Os dois lados de Angelina Jolie

Donna Freydkin

Pular de uma torre vestindo roupas de dominadora e escarpim? Isso faz parte de um dia de trabalho de Angelina Jolie. Já fazer as tarefas domésticas foi um problema maior para a atriz, que faz o papel de uma dona de casa/assassina entediada na aventura cômica "Mr. & Mrs. Smith", que estréia sexta-feira (10/06) no Brasil e nos EUA.

Divulgação 
Angelina Jolie está em "Sr. e Sra. Smith", que estréia nesta sexta-feira nos cinemas
"Angie não é muito do lar", ri Akiva Goldsman, produtor do filme. "Tem uma cena em que ela chuta a porta do forno atrás dela. Mostrei a ela como fazer. Ela olhou para mim como se eu tivesse feito uma mágica. A idéia de que se pode chutar uma porta de forno era inteiramente estranha para ela."

Jolie, aos 30 anos, é uma bela montanha de contradições. Ela é mãe solteira tatuada, que deixa seu filho de três anos adotar um penteado de moicano; humanitária que por acaso é atriz; é também a mulher que foi chamada de destruidora de lares pelos tablóides por seu relacionamento com Brad Pitt, que faz o papel de seu marido assassino.

"Ela traça seu próprio caminho, e o público realmente aprecia se você não tenta copiar ninguém nem tenta ser outra pessoa", diz o diretor do filme, Doug Liman. "Ela decide tomar aulas de vôo e logo tira seu brevê. Ela não se dá desculpas."

Jolie não respondeu a pedidos de entrevistas. Ela não parece se preocupar se o público gosta dela. Está ocupada demais vivendo sua vida em seus próprios termos.

A beleza ardente é embaixadora da boa vontade do Alto Comissariado de Refugiados da ONU, igualmente à vontade visitando os refugiados do leste jordaniano e discutindo questões no Fórum Econômico Mundial em Davos ou caminhando pelo tapete vermelho em um vestido colante Celine.

A mulher que teve que lutar contra um distúrbio alimentar e chegou a se cortar, mais tarde usou com grande fama um colar contendo uma gota do sangue do seu marido Billy Bob Thornton.

Hoje é mãe solteira de um filho adotado, Maddox, de 3 anos. A maternidade, porém, não a deixou menos afiada. Jolie admite livremente ser uma mulher sensual que pega amantes quando quer, mas nega que um deles fosse Pitt quando ainda era casado.

Mesmo que a maior parte de seus filmes tenham fracassado comercialmente e desagradado a crítica, Jolie é considerada atriz classe A em Hollywodd. Com exceção de "Lara Croft: Tomb Raider", de 2001, a vencedora de Oscar nunca fez um filme de sucesso.

Mas sua personalidade é tão exuberante, sua beleza tão única, que hipnotiza. "Ela é maior que a vida, não consegue ser diferente", diz David Edelstein, crítico de cinema. "Até seu nome é mítico. É uma criatura magnificamente sensual, é um pouco maluca e não tem medo de deixar seus papéis a consumirem. Ela faz você apreciar a arte."

Sua personalidade colorida e sua falta de vontade --ou incapacidade-- de ser mais atriz sem graça de Hollywood são justamente o que a tornam tão atraente.

"As mulheres se identificam com ela, porque parece inteligente, independente e poderosa. Os homens são atraídos por ela porque ela é incrivelmente bela. E brincalhona", disse o roteirista de "Smith", Simon Kinberg.

O editor da Variety Mike Speier acrescenta: "Ela tem um quê de perigo. Não é boazinha. Sim, ela adotou uma criança, mas não está na televisão dizendo às crianças para não tomarem drogas."

Converse com qualquer um que conheça Jolie, e ouvirá descrições quase idênticas de suas primeiras impressões: Jolie não tem agentes, olha direto no olho, aperta sua mão e pergunta sobre você.

"Não é uma pessoa fria ou exclusivista. Ela chega sem um séqüito. Não tem assistentes ou agentes publicitários. Ela é extremamente profissional e chega três minutos antes da hora marcada. Conhece seu trabalho", diz o maquiador Paul Starr.

Starr trabalha com Jolie desde "Gia" de 1988 e a apresenta em seu próximo livro, "Paul Starr on Beauty: Conversations with Thirty Celebrated Women" (Paul Starr sobre a beleza: conversa com trinta mulheres célebres).

Quanto ao relacionamento com Pitt durante as filmagens, todos dizem que foi extremamente "profissional". Os dois astros falaram pouco, apenas elogiaram a atuação do outro.

Pitt lamentou, em uma entrevista em abril, que sua colega "Mrs. Smith" fosse mal compreendida pela mídia. "Nunca vi alguém tão incompreendido pela imprensa", disse ele. "Jolie é realmente um ser humano adorável, uma mãe dedicada e realmente bem normal. Ela é dedicada ao seu trabalho com a ONU. Ela é realmente leve."

