Publicidade

Boletim grátis
Fique por dentro do que acontece no mundo da tecnologia
Divulgação



AVISO:
Mundo Digital agora é UOL Tecnologia; conheça o novo site
 ÚLTIMAS NOTÍCIAS

04/01/2003 21h14

Internet gratuita custa caro

Gesner Oliveira
Especial para a Folha de S.Paulo

Todo mundo gosta de receber um bem ou serviço de graça. Especialmente quando se trata de algo cada vez mais importante para a cidadania, como o acesso à internet. O problema é que, nesse caso, a conta final do consumidor pode sair muito mais cara.

A internet gratuita é sedutora, mas em economia não existem milagres, ou almoços gratuitos, como diria o Prêmio Nobel Milton Friedman. Há um custo associado ao provimento de serviço de acesso à internet que deverá ser pago de alguma forma, agora ou no futuro.

As receitas dos provedores de acesso com publicidade virtual e comércio eletrônico não são suficientes para cobrir mais do que 30% da operação -na melhor das hipóteses, 40%. O restante vem dos pagamentos dos assinantes.

Portanto quando um provedor oferece serviço gratuito está praticando um preço inferior ao custo. Em economia antitruste isso tem um nome: preço predatório, pois destrói os concorrentes.

O leitor pode perguntar: mas não ganha o consumidor com os preços mais baratos, ou, no caso da internet, com o acesso gratuito? Por que o consumidor poderia ser prejudicado se ele pode ter acesso ao universo de informações da rede sem pagar assinatura.

Quando a empresa que pratica preços artificialmente baixos não detém poder de mercado, não há dano. Se o preço estiver artificialmente baixo será praticado temporariamente, porque ninguém aguenta ficar no vermelho eternamente. A estrutura do mercado não será afetada e provavelmente será restabelecido o preço que vigorava antes.

Porém, se o "predador" tiver poder de mercado, poderá bancar o prejuízo durante o tempo necessário para quebrar seus concorrentes. Depois de ter se transformado no monopolista do mercado, elevará seus preços a níveis superiores àqueles que vigoravam antes, prejudicando o consumidor no médio e longo prazos.

O caso da internet gratuita no Brasil é grave precisamente porque só faz sentido econômico quando levada a cabo por agentes que detêm poder de mercado e que podem tirar vantagem de flagrantes lacunas regulatórias.
Os provedores gratuitos no Brasil se tornaram atraentes para grandes operadores de telefonia fixa por uma razão simples. O provimento de acesso à internet gera um tráfego unidirecional -do usuário para o provedor-, permitindo, com as atuais regras brasileiras, capturar receitas de interconexão de áreas nas quais a operadora não atua de forma preponderante. Isso torna rentável bancar um provedor gratuito, ainda que incorrendo em déficits na atividade específica de provimento de acesso à internet.

Uma vez que uma operadora se torna agressiva no negócio da internet gratuita, o jogo entre as operadoras tem um resultado previsível e desastroso do ponto de vista da concorrência. As demais operadoras passam a bancar seus próprios provedores, acirrando a rivalidade entre eles e inviabilizando os milhares de provedores existentes no mercado. Em pouco tempo, se os reguladores e as autoridades de defesa da concorrência não adotarem as devidas providências, o mercado de provedores estará fortemente oligopolizado em detrimento da sociedade e do consumidor.

Ressalte-se que a supremacia dos provedores aliados às operadoras não decorre de maior eficiência, mas meramente do fato de que conseguem ficar no vermelho na atividade de provimento de acesso à internet porque o prejuízo é compensado com as receitas de interconexão.

Se nada for feito, o consumidor sairá perdendo em todos os momentos. No presente, porque o badalado acesso grátis à internet vai onerar as tarifas telefônicas e, dessa forma, transferir renda dos usuários de telefonia para os de internet. No futuro, porque o preço do acesso à internet deverá inevitavelmente subir se o mercado de provedores se tornar um oligopólio de agentes verticalizados.

Gesner Oliveira, 46, é doutor em economia pela Universidade da Califórnia (Berkeley), professor da FGV-Eaesp, sócio-diretor da Tendências e ex-presidente do Cade.


