Favorável à greve de caminhoneiros, Bolsonaro critica bloqueio de estradas

Gustavo Maia

Do UOL, em Salvador

Apesar de dizer que é "100%" favorável à paralisação dos caminhoneiros, em greve há quatro dias, o pré-candidato à Presidência da República e deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) declarou nesta quarta-feira (24), em Salvador, que a categoria não conta com o seu apoio "se porventura" estiver havendo bloqueio de estradas.

"No primeiro momento eu vi que não houve bloqueio, e parece que agora está havendo. O bloqueio de estrada não é salutar, ok? Parar os caminhões, 100% de apoio meu. Bloquear as estradas, não", declarou Bolsonaro, que viajou à capital baiana para evento de pré-campanha.

Segundo a Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros), o país tem agora 330 interdições de rodovias, em 23 estados. 

"Até quando vejo o MST [Movimento Sem Terra] bloqueando, sempre tem um projeto nesse sentido. O bloqueio de estrada dificultando o direito de ir e vir das pessoas, que pode morrer alguém numa ambulância ali, você tem que combater com uma lei bastante rígida quanto a isso", apontou o presidenciável.

Antes das críticas, ele afirmou que a situação era previsível. "Um copo embaixo de uma torneira gotejando vai derramar um dia, não é no mesmo dia", disse Bolsonaro.

O pré-candidato contou que nos últimos dois anos participou de quatro eventos de caminhoneiros nos quais apresentaram seus problemas, sendo o último deles o preço dos combustíveis. "Chega um dia que chega o que está acontecendo. Gostaria que não estivesse acontecendo, tá?", avisou Bolsonaro.

Segundo o deputado federal, essas questões vão desde o preço do pedágio e a "indústria das multagens" à "nova indústria do farol aceso", referência à lei que tornou obrigatório o uso de farol baixo aceso nas rodovias de todo o país mesmo durante o dia, em vigor desde 2016. "O objetivo é multar, não é nada além disso", declarou.

O presidenciável apontou ainda a queda do preço dos fretes --causada segundo ele pela "inflação do número de caminhões no mercado" por conta do estímulo à compra de veículos mediante crédito barato nos governos petistas-- e o "problema gravíssimo do roubo de cargas" como pontos que motivaram o movimento dos caminhoneiros, além das condições das estradas.

"Dá para resolver isso? É difícil, você tem que partir para iniciativa privada", perguntou e respondeu o pré-candidato.

Bolsonaro disse ainda que os caminhoneiros já mostraram que a Petrobras não pode ter o monopólio do preço e da produção "para tapar buraco de corrupção e ajudar governadores". "Porque quando aumento o ICMS do combustível vai refletir mais dinheiro no caixa do governo. Só pode desaguar no que está desaguando", declarou.

No dia do início da greve, Bolsonaro publicou um vídeo em suas redes sociais defendendo a paralisação e prestando "solidariedade" aos caminhoneiros. "Que vocês sejam feliz e alcancem realmente o objetivo que interessa para vocês e para todos nós 200 milhões do lado de cá", disse o presidenciável.

"[Os caminhoneiros] não têm encontrado eco no Legislativo. Sobrou-lhe o Executivo, que teima a se omitir. Assim sendo, apenas a paralisação prevista a partir de segunda-feira (21) poderá forçar o presidente da República a dar uma solução para o caso", afirmou Bolsonaro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos