08h00 29/01/2009

Para ajudar Brasil-Pe a renascer, Cláudio Duarte treina de graça

Tão logo soube da tragédia ocorrida com a delegação do rubro-negro de Pelotas, treinador, que já foi seis vezes campeão estadual, se apresentou para montar um novo time às pressas

Nico Noronha, do Pelé.Net

PORTO ALEGRE - Cláudio Duarte, 57 anos, estava em casa, tendo como única preocupação uma nova cirurgia a fazer em seu joelho esquerdo, o mesmo que o fez encerrar precocemente a carreira de jogador em 1978, quando soube da tragédia ocorrida com o grupo profissional do Brasil, de Pelotas. O ônibus da delegação capotou na estrada, dois jogadores morreram, o treinador de goleiros também faleceu, mais de uma dezena de atletas teve de ser hospitalizada, o mesmo ocorrendo com o treinador Armando Dessessards.

Divulgação
Cláudio é técnico e psicólogo de um grupo abalado por uma tragédia há 13 dias
Time dizimado e sem comando - Dessessards ainda segue em recuperação - os presidentes da Federação Gaúcha, Francisco Noveletto Neto, e do Brasil, Helder Lopes, lembraram de Claudião, conhecido no Rio Grande do Sul por ser um aglutinador, um expert em situações emergenciais, motivador como poucos, para fazer surgir às pressas um novo Brasil. "Tô dentro", disse ele, sem muito pensar, quando os dois dirigentes lhe telefonaram e, cheios de dedos, tentavam avisar que o queriam mas não teriam dinheiro para pagar salário.

Nesta quinta-feira, 13 dias depois do acidente, ele já tem um grupo que, todos os dias recebe novos atletas, emprestados por outros clubes, por empresários, ao mesmo tempo em que alguns dos que se machucaram na queda do ônibus se recuperam. "Só ontem chegaram seis", informou Cláudio Duarte ao Pelé.Net, na entrevista concedida por telefone, no horário do almoço, antes de voltar para o hotel que é sua moradia temporária. A conversa revelou um técnico entusiasmado, esbanjando confiança, e transmitindo àqueles que ainda estão abalados pela tragédia, a mensagem segundo a qual "o que hoje é tristeza vai se transformar em saudade e, no futuro, em lembrança".


Pelé.Net - Você diz que nem pensou para aceitar o convite para treinar o Brasil, mesmo sabendo que não ganharia salário. O que estava fazendo da vida?
Cláudio Duarte
- Eu estava em casa. Fazendo fisioterapia, me preparando para mais uma cirurgia nesse joelho, vou colocar uma prótese, mas numa situação como essa a gente não tem que pensar mesmo, tem é que ajudar de todas as formas possíveis.

CLÁUDIO ESTAVA PARADO DESDE 2007
Cláudio Roberto Pires Duarte, que em maio deste ano completará 58 anos, estava sem trabalhar desde 2007, quando foi auxiliar técnico de Paulo César Carpeggiani, no Corinthians. A parceria vem de longa data, pois ambos fizeram parte do time do Inter bicampeão brasileiro em 1975/76. Como atleta colorado foi octacampeão gaúcho, entre 1969 e 1976. Dois anos depois assumiu como treinador do Inter e na sua primeira participação, no clube do Beira-Rio, foi campeão estadual, em 1978. Ganhou outros cinco Gauchões, com o Inter em 1981/91/94 e 2003; e um pelo Grêmio em 1989. Pelo Tricolor ainda conquistou a Copa do Brasil de 1989.
Pelé.Net - Já havia trabalhado no Brasil no passado?
Cláudio -
Não, mas eu sempre tive uma boa relação com o pessoal daqui, em especial com o presidente Hélder Lopes.

Pelé.Net - E a preocupação, no momento, é montar um grupo, para só depois pensar num time?
Cláudio -
Tudo ao mesmo tempo. Quando começarmos a jogar - dia 5 de fevereiro, contra o Santa Cruz - teremos uma partida a cada dois dias, para recuperar o atraso na tabela. Para isso precisaremos de um grupo grande, para revezar atletas, poupar um ou outro quando a gente notar que está ficando estressado.

Pelé.Net - Vai ser complicado fazer com que superem o trauma daquela tragédia?
Cláudio -
A vida segue, não tem jeito. Eles vão ter que enfrentar o primeiro jogo, a primeira viagem de ônibus, tudo recomeça.

Pelé.Net - O clube tem um psicólogo fazendo um acompanhamento dos atletas?
Cláudio -
Por enquanto não. O psicólogo sou eu.

Pelé.Net - E você está confiante na equipe que recém está se formando?
Cláudio -
Estou. Vamos entrar para ganhar. Há uma meninada aí, mas ao mesmo tempo alguns jogadores bastante experientes para compensar, a começar pelo Danrlei (goleiro). Acho que vai dar para incomodar um pouco.

E fica até quando no cargo?
Cláudio -
Combinei de treinar o time no Gauchão ou até que o Armando (Dessessards) possa reassumir o cargo.




Computando seu voto...
Carregando resultado

Total de votos:

© Copyright Zipsports Ltda. Todos os direitos reservados

Shopping UOL