Notícias relacionadas:
  • Motorola lança celular baseado em Windows Mobile
  • Reportagem do UOL News apressa "compra" do iG pela BrTelecom
  • Ações da Brasil Telecom caem com notícia de interesse em comprar iG
  • Venda do iG será definida em janeiro
  • Brasil Telecom estuda compra do iG
  • BrTelecom quer comprar por US$ 115 mi empresa sem receita
  • Anatel buscará "saída" para a Brasil Telecom
  • Conflito na Brasil Telecom põe Anatel em xeque
  • Telecom Italia tem razão, diz Miro
  • Brasil Telecom diz que irá ao Cade contra operadora italiana
  • Audiência na Câmara discute modelos de acesso à Internet
  • Miro Teixeira critica Anatel durante abertura da Telexpo
  • Consulta pública para acesso à Web termina neste sábado
  • Apesar do acesso "grátis", internauta inglês prefere serviços pagos
  • Usuários da Telemar e Internet "grátis" reclamam de contas
  • Telemar diz atuar de acordo com a Anatel
  • Abranet propõe plugar 32 milhões de estudantes
  • Telefônica deve abrir provedor gratuito à Web
  • Provedores oferecem Internet para escolas
  • Anatel adia, mais uma vez, término da Consulta Pública 417
  • Internet paga sai mais barata do que a "grátis" na Argentina
  • Internet gratuita fracassa nos EUA e no Canadá
  • Gartner prevê fim da Internet grátis na AL
  • UOL defende a isonomia na Internet e desafia iG
  • Para Abranet, Brasil Telecom e Telemar subsidiam provedores gratuitos
  • Novas regras para Web podem elevar número de usuários em 25%
  • Usuário poderá escolher operadora
  • Anatel prevê novos modelos para acessar a Internet
  • "Todos não podem ter um ônus para que alguns se beneficiem"
  • Anatel promete ser dura com operadora que subsidiar provedor
  • Classes mais baixas patrocinam Internet "grátis" dos mais ricos
  • Todo brasileiro tem direito a e-mail grátis desde 1999
  • Anatel é contra repasse de receita das teles aos provedores "gratuitos"
  • Entenda o que é interconexão
  • O que é e como funciona uma Consulta Pública
  • Consulta Pública 417 propõe novos modelos de acesso à Internet
  • Audiências para discutir regulamentação de acesso à Internet acontecem esta semana
  • Internet gratuita custa caro
  • Abranet alerta para risco de monopólio no acesso à Internet
  • Telefônica recua e libera interconexão para Embratel
  • Anatel quer criar tarifa mensal fixa para Internet
  • Teles condenam disputa e pedem nova regra
  • Conta do acesso gratuito "não fecha", diz provedor
  • iG não comenta contrato nem modelo de negócio
  • Empresas contestam acordo iG-Telemar
  • Não há almoço nem Internet grátis, diz especialista; veja a entrevista
  • Embratel começa a oferecer telefonia fixa local em São Paulo
  • Internet grátis ameaça setor, diz Telefônica
    Disputa entre empresas pode elevar tarifas de telefone, prejudicando usuários de menor poder aquisitivo
  • Presidente da Telefônica apóia parecer sobre fim dos privilégios exclusivos do iG
  • Leia a íntegra do parecer da Seae sobre privilégios exclusivos do iG
  • Seae limita compra do iG pela Telemar
    Órgão público recomenda condição para aprovação da venda
  • Brasil Telecom paga R$ 50 milhões pelo iBest




  •  

     13/05/2005

    15h35 - George Bush virtual canta rap sobre luta contra terrorismo

    13h17 - Microsoft inicia testes em ferramenta de segurança

    12h36 - Gamers podem construir império virtual com academia de ginástica

    12h03 - Firefox aposta em vídeos na web para atrair internautas

    11h12 - Tempo de navegação no último ano aumentou para 60% dos internautas

    10h20 - Xbox 360 é arma da Microsoft para a guerra dos consoles

     12/05/2005

    19h59 - Preços dos computadores devem cair 9,25% com isenção de PIS e Cofins

    16h46 - Nova versão do Firefox corrige falhas de segurança

    16h07 - Homens conversam mais no celular do que mulheres, diz estudo

    14h30 - Volume de transações virtuais cresce 31% no primeiro trimestre