Publicidade

Boletim grátis
Fique por dentro do que acontece no mundo da tecnologia
Divulgação



AVISO:
Mundo Digital agora é UOL Tecnologia; conheça o novo site
 ÚLTIMAS NOTÍCIAS

22/12/2002 09h16

Conta do acesso gratuito "não fecha", diz provedor

Da Folha de S.Paulo

Os três maiores provedores de acesso pago à internet no Brasil -UOL, AOL e Terra- dizem que o acesso gratuito é insustentável como modelo de negócio.

"A conta não fecha. Não há como cobrir os custos só com publicidade e comércio eletrônico", afirma o diretor-geral do Terra, Fernando Madeira.
A avaliação é confirmada pela empresa de consultoria Tendências, que analisou o impacto do contrato entre o iG e a Telemar sobre a concorrência no mercado de internet.

Segundo o estudo da consultoria, a cobrança de assinaturas (da qual os provedores gratuitos abrem mão) representa de 70% a 80% da receita total dos provedores de acesso pago. A publicidade e o comércio eletrônico representam apenas 30% devido à penetração ainda reduzida da internet no Brasil.

Madeira diz que o Terra entrou na primeira onda do acesso gratuito, em 2000, apenas como estratégia de proteção de seu mercado.

"Sempre olhamos com desconfiança a forma como os provedores de acesso gratuito conseguiam sobreviver. Parece claro agora que eles têm participação na receita das companhias telefônicas", afirma Madeira.
O executivo afirma que os assinantes de acesso pago ficam, em média, 40 minutos por dia conectados à internet, tempo distribuído entre o horário comercial e o noturno.

Os usuários do acesso gratuito ficam menos tempo conectados e concentram o uso na madrugada e finais de semana, quando a tarifa telefônica é reduzida.

Mais receita

Segundo o diretor-geral do Terra, os provedores de acesso pago geram mais receita para as empresas de telefonia do que os provedores de acesso gratuito. "Se eles são remunerados pelo tráfego, nós também temos direito", diz Madeira.

O vice-presidente da America Online Brasil, Milton Camargo, concorda com Madeira: "Se existe para um, tem de existir para todos. É o princípio da isonomia", afirma.

Ele diz que a AOL não acredita no modelo de acesso gratuito, mas convive com esse tipo de concorrente e não acha que ele tomará o mercado dos provedores de acesso pago, que oferecem serviços que os gratuitos não têm.

"Vimos muitos provedores de acesso gratuito nascerem e morrerem. A AOL vai continuar, porque tem um modelo de negócio sustentável e compromisso com o assinante", declarou.

Saco sem fundo

Claus Vieira, diretor-geral do UOL, lembra que a empresa também aderiu à onda dos provedores de acesso gratuito em 2000, quando lançou o Net Gratuita. "O acesso gratuito gera tráfego telefônico e audiência na rede, mas a receita do negócio não paga o acesso. É um saco sem fundo para perder dinheiro", diz ele.

Na avaliação de Vieira, se o tráfego para a internet for excluído da tarifa de interconexão das companhias telefônicas -conforme sugere a proposta de regulamento colocada em consulta pública pela Anatel-, o acesso gratuito à internet vai desaparecer, e todos os provedores terão de trabalhar com as condições reais do mercado.

Ele discorda de que o acesso gratuito seja a receita para a democratização da internet. A principal barreira para inclusão digital, diz, é o custo do computador.

Abranet

O presidente da Abranet (Associação Brasileira dos Provedores de Acesso, Serviços e Informações de Rede Internet), Roque Abdo diz que o parecer da Seae (Secretaria de Acompanhamento Econômico) recomendando que a Telemar estenda as vantagens dadas ao iG aos demais provedores foi importante porque confirmou a falta de isonomia de tratamento.

Mas, segundo ele, a associação quer mercado competitivo, sem transferência de recursos por parte das teles para nenhum provedor. Segundo ele, mesmo se a Telemar propusesse remuneração aos demais provedores, não haveria clareza se as condições seriam iguais às obtidas pelo iG. "Existem benefícios cruzados de difícil identificação", diz.


