Quarta - 01/11

Brasileiro

21h45 - Fortaleza x Corinthians


00h07 17/08/2006

Procura pelo título durou 30 anos

Em 1976, com o time considerado o melhor da história do clube, Inter só ficou no 9º lugar.

Do Pelé.Net

PORTO ALEGRE - Na noite fria e molhada de Porto Alegre, nesta quarta-feira, o Inter confirmou a melhor campanha entre os 32 clubes que disputaram a Copa Libertadores da América 2006. Um desempenho que enlouqueceu seu torcedor e, exatas três décadas depois de sua primeira participação no torneio, fez o Colorado concretizar o antigo sonho e alcançar seu primeiro título.

Na noite em que confirmou a superioridade no confronto com o São Paulo, o Inter completou seu jogo número 60 na história do torneio que é considerado o mais importante do continente. Foi a sexta vez que o clube gaúcho participou da competição, e o resumo dessa participação ficou assim: 28 vitórias, 17 empates e 15 derrotas, tendo marcado 83 gols e sofrido 53.

Para a grande maioria dos torcedores colorados, o time de 1976, bicampeão brasileiro e primeiro a representar o clube na Libertadores, era melhor do que o de hoje. Ao mesmo tempo, era inexperiente em competições internacionais.

Já o grupo atual iniciou a temporada vindo de uma série de embates com times da Argentina e do Uruguai, em especial pela participação em duas Copas Sul-Americanas seguidas, nas temporadas de 2004 e 2005. O Colorado viu, assim, crescer as possibilidades de superar as agruras dos sempre duros confrontos contra os adversários de além fronteiras.

O fracasso do grande time de 1976
A Libertadores da América, criada pela Conmebol em 1960, completava sua 17ª edição em 1976, quando o Internacional disputou-a pela primeira vez. Foi naquela edição que se desenvolveu um dos maiores confrontos da história da competição: o jogo contra o Cruzeiro, realizado no Mineirão, foi emocionante, e terminou em 5 a 4 para o clube mineiro. A campanha do clube gaúcho teve três vitórias, um empate e duas derrotas, tendo marcado dez gols e sofrido oito. O time ficou em 9º lugar.

No ano seguinte o Internacional já estava outra vez tentando botar a mão na taça. E tinha um grande time para isso, com a maioria dos atletas que já haviam participado da edição anterior, com Manga; Cláudio Duarte, Marião, Hermínio e Vacaria; Caçapava, Falcão, Batista e Jair; Valdomiro e Dario -. Mas o bicampeão brasileiro não conseguiu seu intento e caiu na fase semifinal da competição. Chegou em 4º lugar, marcando 11 e sofrendo nove gols em cinco vitórias, dois empates e três derrotas.

Três anos após, em 1980, o Colorado teria nova chance de disputar a Libertadores, direito adquirido devido à conquista do campeonato brasileiro de 1979, de forma invicta - feito jamais igualado por clube algum em Brasileiros.

A gana para arrebatar o cobiçado troféu era enorme e dessa vez por pouco a equipe não conseguiu, já que chegou à final. Mas apenas empatou a primeira partida por 0 a 0 em Porto Alegre e perdeu a segunda e decisiva para o Nacional por 1 a 0, em Montevidéu, em 6 de agosto perante um público de 65 mil pessoas. O Inter era treinado por Ênio Andrade e o Nacional, por Mujica.

O Internacional, derrotado com um gol de Victorino, aos 34min do primeiro tempo, formou com Gasperin; Toninho, Mauro Pastor, Mauro Galvão e Cláudio Mineiro (Beretta); Batista, Falcão e Jair; Chico Spina, Adilson e Mário Sérgio.

O Nacional levantou a taça, jogando com Rodolfo Rodrigues; Moreira, Blanco, De León e Gonzalez; Esparrago, Luzardo e De La Peña; Bica, Victorino e Morales. A arbitragem esteve a cargo de Edson Perez, auxiliado por Juan Silvagno e Arturo Iturraldi. O vice-campeonato foi fruto de seis vitórias, quatro empates e duas derrotas, com 14 gols a favor e cinco contra.

