Soníferos podem provocar efeitos colaterais perigosos

Liz Szabo

Relatos sobre pacientes que comem, cozinham e até mesmo dirigem durante o sono após tomarem o remédio Ambien geraram dúvidas quanto à segurança deste medicamente contra a insônia, e levaram algumas pessoas a criticar o consumo crescente de soníferos nos Estados Unidos.

Jean-Phillipe Defaut/The New York Times - 7.mar.2006 
Sean Joyce ficou agressivo durante um vôo, depois de ter misturado Ambien e vinho em casa

O fabricante do Ambien alega que a droga é segura, observando que tais efeitos colaterais bizarros são extremamente raros. Mas os especialistas não sabem exatamente com que freqüência eles ocorrem, ou quais pacientes são mais susceptíveis. E, como os médicos estão prescrevendo anualmente 26 milhões de receitas para a aquisição do Ambien, até mesmo os acontecimentos raros poderiam afetar muitos pacientes, adverte Michel Cramer-Bornemann, médico do Centro Regional de Minnesota para Desordens do Sono, em Minneapolis.

Pesquisas recentes apontam para um quadro comportamental preocupante:

- O Ambien é uma das 20 drogas mais encontradas no sangue de
motoristas obrigados a parar no acostamento pela polícia de Wisconsin, segundo Laura Liddicoat, supervisora do programa de toxicologia judicial do Laboratório de Higiene do Estado de Wisconsin, que apresentou as suas descobertas em fevereiro, em uma conferência da Academia Americana de Cientistas Judiciais. O Ambien foi identificado no organismo de 187 motoristas detidos pela polícia de Wisconsin de 1999 a 2004, segundo uma análise distinta feita pelo laboratório estadual.

- O Ambien esteve relacionado a 99 acidentes de trânsito relatados à
Administração de Alimentos e Remédios (FDA, na sigla em inglês) entre 1998 e 2005, segundo uma análise realizada neste mês por Charles Bennett, professor da Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwest. Bennett observou que o número total de acidentes de carro vinculados ao Ambien pode ter sido bem maior, já que, em média, somente 1% dos problemas relacionados a drogas é relatado.

- Após tomarem o Ambien, 19 pacientes estavam ingerindo alimentos
durante o sono, de acordo com um artigo publicado na edição de junho de 2005 do periódico "Sleep". Um dos pacientes encontrou um frasco quase vazio de margarina no armário da sua cozinha, sem ter idéia de quem havia devorado o alimento durante a noite. Dois outros pacientes provocaram pequenos incêndios enquanto tentavam cozinhar.

"Estamos bastante preocupados porque esses são comportamentos problemáticos, e o fato é que eles estão sendo presenciados em um número bem maior do que poderíamos antecipar", afirma Cramer-Bornemann, co-autor do artigo.

Mais de 50 milhões de norte-americanos padecem de desordens crônicas do sono, segundo um relatório divulgado em abril pelo Instituto de Medicina, que assessora o Congresso nas questões relativas a políticas de saúde. Os norte-americanos desembolsaram quase US$ 2,8 bilhões na compra de soníferos no ano passado, segundo a IMS Health, que registra as vendas de medicamentos.

Mas será que o Ambien é o culpado por tudo isso?

Kimberley Thacker, vice-presidente de assuntos médicos da Sanofi-Aventis, diz que a sua companhia realizou recentemente uma revisão para determinar se o Ambien é seguro, não tendo identificado "nenhuma mudança significativa" no que diz respeito à segurança do remédio. Ela acrescenta que o medicamento é bastante seguro quando usado da forma apropriada.

Thacker observa que a bula do Ambien já descreve o sonambulismo como "um efeito colateral adverso, possível, mas raro", que afetaria menos de um em cada mil pacientes. De acordo com ela, cerca de 4% dos indivíduos caminham enquanto dormem, de forma que o Ambien pode não ter sido o responsável por tais episódios.

Alguns casos relacionados ao Ambien, envolvendo pacientes que dirigiram veículos automotores enquanto dormiam podem não ter sido acidentais, afirma Liddicoat, chamando atenção para o fato de que muitos dos motoristas citados no seu relatório apresentavam altos níveis de Ambien na corrente sangüínea, o que sugere que faziam uso abusivo da droga.

Cramer-Bornemann diz que a sua pesquisa indica que certos pacientes podem correr um risco maior. No seu estudo, quase 90% dos indivíduos que comiam enquanto dormiam também estavam tomando antidepressivos. Outros fatores de risco podem ser a apnéia noturna, a síndrome da perna inquieta e um histórico de sonambulismo. Ele diz que é importante que os médicos falem aos pacientes sobre os riscos do Ambien antes de prescreverem o remédio.