Notícias relacionadas:
  • Motorola lança celular baseado em Windows Mobile
  • Reportagem do UOL News apressa "compra" do iG pela BrTelecom
  • Ações da Brasil Telecom caem com notícia de interesse em comprar iG
  • Venda do iG será definida em janeiro
  • Brasil Telecom estuda compra do iG
  • BrTelecom quer comprar por US$ 115 mi empresa sem receita
  • Anatel buscará "saída" para a Brasil Telecom
  • Conflito na Brasil Telecom põe Anatel em xeque
  • Telecom Italia tem razão, diz Miro
  • Brasil Telecom diz que irá ao Cade contra operadora italiana
  • Audiência na Câmara discute modelos de acesso à Internet
  • Miro Teixeira critica Anatel durante abertura da Telexpo
  • Consulta pública para acesso à Web termina neste sábado
  • Apesar do acesso "grátis", internauta inglês prefere serviços pagos
  • Usuários da Telemar e Internet "grátis" reclamam de contas
  • Telemar diz atuar de acordo com a Anatel
  • Abranet propõe plugar 32 milhões de estudantes
  • Telefônica deve abrir provedor gratuito à Web
  • Provedores oferecem Internet para escolas
  • Anatel adia, mais uma vez, término da Consulta Pública 417
  • Internet paga sai mais barata do que a "grátis" na Argentina
  • Internet gratuita fracassa nos EUA e no Canadá
  • Gartner prevê fim da Internet grátis na AL
  • UOL defende a isonomia na Internet e desafia iG
  • Para Abranet, Brasil Telecom e Telemar subsidiam provedores gratuitos
  • Novas regras para Web podem elevar número de usuários em 25%
  • Usuário poderá escolher operadora
  • Anatel prevê novos modelos para acessar a Internet
  • "Todos não podem ter um ônus para que alguns se beneficiem"
  • Anatel promete ser dura com operadora que subsidiar provedor
  • Classes mais baixas patrocinam Internet "grátis" dos mais ricos
  • Todo brasileiro tem direito a e-mail grátis desde 1999
  • Anatel é contra repasse de receita das teles aos provedores "gratuitos"
  • Entenda o que é interconexão
  • O que é e como funciona uma Consulta Pública
  • Consulta Pública 417 propõe novos modelos de acesso à Internet
  • Audiências para discutir regulamentação de acesso à Internet acontecem esta semana
  • Internet gratuita custa caro
  • Abranet alerta para risco de monopólio no acesso à Internet
  • Telefônica recua e libera interconexão para Embratel
  • Anatel quer criar tarifa mensal fixa para Internet
  • Teles condenam disputa e pedem nova regra
  • Conta do acesso gratuito "não fecha", diz provedor
  • iG não comenta contrato nem modelo de negócio
  • Empresas contestam acordo iG-Telemar
  • Não há almoço nem Internet grátis, diz especialista; veja a entrevista
  • Embratel começa a oferecer telefonia fixa local em São Paulo
  • Internet grátis ameaça setor, diz Telefônica
    Disputa entre empresas pode elevar tarifas de telefone, prejudicando usuários de menor poder aquisitivo
  • Presidente da Telefônica apóia parecer sobre fim dos privilégios exclusivos do iG
  • Leia a íntegra do parecer da Seae sobre privilégios exclusivos do iG
  • Seae limita compra do iG pela Telemar
    Órgão público recomenda condição para aprovação da venda
  • Brasil Telecom paga R$ 50 milhões pelo iBest




  •  

     13/05/2005

    15h35 - George Bush virtual canta rap sobre luta contra terrorismo

    13h17 - Microsoft inicia testes em ferramenta de segurança

    12h36 - Gamers podem construir império virtual com academia de ginástica

    12h03 - Firefox aposta em vídeos na web para atrair internautas

    11h12 - Tempo de navegação no último ano aumentou para 60% dos internautas

    10h20 - Xbox 360 é arma da Microsoft para a guerra dos consoles

     12/05/2005

    19h59 - Preços dos computadores devem cair 9,25% com isenção de PIS e Cofins

    16h46 - Nova versão do Firefox corrige falhas de segurança

    16h07 - Homens conversam mais no celular do que mulheres, diz estudo

    14h30 - Volume de transações virtuais cresce 31% no primeiro trimestre