Com Abel, derrota incrível em 89

Em 1989, mais do que na temporada em que foi vice-campeão, ocorreu a maior decepção colorada na Copa Libertadores, devido à forma como a eliminação chegou. O time era comandado pelo mesmo Abel Braga, e o Beira-Rio estava tomado por 70 mil eufóricos torcedores que anteviam a presença na decisão, afinal o Olímpia havia sido derrotado no jogo de ida em pleno Defensores Del Chaco, em Assunção, e um simples empate seria suficiente.

Mas o Internacional perdeu por 3 a 2 no tempo regulamentar e foi novamente derrotado na cobrança de pênaltis. Restou um 3º lugar vindo de seis vitórias, dois empates e quatro derrotas, com 20 gols pró e 12 contra.

A pior das participações do Inter em Copas Libertadores aconteceu em 1993, quando o clube ficou na 20ª colocação. Trocando de técnico em meio à competição, a campanha foi muito ruim e o time não conseguiu uma vitória sequer, jogando contra Flamengo, América de Cali e Atlético Nacional, da Colômbia. Foram três empates e três derrotas, fazendo somente quatro gols e levando nove.

Após esse fiasco, o clube ficou 13 anos na fila, esperando nova oportunidade. Demorou, mas quando veio, o clube finalmente estava preparado para conquistar a Copa. Misturou juventude com experiência, gana com cautela, e numa final dinâmica, contra o atual campeão do mundo, o São Paulo, chegou a seu sonho.

Na campanha, uma única derrota, para a LDU do Equador, na altitude Quito, dia 10 de maio. O jogo acabou em 2 a 1 para os equatorianos e obrigou os colorados a uma heróica vitória na partida de volta, no Beira-Rio, por 2 a 0. No total, foram 14 jogos, com oito vitórias, cinco empates e apenas uma derrota. O time marcou 24 gols e sofreu 10.

Inter incluiu nome na lista de campeões

De 1960 a 2006 foram disputadas 47 Libertadores da América, vencidas por 21 clubes diferentes. Ao final desta edição, o Internacional incluiu seu nome na lista que segue encabeçada pelo Independiente, da Argentina, que a ganhou nada menos do que em sete oportunidades.

7 títulos - Indepediente (ARG)
5 títulos - Peñarol (URU) e Boca Junior (ARG)
3 títulos - São Paulo (BRA), Estudiantes (ARG), Nacional (URU) e Olímpia (PAR)
2 títulos - Cruzeiro (BRA), Grêmio (BRA), Santos (BRA) e River Plate (ARG)
1 título - Internacional (BRA), Vasco (BRA), Flamengo (BRA), Palmeiras (BRA), Argentinos Juniors (ARG), Racing (ARG) e Velez Sarsfield (ARG), Once Caldas (COL), Atlético Nacional (COL) e Colo Colo (CHI)

A campanha de 2006

PRIMEIRA FASE
16/02 - Maracaibo 1x1 Inter (Ceará)
23/02 - Inter 3x0 Nacional (Michel, Fernandão e Rubens Cardoso)
08/03 - Pumas 1x2 Inter (Rentería e Fernandão)
22/03 - Inter 3x2 Pumas (Michel, Fernandão e Adriano)
04/04 - Nacional 0x0 Inter
18/04 - Inter 4x0 Nacional (Adriano, Bolívar, Michel e Rentería)

OITAVAS-DE-FINAIS
27/04 - Nacional 1x2 Inter (Jorge Wagner e Rentería)
03/05 - Inter 0x0 Nacional

QUARTAS-DE-FINAIS
10/05 - LDU 2x1 Inter (Jorge Wagner)
19/07 - Inter 2x0 LDU (Rafael Sobis e Rentería)

SEMIFINAIS
27/07 - Libertad 0x0 Inter
03/08 - Inter 2x0 Libertad (Alex e Fernandão)

FINAIS
09/08 - São Paulo 1x2 Inter (Rafael Sobis (2) )
16/08 - Inter 2x2 São Paulo (Fernandão e Tinga)






Veja também

  Leia o que já foi publicado sobre o Internacional



Computando seu voto...
Carregando resultado

Total de votos:
© Copyright Zipsports Ltda. Todos os direitos reservados

Shopping UOL