Mais pesquisa é necessária

O Instituto Nacional de Saúde também solicitou mais pesquisas sobre a insônia e os seus tratamentos. Muitos medicamentos tomados para combater a insônia nunca foram testados para o uso de longo prazo - ainda que os pacientes muitas vezes tomem esses remédios durante anos. Alguns remédios comumente utilizados para a falta de sono -antidepressivos e anti-histamínicos - não foram aprovados para o tratamento da insônia, adverte o relatório.

Para alguns médicos, os potenciais efeitos colaterais não compensam os riscos. Em vários testes, os pacientes que tomaram as pílulas dormiram entre 15 e 20 minutos antes que aqueles que não ingeriram a droga, relata Sidney Wolfe, diretor do Grupo de Pesquisa de Saúde para o Cidadão Público, um grupo de defesa do consumidor com sede em Washington.

Outros especialistas em sono dizem que os pacientes não precisam necessariamente abandonar o remédio. As pessoas não devem se privar de terapias úteis por causa de pequenos riscos, diz Edward Stepanski, de Memphis, que é especialista em distúrbios de sono em pacientes de câncer. De acordo com ele, para as mulheres que sofrem de ondas de calor ou os pacientes com dores crônicas pode ser difícil repousar sem o uso da medicação.

"Simplesmente detesto a idéia de que as pessoas que realmente se beneficiariam do medicamento não o tomem por temê-lo", afirma Stepanski.

Alternativas sem medicamentos

Embora as pessoas que sofram de insônia crônica possam precisar da ajuda de um médico especializado em sono, os especialistas dizem que os indivíduos que sofrem de insônia ocasional podem adotar as seguintes medidas para melhorar o seu sono:

- Use a sua cama apenas para dormir e fazer sexo. Se condicione a
associar a sua cama com o sono. Não use a cama para assistir televisão,
falar ao telefone ou jogar videogames.

- Dedique entre 30 a 60 minutos para se acalmar e relaxar antes de
ir para a cama.

- Experimente tomar um banho quente. O processo de aquecimento,
seguido de resfriamento, pode deixá-lo sonolento.

- Evite estimulantes, como a cafeína, especialmente no final da
tarde e à noite.

- Não fume. A nicotina é um poderoso estimulante. A vontade de fumar
também pode fazer com você acorde.

- Limite a ingestão de álcool. Embora o álcool possa ajudar certas
pessoas a dormir, ele pode fazer com que você acorde durante a noite.

- Pare de tirar sonecas. Reserve o sono para a noite.

- Não desligue o despertador para voltar a dormir. O excesso de sono
fará com que seja mais difícil dormir à noite. E também não durma até tarde nos finais de semana.

- Exercite-se regularmente, embora nunca imediatamente antes de ir
para a cama.

- Use medicamentos cuidadosamente, especialmente aqueles que contêm
estimulantes ou ingredientes que possam deixá-lo sonolento.

A modificação de comportamentos também pode ajudar os indivíduos a descansar mais facilmente.

A terapia cognitiva comportamental, que ajuda as pessoas a superar os maus hábitos de sono e a ansiedade relacionada à insônia, é tão efetiva quanto os remédios vendidos com receita médica, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde. A terapia não possui efeitos colaterais e pode ajudar aqueles que não encontram alívio nos conselhos tradicionais, tais como a limitação do uso da cafeína.

"Ao contrário de uma pílula para dormir, a terapia não é uma solução rápida e pode levar uns dois meses para surtir efeito", afirma Arthur Spielman, co-autor do livro "The Insomnia Answer" ("A Resposta para a Insônia").

Spielman aconselha:

- Limite o período que você passa na cama. Se não conseguir dormir
após 20 minutos, levante-se e faça algo relaxante, como ler ou ouvir música. Evite atividades estimulantes. Retorne para a cama somente quando estiver sonolento, de forma que você associe a cama com o sono, e não com uma movimentação sem fim no colchão.

- Não se preocupe com o sono perdido. A preocupação só torna as
pessoas mais agitadas. Umas poucas horas de sono perdido não se constituem em uma catástrofe.

- Relaxe, respirando profundamente durante dez minutos antes de ir
para a cama. Imagine uma cena pacífica, mas sedutora, com um número
suficiente de detalhes sensoriais para torná-la absorvente.

- Reajuste o seu relógio biológico expondo-se à luz clara tão logo
acorde.

- Mantenha um caderno de notas sobre o sono, anotando quando acordou, quando dormiu, o que comeu, o que bebeu, que remédios tomou, e como
foi o seu desempenho durante o dia. Assim, você poderá detectar fatores que desencadeiam a insônia. Danilo Fonseca

UOL Cursos Online

Todos os cursos