'Sin City' comete 7 pecados cinematográficos (potencialmente) mortais

Anthony Breznican

O diretor rebelde evita a capital do cinema, realizando seus filmes em seu estúdio doméstico em Austin. Ele fez sucessos "cult" de ação mexicanos nos Estado Unidos ("A Balada do Pistoleiro", "Era Uma Vez no México") e ressuscitou o 3D para um filme família de sucesso ("Pequenos Espiões 3D"). Nesta sexta-feira, sua muito aguardada adaptação dos quadrinhos de Frank Miller levará as expectativas dos cinéfilos e de Hollywood para outra dimensão.

"Sin City" de Rodriguez, orçado em US$ 40 milhões, quebra algumas regras cinematográficas fundamentais. Se seu filme incomum estourar ou afundar nas bilheterias será uma medida do seu sucesso em dobrar os mandamentos de Hollywood.

O filme é sobre uma variedade de assassinos, prostitutas, strippers, tiras, vigilantes, políticos corruptos, psicopatas e um inocente ocasional que existe nas sombras da fictícia Basin City, que atende pelo apelido que serve como título do filme.

"Se tivéssemos que vender a idéia para várias pessoas, elas teriam apresentado todo tipo de argumento sobre como isto não funcionaria", disse Rodriguez.

Felizmente, ele disse, ele é amigo de longa data de Bob Weinstein, o chefe da Dimension Films, que lhe disse: "Claro, pode fazê-lo".

Os Sete Pecados Cinematográficos Mortais

"Sin City" comete todos eles. Descubra por que as pessoas envolvidas no filme dizem que estes pecados poderão ser perdoados, até mesmo abraçados.

1. Fazer um filme em preto-e-branco

Desde que os filmes coloridos abandonaram nas sombras os tons de cinza durante os anos 60, Hollywood tem detestado voltar atrás -até mesmo por motivos estilísticos.

O co-diretor Frank Miller desenha todos seus quadrinhos de "Sin City" em preto-e-branco, sem meios tons. Tanto ele quanto o co-diretor Robert Rodriguez queriam manter tal aspecto no filme, com ocasionais inserções de cor -um carro vermelho, olhos azuis, cabelo loiro.

"Estas são peças de moralidade tanto quanto histórias de amor, mistério e romances criminais", disse Miller. "Eu queria uma iluminação dura porque é uma realidade dura."

Para reproduzir os desenhos, os atores foram filmados contra um fundo verde vazio, e as paredes e cenários foram pintados para obtenção do contraste apropriado. "(Os fundos) foram feitos sob medida para não terem meios tons", disse Rodriguez. "É realmente um preto-e-branco vigoroso."

Será que o público de hoje está pronto para um monocromatismo retrô? O uso do preto-e-branco por Quentin Tarantino em "Kill Bill Vol.2" conquistou aclamação dos críticos, mas isto para apenas algumas cenas. E "Capitão Sky e o Mundo de Amanhã" do ano passado fracassou nas bilheterias com uma tentativa semelhante de reproduzir a ausência de cor da fotografia antiga. "Sin City" terá que provar que é mais do que apenas imagens estilizadas.

2. Calando grandes astros

Grandes astros geralmente gostam de realizar grandes cenas, mas alguns dos principais personagens em "Sin City" não têm nada a dizer. Literalmente.

O astro Elijah Wood de "O Senhor dos Anéis" interpreta um silencioso assassino serial, tipo zen, chamado Kevin. E apesar de não desfrutar do mesmo grau de reconhecimento de Elijah, a modelo/atriz Devon Aoki de "+Velozes +Furiosos" desfruta de bastante tempo de tela, mas nenhuma fala, como uma ninja muda.

Apesar do silenciamento do Frodo de "Anéis" poder alienar seus fãs, para Wood o risco vale o retorno potencial.

"Eu fiquei louco para interpretar o Kevin", disse Wood. "Eu não estava buscando brilhar, eu estava buscando fazer parte de algo que sabia que seria especial."

3. O uso de narração em "off" (voice-over) para conduzir o drama do filme

A regra nos filmes é mostrar, não falar. Longo solilóquios deixam o público sentindo como se estivessem em uma palestra.

Rodriguez encheu seu filme de narrações em off.

Os heróis de "Sin City" são solitários. Sem parceiros, não há uma forma natural para eles expressarem suas intenções a não ser por meio de narrações em off.

Sem elas, "você não entenderia Marv", disse Rodriguez, usando o assassino vingativo interpretado por Mickey Rourke como exemplo. "Se você apenas assistisse seus atos, você o consideraria apenas um criminoso. Mas quando você está dentro da cabeça dele, esta é a única maneira de entendê-lo."

4. Fazer os atores atuarem contra telas, e não com outros atores

Os atores geralmente odeiam filmar cenas sozinhos porque sentem que perdem a troca da interação com outros atores. Mas muitas seqüências de "Sin City" foram criadas colando filmagens de atores cujas agendas lotadas impediam que atuassem juntos.

