas, horário da Costa Leste), o presidente David Palmer (Dennis Haysbert) estará fora do cargo e não será visto. O mesmo vale para o traidor chefe do CTU, Tony Almeida (Carlos Bernard), sua esposa, Michelle Dessler (Reiko Aylesworth), e até mesmo para a sempre implausivelmente em risco filha de Bauer, Kim (Elisha Cuthbert), e seu agora marido Chase Edmunds (James Badge Dale).

Quando os produtores apresentaram a idéia no verão passado, a chefe de entretenimento da Fox, Gail Berman, disse que parecia "um pouco como matar a esposa de Jack" (o que "24 Horas" fez em sua primeira temporada). "Eu disse: 'O que vocês são, malucos?' Eu acho difícil simplesmente excluir tantas pessoas sem poder utilizá-las em algum momento durante a temporada."

Mas o problema era que cada personagem já tinha sido esgotado, disse o co-criador e produtor executivo Joel Surnow. Palmer deixou o cargo. Almeida foi preso. E Kim, bem, "foi difícil integrá-la na história principal nas últimas duas temporadas", disse ele, um problema que ficou claro na segunda temporada, quando ela ficou presa em uma armadilha de urso enquanto um puma faminto se aproximava.

"A série precisava de uma sacudida", disse Sutherland, que temia que as constantes de "24 Horas" -os feitos heróicos de Bauer diante do perigo urgente- deixariam os espectadores "esgotados" sem um novo começo.

"Nós tentamos não nos transformarmos em uma série com um formato definido", disse Surnow. "Nós sempre sentimos que o formato é um astro tanto quanto os atores." Bem, exceto por Sutherland, indicado três vezes ao prêmio Emmy. "Kiefer está de volta conduzindo a corrida contra o tempo; o ritmo é realmente dele."

Tal formato foi inovador: os espectadores vêem um único dia se desenrolar ao longo de toda uma temporada, com cada episódio contado em uma hora cronológica em tempo real. O conceito envolveu os fãs; infelizmente, ele também tornou problemática a perda de um episódio e impossibilitou reprises.

O começo tardio neste ano permite que "24 Horas" seja exibida semanalmente sem interrupção até maio. Após o início no domingo, outro episódio de duas horas será exibido na segunda, às 20 horas (horário da Costa Leste), com a série ocupando seu novo horário das 21 horas de segunda-feira em 17 de janeiro.

E juntamente com "American Idol", é uma parte importante da esperança da Fox de salvar um outono lamentável. A audiência da rede tem caído devido a uma série aparentemente interminável de programas realidade fracassados. (A audiência de "24 Horas" caiu 12% na última temporada, para 10,3 milhões de espectadores, mas a série tem boa audiência entre os jovens adultos e tem vendido muito bem em DVD.)

A nova temporada começa de forma explosiva: os críticos já estão elogiando a descarga imediata de adrenalina da série. E a traçam as diferenças com o que alguns consideraram uma terceira temporada desigual, atrapalhada por tramas que evaporaram.

Com 14 episódios concluídos, "eu estou empolgado com o que conseguimos", disse Sutherland, "e também um pouco surpreso com o fato de na quarta temporada estarmos realmente progredindo com a série, em vez de apenas nos mantendo à tona. Eu acho que estes são os 14 melhores episódios desta série."

Sem estragar o suspense, o dia muito ruim desta temporada ocorre 18 meses depois, e o alvo mais recente é o secretário de Defesa, James Heller (William Devane). Jack, que foi demitido pela nova chefe da CTU, Erin Driscoll (Alberta Watson), é agora o consultor de segurança de Heller. Ele também está apaixonado pela filha casada de Heller (Kim Raver), uma assessora do pai dela e o primeiro interesse amoroso real de Jack desde a morte de sua esposa. Despontando no caos está uma família terrorista do Oriente Médio, liderada pelo "empresário" Navi Araz (Nestor Serrano), sua esposa, Dina (Shohreh Aghdashloo), e filho adolescente, Behrooz (Jonathan Ahdout).

Aghdashloo, indicada ao Oscar no ano passado por "Casa de Areia e Névoa", relutou em aceitar o papel. Ela disse que já rejeitou várias outras ofertas para interpretar terroristas "caricatos". Mas os produtores lhe asseguraram, ela disse, "que vou ter muitas faces, e isto foi o suficiente para mim".

O Conselho de Relações Americano-Islâmicas condenou o retrato da família após a exibição de parte da estréia de domingo, mas Aghdashloo, nascida no Irã, rebateu as queixas. "Eles pensam que depois do que aconteceu em 11 de setembro nós iríamos esquecer?" disse ela.

Além disso, "24 Horas" é conhecida por sua imprevisibilidade. Os críticos "vão se envergonhar; eles não têm idéia do que esta temporada se trata".

Os roteiristas estão apenas um pouco mais experientes. Apesar da aparência de que "24 Horas" é um quebra-cabeça intricadamente planejado, com cada movimento dos personagens anunciando um evento importante que ocorrerá 6 ou 12 episódios à frente, "24 Horas" é em grande parte escrita às pressas. Mesmo com três temporadas de experiência, isto não ficou mais fácil.

"Talvez esteja pior", disse Surnow, à medida que os roteiristas esgotam as calamidades. "Você tenta não ser repetitivo", e com os episódios sendo filmados em pares ao longo de 15 dias", "você realmente precisa ter dois roteiros prontos para poder começar os dois seguintes".

Eles ainda não decidiram como terminar esta temporada. Mas a estréia adiada lhes deu tempo para adicionar cenas que tapam furos na trama.

A falta de planejamento também apresenta outros obstáculos. "É um pesadelo fechar contratos com o elenco: não dá para tornar alguém um personagem regular da série e então, quatro episódios depois, querer matá-lo", disse Surnow.

Devane reconheceu que não tem idéia de qual será o destino de Heller a cada semana: "eu não tenho nenhuma idéia, exceto o que acontecerá no próximo episódio. Eles não têm nenhuma bíblia ou sinopse estabelecida".

O ritmo freqüente faz com que os roteiristas encurralem a si próprios em um canto e os força a darem fortes guinadas para escapar, como a longa estadia de Jack no México no ano passado, nas mãos dos malignos irmãos Salazar, que buscavam comprar o vírus.

E não temam, fãs dos astros que partiram. Bernard e Aylesworth reaparecem em vários episódios, e Haysbert deve voltar como David Palmer na segunda metade da temporada. Há até mesmo conversas sobre um reaparecimento da pobre Kim, a pedido da Fox, apesar de que isto provavelmente só acontecerá quando o tempo de "24 Horas" estiver quase esgotado.

Se ela voltar, "ela não poderá ser seqüestrada", disse Sutherland. "Fazê-la correr pela mata a esta altura acabaria conosco."

Pumas, cuidado. George El Khouri Andolfato

UOL Cursos Online

Todos os cursos