Para Doria, críticas à possível saída da prefeitura são "prova de carinho"

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

  • NILTON FUKUDA/ESTADÃO CONTEÚDO

    Ao lado de lideranças, Doria anuncia sua pré-candidatura ao governo de SP

    Ao lado de lideranças, Doria anuncia sua pré-candidatura ao governo de SP

O prefeito João Doria (PSDB) atribuiu nesta terça-feira (13) a uma "prova de carinho" as críticas nas redes sociais feitas por eleitores contrários à saída do tucano da Prefeitura de São Paulo para disputar o governo do Estado.

"Isso é uma prova de carinho. Quando você não gosta, você quer ver longe, quer ver a pessoa afastada", afirmou o prefeito. E completou: "Como prova de carinho, estarei presente; Bruno Covas é tão prefeito quanto eu, é tão eleito quanto eu".

A afirmação foi feita um dia depois de Doria anunciar sua pré-candidatura pelo PSDB. O prefeito terá de passar por prévias com outros três pré-candidatos tucanos no próximo domingo (18). Se for eleito na disputa interna, terá que renunciar ao cargo até 7 de abril, quando terá cumprido um ano e quatro meses de mandato municipal.

Indagado por jornalistas sobre o fato de ter se comprometido, em setembro de 2016, a não deixar o mandato, Doria afirmou que, mesmo se for eleito governador, continuará na capital paulista.

"O pacto continua sendo com a população de São Paulo e em São Paulo, não estou saindo de São Paulo. Continuarei aqui se eleito for, e, além disso, o governo estadual tem uma relação direta com todos os programas da Prefeitura de São Paulo, incluindo saúde, esportes, habitação, transportes, assistência", afirmou.

UPA é inaugurada ainda em obras

Doria inaugurou hoje uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) 24 horas, em Santo Amaro, na zona sul da capital, em funcionamento desde o último dia 5. A unidade, no entanto, está inacabada —a parte administrativa levará ao menos mais uma semana para ficar pronta.

Segundo o próprio material de divulgação da prefeitura, a UPA inaugurada hoje pelo prefeito e pelo secretário de Saúde, Wilson Polara, atende desde o último dia 5 urgências e emergências em substituição ao antigo pronto-socorro municipal José Sylvio de Camargo.

"O andar administrativo do novo prédio ainda está em obras. Quando totalmente finalizado, ele terá quatro andares", informa o texto de divulgação, que aponta ainda que "estão previstas outras melhorias para a unidade, como a adaptação do prédio para receber uma base do Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência]".

Questionado sobre a inauguração de um prédio inacabado exatamente um dia após o anúncio da pré-candidatura do prefeito, Polara negou que a agenda tivesse caráter eleitoral. "Viemos de uma sequência de inaugurações, continuamos construindo e inaugurando ao longo de todo o governo", observou.

Polara afirmou que há outras cinco obras a serem inauguradas pela secretaria de Saúde até o final deste mês, mas classificou a sequência, na reta final de gestão Doria, como uma "coincidência". "Se, por coincidência, temos cinco inaugurações como esta, ninguém segurou para inaugurar tudo na véspera. Ele [Doria] exigia o contrário", afirmou.

O secretário também classificou como "detalhes" as obras em curso na parte administrativa da UPA e ponderou que o evento hoje com Doria "estava marcado há meses". Funcionários da Coordenadoria Regional de Saúde se irritaram com a pergunta sobre a data de agendamento da inauguração, enfatizaram que ela estava agendada "há tempos", mas não souberam precisar uma data.

O coordenador regional de saúde, Marco Antonio Carvalho de Lima, afirmou que a gestão do PS substituído pela UPA cabia antes à Santa Casa de Santo Amaro --agora, cabe à Organização Social Santa Catarina - Associação Congregação de Santa Catarina.

"A gente tem que trocar e fazer a mudança com ela [a mudança] em movimento. Não posso deixar de atender 700 pacientes se faltam mesas, beliches, computador, além da estrutura administrativa do Samu. Isso não impede o atendimento dos usuários."

UOL Cursos Online

Todos os cursos