Brittany Murphy interpreta uma barmaid que interage com Bruce Willis, mas ela nunca se encontrou com ele antes da pré-estréia do filme, na segunda-feira. A stripper de Jessica Alba interage com Clive Owen e Mickey Rourke, mas eles não estavam realmente lá, assim como o assassino serial de Elijah Wood.

Brittany disse que o truque funcionará porque Rodriguez empregou atores experientes que apreciaram o desafio de empregar mais imaginação em suas atuações.

"Eu sempre tive a teoria de que um bom ator pode ter uma boa química com uma parede, e isto prova que ela é verdadeira", disse ela. "É como um espetáculo solo."

5. Sexualidade explícita em um filme baseado em quadrinhos

Muitos filmes baseados em histórias em quadrinhos receberam classificação PG-13 (menores de 13 anos podem entrar acompanhados de pai ou responsável) para ter apelo junto aos jovens leitores assim como para atrair famílias.

Mas este filme de quadrinhos não é para o público do Archie. Com classificação "R" (menores de 17 anos só podem entrar acompanhados de pai ou adulto responsável) por violência exagerada constante, nudez e conteúdo sexual, "Sin City" exibe mulheres que são strippers ou prostitutas, com trajes reveladores -roupa de couro de dominatrix, calças de couro de cowgirl- ou nos casos de Carla Gugino e Jaime King, nada.

Alba, que interpreta uma stripper, disse achar que o filme tem uma postura saudável em relação ao sexo que a maioria dos filmes com classificação "R" é tímida demais para adotar.

"Robert quase coloca as mulheres em um pedestal como algo que você pode ver mas não tocar, até mesmo as prostitutas. A sensualidade delas fala algo sobre quem elas são."

Miller e Rodriguez também usam os personagens para surpreender os espectadores. O bronzeado suave da pele de Alba é um dos poucos usos de cor no filme.

Miller disse: "Muitas pessoas pensam na personagem como sendo simplesmente uma stripper. (Mas) você chega esperando uma stripper, e em vez disso encontra um anjo".

6. Ter três diretores a bordo

Os diretores notoriamente gostam de fazer filmes sem a influência de pessoas de fora. O sindicato dos diretores até mesmo proíbe a divisão de crédito

Mas Rodriguez queria compartilhar o trabalho com Miller.

"O que ele estava fazendo nos quadrinhos era muito mais ousado do que qualquer coisa sendo feita no cinema, então achei que deveríamos emulá-lo, não apenas pegar seu material e enfiá-lo em um filme", disse Rodriguez.

Assim Rodriguez se desfiliou do sindicato. Isto lhe custou a oportunidade de dirigir a aventura de ficção científica "Princess of Mars" da Paramount. (O sindicato proíbe que não-membros assinem projetos já em produção em um estúdio filiado.) Mas ele pode fazer filmes de forma independente e distribui-los por meio de um estúdio. Sua amizade com Bob e Harvey Weinstein, que chefiavam a Miramax e se separaram da Disney nesta semana para iniciar uma nova empresa, praticamente garante que ele continuará dirigindo filmes.

Para "Sin City", Rodriguez queria ainda outro talento a bordo, seu amigo Quentin Tarantino, que atua como "diretor convidado especial" em uma seqüência.

Rodriguez disse: "Eu realmente entrei neste ramo para fazer coisas novas e um cinema realmente legal, e não fazer parte de um clube".

7. Enfear atores conhecidos

A maioria dos filmes uso o sex appeal masculino de seus astros. Mas os homens de "Sin City" são aberrações.

O detetive calejado de Bruce Willis apresenta uma enorme cicatriz no rosto, Clive Owen é um fracassado pegajoso e Mickey Rourke está escondido atrás de uma máscara como um assassino que é uma mistura de uma pilha de blocos de concreto e o Hulk. Nick Stahl, de "O Exterminador do Futuro 3", interpreta um psicopata de "Sin City" que parece um sósia amarelo do anão Dunga.

Até mesmo Benicio Del Toro, um ganhador do Oscar, interpreta um sujeito durão chamado Jackie Boy com um nariz falso.

"Benicio ficou olhando e olhando para os quadrinhos e disse: 'Eu quero me parecer mais com ele'", disse Miller. "Eu nunca soube de um ator querendo uma prótese de maquiagem".

Assim como as mulheres não se importaram em expor sua sensualidade, os homens estavam dispostos a descartar sua vaidade e obscurecer sua beleza de astros de cinema, segundo Rodriguez. "Os atores querem criar personagens memoráveis, eles não querem apenas interpretar a si mesmos nos filmes repetidas vezes", disse ele. A certo ponto durante a realização de "Sin City", Robert Rodriguez simplesmente ficou sem regras para quebrar George El Khouri Andolfato

UOL Cursos Online

Todos os cursos