Alvaro Dias diz que intervenção de militares não resolve violência

Do UOL, no Rio e em Brasília

Pré-candidato do Podemos à Presidência da República, o senador Alvaro Dias (PR) afirmou nesta segunda-feira (7) que uma intervenção como a decretada pelo governo federal na segurança pública Rio de Janeiro não resolve o problema de violência no Brasil.

"O Exército não quer isso, não é esse o papel dele", comentou, referindo-se à falta do poder de polícia dos militares.

Dias participou de sabatina promovida pelo UOL, pelo jornal Folha de S.Paulo e pelo SBT.

Leia mais:

O pré-candidato defendeu ainda que integrantes das Forças Armadas e das Polícia Militares do país devem ser julgados pela Justiça Militar, e não pela comum, para que suas prerrogativas sejam preservadas e eles possam defender a população.

Segundo o senador, os agentes de segurança são "acossados por aqueles que querem puni-lo se ele é obrigado, eventualmente, a agir com violência". O presidenciável também defendeu o direito da população brasileira ao porte de arma, apesar de admitir que isso não levaria à diminuição da violência no país.

Ele atribuiu sua posição ao resultado do referendo de 2005 sobre o desarmamento, no qual a maioria da população votou favorável ao comércio de armas.
"Sou favorável ao cumprimento do desejo da sociedade, que é a possibilidade de ter o porte de arma", afirmou, justificando que o cidadão tem direito à legítima defesa num momento em que o Estado não apresenta condições de defendê-lo.

"Agora é evidente que o Estado tem que se armar", acrescentou o senador, que classificou o atual cenário de insegurança no país como "consequência da incompetência do governo e da corrupção".

Confrontado sobre defender bandeiras similares às do pré-candidato do PSL, Jair Bolsonaro, e questionado sobre o que acha do futuro concorrente na disputa eleitoral, Dias evitou falar sobre o deputado federal.

Não concordo com tiros, mas acampamento é uma provocação, diz Alvaro Dias

"Eu tenho e guardo para mim, até por uma questão de respeito, porque eu não atiro pelas costas, e de inteligência, porque se eu tivesse que elogiar, seria cabo eleitoral", comentou.

Na sabatina, Dias foi entrevistado pelos jornalistas Diogo Pinheiro, chefe de reportagem do UOL, Fernando Canzian, repórter da Folha, e Carlos Nascimento, âncora do SBT. 

Carine Wallauer/UOL
O senador Alvaro Dias (Podemos-PR), pré-candidato à Presidência da República, é sabatinado por jornalistas do UOL, Folha de S. Paulo e SBT

Sabatinas com pré-candidatos à Presidência começam nesta segunda

Foram convidados os seis candidatos à Presidência mais bem colocados na pesquisa Datafolha divulgada em 16 de abril. Com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera a pesquisa, Alvaro Dias, o sétimo colocado no levantamento, foi convidado.

Segundo pesquisa do instituto Datafolha do último dia 15 de abril, Dias tem entre 3% e 5% das intenções de voto, dependendo do cenário.

No próximo dia 11 de maio, acontece a sabatina com a pré-candidata Marina Silva (Rede).

No dia 21 de maio, será a vez de Ciro Gomes (PDT).

Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSL) ainda não confirmaram a data de participação. Joaquim Barbosa (PSB) ainda não confirmou a pré-candidatura.

Veja íntegra da sabatina com Alvaro Dias

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos