Aos 30, Drew Barrymore estréia num novo filme e diz estar mais madura

Donna Freydkin
Em Nova York

20 mais 10 é o número da sorte de Drew Barrymore.

É assim que a personagem representada por Barrymore descreve como é tornar-se trintona, numa cena de "Fever Pitch" (título que pode ser traduzido como "Febre dos Arremessos"), a comédia romântica sobre baseball na qual ela contracena com Jimmy Fallon, e que estréia (nos Estados Unidos) nesta sexta-feira (8/4).

Este aniversário importante, que ela comemorou em fevereiro, revelou ser uma reviravolta na sua própria vida.

Depois de ter enfrentado uma série de problemas dignos de figurar numa crônica de escândalos, que incluiu uma temporada passada numa clínica de reabilitação quando ela tinha 13 anos, e depois de dois casamentos-relâmpagos, um com o dono de restaurante Jeremy Thomas e outro com o ator Tom Green, a sua vida "está indo muito bem, obrigada", diz.

"Estou realmente tentando ser mais honesta comigo mesma, ser mais direta", explica Drew Barrymore, que foi arremessada de maneira precoce para a fama mundial aos 7 anos, quando ela encarnou a personagem de Gertie em "E., o Extra-Terrestre". "A minha tendência é sempre de tentar agradar as pessoas. Por isso, estou tentando me conter e ser mais firme".

Isso não quer dizer que Barrymore vai se metamorfosear em Joan Crawford nem acenar por aí com um comportamento de diva.

"Eu gosto de ser agradável", diz. "Estou determinada a tentar manter as minhas amizades mais estáveis e duradouras. Além disso, estou tentando ser mais calma de maneira geral e confiar no tempo".

A atriz foi obrigada a tornar-se mais reservada quando se trata de falar a respeito do seu relacionamento com Fabrizio Moretti, 24, o baterista da banda de rock The Strokes.

"Eu costumava contar tudo nos menores detalhes, mas agora eu prefiro me manter muito mais discreta a respeito desta relação. Com isso, as coisas ficaram bem melhores, principalmente entre mim e ele".

Ainda assim, Drew Barrymore abre um sorriso até as orelhas quando o nome de Fabrizio Moretti é mencionado. E apesar dos rumores de que haveria problemas no seu relacionamento, ela garante que eles estão felizes juntos.

"Eu sei que eu o amo. Ele sabe que eu o amo. E isto é o suficiente para mim".

Eles estão juntos já faz três anos e dividem o seu tempo entre Nova York e Los Angeles. Eles podem ser assediados e filmados o tempo todo, uma vez que Barrymore se recusa a esconder-se dos paparazzi. Contudo, ela odeia toda essa atenção. "Mas isso não vai me impedir viver a minha vida. Eu não ando por aí disfarçada, vestindo um boné de baseball e óculos escuros".

Quando ela sai para comprar mantimentos, ela vai a pé junto com os seus três cães, e é também caminhando que ela sai para jantar com o seu namorado. "Eu fico andando pelas ruas de Nova York. Hoje, estou tão mais feliz com a vida que eu levo". O assédio da imprensa e dos fãs é "apenas uma parte da minha vida, e acabei me conformando com isso".

Drew Barrymore continua sendo uma das raras estrelas que são capazes de discutir até mesmo uma romance fora das telas de cinema. Ela diz que fica irritada quando lê a respeito de celebridades que se recusam a fazer comentários sobre assuntos de natureza pessoal durante entrevistas.

"Você não acha isso um pouco grosseiro?", pergunta. "Se você está no centro das atenções do público, não há por que ser mesquinho com isso".

Barrymore constrói a sua bolha

Esqueça as roupas de grife. Drew Barrymore sempre prefere trajar roupas de algodão.

No mesmo minuto em que ela termina um ensaio fotográfico, a atriz retira rapidamente o seu vestido Versace que lhe gruda ao corpo e o troca por uma camiseta comprida florida com mangas, que ela usa como vestido, junto com botas Ugg marrom com cordões, e puxa para trás os seus cabelos castanhos ondulados com uma faixa de algodão azul. Ela esfrega o seu rosto, finalmente limpo da maquiagem que ela odeia usar.

Drew Barrymore é o tipo de mulher simples, desprovida de qualquer complicação, e cujo gosto culinário é básico. Assim, ela sempre dará preferência para um prato de macarrão com queijo ralado e para "corndogs" (broa de milho recheada com salsicha).

