Emmy 2005 uniu surpresas a homenagens

Ann Oldenburg*

Por três horas na noite de domingo (18/9), a televisão encontrou tempo para seu tapinha nas costas anual. "O 57º Prêmio Emmy", transmitido pela CBS do Shrine Auditorium, em Los Angeles, foi a hora da telinha se embelezar, vangloriar-se de seus astros, fazer piadas e reconhecer seus melhores atores. Houve alguns momentos históricos da televisão.

A premiação foi transmitida no Brasil pelo canal pago Sony, que reapresentará a cerimônia com legendas em português na noite do próximo domingo, dia 24. A seguir, confira a descrição dos melhores momentos do grande evento.

Desesperadamente apaixonados

Felicity Huffman, aparentemente abismada por ter vencido o prêmio de melhor atriz em série cômica, concorrendo contra as outras atrizes de "Desperate Housewives", começou seu discurso agradecendo "às mulheres de Wisteria Lane". Ela terminou agradecendo a seu marido, "o incomparável William H. Macy, por beijar uma menina gorducha de 22 anos com um péssimo penteado e óculos em um pasto de vacas e torná-la sua esposa."

Todo mundo ama Raymond?

Depois que a comédia veterana "Everybody Loves Raymond" derrubou a quente novata "Desperate Housewives" na categoria de melhor comédia, o astro Ray Romano disse aos repórteres atrás do palco: "Foi um choque vencer. Vocês têm que admitir: vocês achavam que 'Desperate Housewives' ia ganhar. É ótimo; é um pouco agridoce porque é uma espécie de canção do cisne."

"Mãe, perdi!"

O discurso de aceitação do prêmio por S. Epatha Merkerson --por seu trabalho em "Lackawanna Blues", da HBO-- sumiu. Quando ela subiu ao palco, tateou o corpo, quase procurando no sutiã por um pedaço de papel. "Meu Deus, eu realmente escrevi uma coisa e o papel caiu e não consigo pegar! Deve estar colado. Meu Deus, está lá. Minha mãe está assistindo. Ela vai morrer! Mãe, perdi."

Depois de lembrar de mencionar muitas pessoas, ela leu o prompter. "Terminar? OK. Obrigada."

Meia hora depois de receber seu Emmy, Merkerson ainda não tinha recuperado seu discurso. Naquela altura, já estava no quadril.

"Eu o coloquei aqui. Como ele foi parar lá, eu não sei", disse Merkerson.

Tributo a um tributo

Quando David Letterman subiu ao palco, para apresentar um segmento lembrando Johnny Carson, que morreu neste ano, ele recebeu uma longa e calorosa salva de palmas.

Algumas premiações mais tarde, quando Jon Stewart conquistou seu segundo Emmy da noite por "The Daily Show", ele disse: "Ouvindo Dave falar de Johnny Carson, me dei conta de que a forma como ele se sente sobre Johnny Carson é a forma como acho que todos nós, comediantes de nossa era, nos sentimos em relação a ele."

Momento Fama

Em uma paródia do Emmy ao programa "American Idol", os artistas cantaram temas da televisão. Em um dos segmentos, Donald Trump, de macacão, cantou o tema de "Green Acres", com Megan Mullally, de "Will & Grace", em um terno verde alinhado.

O que o público não viu foi que Mullally chegou ao palco de muletas e Trump ajudou-a a sair depois da apresentação.

"Ela caiu em casa, na noite passada, e machucou a perna, então tivemos que ajudá-la", disse Trump. "Mas ela vai ficar boa." No bar, depois da canção, Paula Abdul, Randy Jackson e Ryan Seacrest de "American Idol" saudaram Trump. (Simon Cowell estava em Londres, mas planejava encontrar-se com a equipe de "Idol" em Chicago para a primeira rodada de audições para a próxima temporada.)

Abdul disse sobre a apresentação de Donald: "Dá para ver que fez aulas de canto. Não poderia ter se apresentado sem aulas. E sabe o que? Cantou bastante bem."

Quase no final da noite, DeGeneres anunciou que Trump e Mullally eram os vencedores.