Jolie não liga para as fofocas sobre sua vida sexual.

"A imprensa pode dizer que estou namorando quem quiser, pode dizer o que quiser sobre meus filmes, e isso não machuca ninguém. Mas se entender errado algo relacionado aos refugiados, poderá afetá-los seriamente", diz ela na edição de julho da revista "Marie Claire" em uma entrevista de 28 de março.

Na mesma entrevista, Jolie acaba com os boatos de que teve um caso com Brad Pitt durante as filmagens. Na época, ele ainda estava casado com Jennifer Aniston, que depois pediu o divórcio.

"Ter intimidade com um homem casado, quando meu próprio pai traiu minha mãe, não é algo que eu perdoe", disse ela. "Eu não conseguiria, não conseguiria me olhar no espelho se fizesse isso."

Jolie mora com Maddox perto de Londres, em vez do recanto das celebridades em Tinseltown. Ela continua brigada com o pai, o ator Jon Voight, que a acusou na televisão de ter "problemas graves".

Quando não está visitando campos de refugiados, Jolie pilota aviões, faz tatuagens e sai com quem ela quer. (Em maio, ela jantou com seu primeiro marido, Jonny Lee Miller.) A maior parte de seu tempo livre, porém, é dedicada ao seu trabalho na ONU e a Maddox.

Kinberg chama Jolie de uma mãe "muito dedicada". "Está sempre com ele. Quando não está se divertindo com seu filho, está tentando fazer a diferença no mundo."

Maddox pediu para fazer um penteado de moicano durante o Festival de Cinema de Veneza no outono, e Jolie deixou, lembra-se Vicky Jenson, que dirigiu a atriz no sucesso de animação do ano passado "O Espanta Tubarões".

Maddox é "um adendo preso ao ombro dela. Ela é muito amorosa com ele. Ela o estimulava a cumprimentar as pessoas, mas não o pressionava. Ele ficava envergonhado e se escondia debaixo do cabelo dela."

Duas vezes divorciada, Jolie, por outro lado, nunca parece tímida. Ela posou com Pitt na capa da edição de julho da revista W, enquanto os rumores sobre ele atingem um tom febril.

E ela não sabe nada sobre cultura popular nem lê os tablóides que acompanham sua vida, diz Goldsman do "Smith". Segundo ele, Jolie ficava pelo set conversando com a equipe entre as tomadas.

"Ela não faz fofoca e é estranhamente distante dessa cultura", disse ele. "Ela não perde tempo com besteira. Você nunca vai encontrar assunto com ela com base no que está na televisão ou nos tablóides".

E não se pode exagerar a beleza de Jolie, dos lábios carnudos aos olhos de gato e corpo curvilíneo de tirar o fôlego.

"Acho que ela não entende como é geneticamente abençoada", diz a editora da Marie Claire Rebecca Shalam que conhece Jolie há quatro anos e a viu brincando com Maddox no parque.

"Acho que não tem consciência do efeito que tem nos homens e nas mulheres. Ela se preocupa em conseguir ajuda para a Etiópia e não só em 'Oh, eles vão dizer que eu preciso de uma lipoaspiração.'"

Como resultado, "as pessoas ficam fascinadas com sua autoconfiança, sua independência, sua total falta de pretensão, seu desejo genuíno em ajudar a quem precisa. E é sexy."

Jolie é uma das poucas celebridades, que é tão bonita ao vivo quanto nas revistas. Quando está no tapete vermelho, ela parece real, composta -e levemente entediada.

Shannon Boyd, gerente dos programas de eventos especiais e embaixador da boa vontade da ONU, trabalhou com Jolie por quatro anos e a chama de "muito engajada" e "corajosa".

A atriz está em contato com a ONU quase diariamente. Assim que tiver tempo, está disposta a sair em nova missão, disse ele. "Nós a tratamos como colega. Ela dorme no sofá dos colegas; se só tivermos um espaço no chão, ela também dorme. Se vamos sair em uma longa viagem de jipe com 40 graus e só recebemos meio litro de água, é isso que ela recebe."

Além de participar de mais de 20 missões, Jolie doou quantias substanciais de dinheiro à organização e "pagou de seu bolso desde o primeiro dia".

Mas ela é a antítese da ponderadora que tememos ter como companhia durante um jantar. "Para uma pessoa tão dedicada a coisas sérias no mundo, ela tem a capacidade de realmente rir das coisas", diz Kinberg.

"Seu humor é maduro, sofisticado. Ela entende a ironia e não se leva tão a sério. Quando você trabalha com ela, você não se sente como se estivesse trabalhando com Kofi Annan." Beleza, independência e engajamento são características da estrela Deborah Weinberg

UOL Cursos Online

Todos os cursos