Procurar trabalho dá trabalho, e é preciso estar disposto a garimpar

Lucas Nogueira

Lucas Nogueira

Especial para o UOL

O momento da recolocação ou movimentação em um cenário econômico desafiador gera ansiedade e dúvidas para o profissional, mas há formas de potencializar as chances nesse processo. Sempre vão existir oportunidades para profissionais qualificados que saibam acessar a vaga pertinente ao seu perfil, independente de idade ou sexo. Meu conselho é: mantenha a calma; organize as ideias e procure entender o que você busca no mercado de trabalho. Não me refiro apenas à questão de cargo e do tipo de empresa, mas também a perceber aquilo que te faz feliz.

O primeiro passo para maior agilidade na recolocação ou movimentação profissional é identificar as oportunidades. A tarefa é árdua, mas é possível ter notícias sobre vagas em conversas com headhunters e em grupos de discussões, ou ainda por meio do mapeamento de empresas com as quais se identifica, até chegar ao gestor da área pretendida. Outra opção é acessar o networking pessoal, que deve permanecer ativo em todos os momentos da carreira. É praticamente um trabalho de investigador, que requer disciplina e esforço.

O quesito remuneração merece atenção. É fundamental manter-se informado sobre os valores praticados no mercado, mas também estar aberto a ouvir o que a empresa contratante tem a oferecer, levando em consideração o momento do segmento e da companhia em questão. Não é indicado, por exemplo, mencionar a pretensão salarial no currículo, salvo em casos muito específicos, em que o dado é pré-requisito para a participação no processo de seleção. Esta informação direciona o candidato para algumas vagas, mas pode acabar o excluindo de outras.

Outra maneira de ampliar a empregabilidade é estar aberto e preparado para novos modelos de contratação. Na última década, seguindo a realidade da Europa e dos Estados Unidos, empresas do Brasil têm demandado profissionais temporários para cargos de média e alta gestão, que tenham conhecimento técnico da área em que atuam aliado à alta capacidade de execução. Não se trata das tradicionais oportunidades no comércio ou em fábricas, para suprir picos de demanda em períodos sazonais, mas sim de oportunidades de atuar em projetos estratégicos para as companhias.

Entendidos como solução para o negócio –principalmente em momentos desafiadores como o ano de 2016–, esses profissionais são contratados via CLT, com todos os benefícios de um colaborador permanente, porém por tempo determinado. A experiência rende a eles rapidez na recolocação, maior conhecimento do segmento e da empresa por onde passam, além de chance de efetivação e valorização salarial. O ponto de atenção fica por conta do planejamento financeiro pessoal e da busca constante por atualização.

Independente do seu foco, vaga permanente ou temporária, não esqueça que o currículo é o seu cartão de visitas e o chamariz para uma boa entrevista. Ele deve ser claro, objetivo, sem erros de digitação, informação ou gramaticais e com palavras-chave pertinentes a vaga desejada.

Procurar trabalho também dá trabalho e a vaga está disponível, mas é preciso estar disposto a garimpar. Boa sorte!

 

  • O texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL
  • Para enviar seu artigo, escreva para uolopiniao@uol.com.br

Lucas Nogueira

é gerente sênior da divisão de Projetos Temporários da Robert Half, sociólogo, pós-graduado em Gestão de Negócios e especialista em Formação da Sociedade Brasileira

UOL Cursos Online

Todos os cursos