No noticiário

O furacão Katrina foi mencionado várias vezes no palco. Diversos artistas enfeitaram-se com magnólias, a flor dos Estados de Mississippi e Louisiana, para demonstrar seu apoio aos esforços humanitários de alívio do furacão Katrina. A CBS instou o público a visitar o site cbs.com para doar para o Habitat para a Humanidade, como fez Tyler James Williams, astro da nova comédia da UPN "Everybody Hates Chris" e Charles Evans, uma das pessoas evacuadas de Nova Orleans.

Blythe Danner disse atrás do palco que ela e seu marido, o diretor Bruce Paltrow, fundaram um fundo para jovens mulheres no cinema na Universidade de Tulane. "Passei muito tempo em New Orleans e fiquei de coração partido, mas eles têm aquele espírito do sul."

Danner também fez referência à guerra do Iraque, dizendo no palco, quando venceu o prêmio por seu papel coadjuvante no drama "Huff", "Que voltemos de lá logo!"

Patrícia Arquette, que levou o Emmy de melhor atriz em drama por "Medium", também mencionou o Katrina e o Iraque, dizendo: "Eu quero enviar meus respeitos e gratidão para todos os voluntários que estão ajudando as vítimas do furacão" e "os soldados no Iraque". Ela disse que sua prece era para que pudessem voltar para casa sãos e salvos.

Onde está Ellen?

A anfitriã Ellen DeGeneres passou pouco tempo no palco, optando por fazer seus segmentos em diferentes ambientes do teatro. Uma parte foi feita no bar da entrada, outra na cabine de controle e houve inclusive uma no banheiro das mulheres. "Posso furar a fila?" perguntou às mulheres. "Realmente eu tenho que ir". E entrou na cabine.

Quando estava no palco, usou acessórios misteriosos: em certa altura, entrou com um monociclo em uma mão e um espumante na outra. Depois, apareceu com dois papagaios empalhados. Ela não fez nada com eles.

Mistérios

Matthew Fox, de "Lost", disse que o Emmy de melhor drama serviria como incentivo. "Receber esse prêmio agora, antes do início de nossa segunda temporada, é extremamente animador e nos coloca em um bom lugar."

A isso Jorge Garcia acrescentou: "E cara, aposto que o DVD vai vender muito mais."

Os repórteres quiseram saber se todos estavam perguntando sobre o que acontecerá na segunda temporada, mas Garcia respondeu: "Só vocês que insistem. Durante toda extensão do tapete vermelho, só falaram disso."

Transporte molecular

"Espaço, a última fronteira", disse sombriamente William Shatner, apresentando a famosa música tema de "Star Trek". A cantora de ópera Fredericka Von Stade então cantou a melodia, sem letra.

Shatner depois falou de sua premiação como melhor ator coadjuvante por "Boston Legal" [Justiça sem Limites]. "O que eu temia era o desapontamento de perder", disse ele. "Preferiria nem ser indicado. Primeiro você quer a indicação, mas quando é indicado, quer vencer. O que você não quer é: 'Deus, perdi.'"

Questionado se estava tranqüilo com uma nova geração de telespectadores, ele disse: "Sou um exemplo do que pode acontecer se você não bebe, não fuma, exercita-se todos os dias, come com cuidado e come os cereais. Cereais são bons."

Momento âncora

Em um tributo aos ex-âncoras Dan Rather, Tom Brokaw e o falecido Peter Jannings, o aplauso tornou-se uma ovação em pé. "Estamos profundamente comovidos", disse Brokaw.

"Para milhões de pessoas que nos convidaram as suas salas de estar durante os anos, queremos dizer o quanto apreciamos isso. Sempre levamos o convite a sério. Ainda é um certo choque dizer a palavra 'nós', na ausência de Peter", disse Rather.

Conselho de Doogie

Neil Patrick Harris, de "Doogie Howser", que trabalha no novo "How I Met Your Mother", da CBS, foi filosófico sobre a indústria do tapete vermelho: "A televisão é meio complicada. Às vezes você acha que tem um sucesso nas mãos, e acaba fracassando, ou você acha que seu programa nunca vai acontecer, e se torna um sucesso fabuloso. Você tem que apreciar as ondas enquanto acontecem."

*Colaboraram Bill Keveney e Will Keck. Programas americanos são apresentados no Brasil pela TV paga Deborah Weinberg

UOL Cursos Online

Todos os cursos