Afável e animada, ela faz um olhar travesso, e aperta com os dedos a sua barriga para deixar aparecer um "excesso" e provar o seu amor pelos carboidratos. Ela acrescenta que prefere "não tentar fingir que ela é perfeita".

Além disso, para ela, a fama e a adulação que a acompanham não passam de uma ilusão. "A única coisa que seja verdadeira é ter um emprego e manter as suas relações de amizade em dia".

Decididamente, Drew Barrymore, 30, não é a pessoa ideal quando se trata de freqüentar as festas de famosos em Hollywood ou os eventos com tapete vermelho. Após ter cumprido as suas obrigações junto à turma do tapete vermelho, na cerimônia de entrega dos Oscars deste ano, ela se retirou e foi até o bar, onde ficou tomando cerveja com a sua amiga e parceira-produtora, Nancy Juvonen, e foi embora para casa antes que as festas pós-premiação começassem.

Vale acrescentar que depois de ter passado por uma clinica de reabilitação quando ela era adolescente, por causa do seu consumo excessivo de drogas e de álcool, Drew Barrymore hoje bebe com moderação.

Atualmente, a atriz prefere passar os seus dias --e as suas noites-- na Flower Films, a produtora que ela dirige com Nancy Juvonen já faz uma década.

As duas mulheres, que trabalharam na realização dos filmes da série "Charlie's Angels" ("As Panteras") e no sucesso do ano passado, "50 First Dates" ("Como Se Fosse a Primeira Vez"), também produziram a mais recente comédia estrelada por Barrymore, "Fever Pitch.", que estréia nesta sexta-feira.

Neste filme, que é dirigido pelos irmãos Bobby e Peter Farrelly, Drew Barrymore encarna uma mulher de negócios bem-sucedida que se apaixona por um professor de matemática da universidade (Jimmy Fallon), o qual se revela um torcedor completamente biruta do time de baseball Red Sox. A sua fixação pelo baseball provoca atrito com a sua namorada, mas, na realidade, Drew Barrymore consegue corresponder à obsessão do rapaz.

"A produtora Flower é o meu time do coração, o meu Red Sox, sem dúvida. A Flower é o meu Fenway Park [o estádio dos Red Sox]", compara. "É o lugar para onde eu vou todo dia. É lá que acontecem todos os meus altos e baixos. Eu deveria instalar um vendedor de cachorros-quentes lá dentro!".

Lindsey, a personagem que ela encarna em "Fever", é "o tipo de garota por quem eu tenho admiração, com quem eu gostaria de me parecer; ela é independente e fácil de conviver, ela não é pentelha nem ciumenta nem possessiva, e nem gosta de manter um alto padrão de vida".

E, assim como Lindsey, a "viciada em trabalho" Drew Barrymore, que atua nas duas costas do país, está tentando encontrar um equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal.

Ela distribui o seu tempo entre a sua casa em Los Angeles e o seu apartamento em Manhattan, sobretudo, porque a cidade de Nova York é onde mora o seu namorado, Fabrizio. O fato de estarem obrigados a viver separados com tanta freqüência não é fácil para nenhum dos dois, mas eles conseguem levar essa situação adiante. "Você viaja para lá e para cá o tempo todo", explica. "Mas esta é a vida que nós escolhemos viver".

"Ontem, nós tivemos um dia livre. Nós (Fabrizio e eu) acordamos muito tarde. Fomos tomar o café da manhã. Depois, ficamos tocando música a tarde inteira. E então nós fomos jantar com uma turma de amigos. Finalmente, nós fomos caminhar debaixo de chuva por um momento".

Foi um "dia perfeito".

E, embora ela não seja tão perfeita assim, explica a atriz, o seu relacionamento com a sua mãe, Jaid Barrymore, está melhorando cada vez mais. No passado, ela tivera um relacionamento bastante complicado com os seus pais e tornou-se uma adulta legalmente emancipada aos 15 anos.

Haverá alguma coisa capaz de catalisar esse processo de reconciliação neste momento? Sim, foi a morte, em novembro, do seu pai, John Barrymore, com quem ela se reconciliou pouco antes de ele morrer.

O seu relacionamento com a sua mãe "tornou-se mais funcional do que era no passado. O falecimento do meu pai transformou-me profundamente, e me convenci de que 'o que passou, passou, e que o tempo é um remédio'. Isso fez com que eu abrisse mais a minha mente e o meu coração. Esta experiência me tornou mais madura". Estrela diferencia-se por gostar de revelar detalhes da vida privada Jean-Yves de Neufville

UOL Cursos Online

Todos os cursos