O que os presidenciáveis dizem sobre a greve dos caminhoneiros

Do UOL, em São Paulo*

  • Lucas Lacaz Ruiz/Estadão Conteúdo

Em seu quinto dia nesta sexta (25), a greve dos caminhoneiros é o assunto mais comentado no Brasil. Com o bloqueio de estradas, a paralisação prejudica a oferta de diversos serviços públicos no país, já que os combustíveis não chegam aos postos de abastecimento. Entre os serviços afetados, estão o transporte público, voos e a coleta de lixo.

Na noite de quinta (24), o governo federal anunciou que foi fechado um acordo para suspender a greve dos caminhoneiros por 15 dias. Mesmo assim, protestos continuaram acontecendo pelo país nesta sexta. O presidente Michel Temer (MDB) autorizou nesta sexta o uso de forças federais para desbloquear as estradas.

Os caminhoneiros protestam contra os recentes aumentos nos preços dos combustíveis. Confira o que os pré-candidatos à Presidência da República têm a dizer sobre o assunto.

Alvaro Dias (Podemos)
Suamy Beydoun/Agif/Estadão Conteúdo

Em vídeo publicado nas redes sociais, o senador Alvaro Dias (Podemos) foi até uma ocupação de grevistas em Minas Gerais e manifestou apoio aos caminhoneiros. "Que se coloquem na cadeia aqueles que assaltaram a Petrobras, e não cobrem essa conta do povo brasileiro", disse.

O pré-candidato afirmou que a greve não se resume às reivindicações dos caminhoneiros. "[É uma revolta] de toda uma nação, a sociedade brasileira está cansada da incompetência generalizada dos governos e dos governantes, cansada da corrupção e da impunidade como regra e exige mudanças nos rumos do nosso país."

Ciro Gomes (PDT)
Carine Wallauer/UOL

Ciro Gomes apontou nesta sexta (25) a política de preços da Petrobras como a responsável pela crise provocada pela greve dos caminhoneiros. "A política de preços de Pedro Parente e do Michel Temer é uma fraude que fez uma nação inteira de refém, a economia inteira de refém, para beneficiar meia dúzia de acionista minioritários", disse Ciro.

Ele também criticou o acordo feito com os caminhoneiros para pôr fim à greve, não cumprido pela categoria. "O acordo que o governo fez aperfeiçoa essa fraude na medida em que espera nas costas do povo pela renúncia fiscal incabível numa hora difícil como esta com uma solução que não resolve nada."

Geraldo Alckmin (PSDB)
Carine Wallauer/UOL

Em nota, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin afirmou que "o problema do diesel é o preço, resultante da carga tributária", e também a "imprevisibilidade dos aumentos, que inviabiliza a vida de quem trabalha e produz".

"Agora, por mais justa que seja a causa, nenhuma categoria pode fazer do país inteiro seu refém. É preciso autoridade para resolver o problema", disse.

Guilherme Boulos (PSOL)
SUAMY BEYDOUN/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO

Em suas redes sociais, Guilherme Boulos disse que "os grandes responsáveis" pela crise de abastecimento no país são Pedro Parente, presidente da Petrobras, e o presidente Michel Temer.

"Gasolina a quase R$ 5 é resultado da desastrosa política de preços de Temer e Pedro Parente na Petrobras. Subordinam a empresa pública aos lucros dos acionistas, com aumentos abusivos para a população. Por isso, o movimento grevista é legítimo. Os reajustes devem ser anulados já", disse.

Para Boulos, "empresa pública deve servir a população, não gerar lucro para acionistas". O coordenador nacional do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) também criticou a decisão de Temer de autorizar o uso de forças federais para desbloquear as estradas. "Temer age com covardia, com uma política de preços de combustíveis que se ajoelhou diante do mercado. E agora apela para a força militar", disse.

Henrique Meirelles (MDB)
Pedro Ladeira/Folhapress

Na avaliação do ex-ministro Henrique Meirelles, há um componente político-ideológico no movimento dos caminhoneiros. "É inaceitável que, além dos problemas graves e reais dos preços do petróleo e derivados, haja um componente político-ideológico e empresarial nessa aliança de entidades politicamente engajadas com empresas transportadoras", disse. 

Para resolver o problema definitivamente, Meirelles disse é que preciso reduzir as despesas federais e abrir espaço para diminuir os impostos, inclusive dos combustíveis. "No nível estadual, é preciso realizar uma reforma tributária visando a redução de impostos nos combustíveis", sugeriu. A criação do fundo estava sendo estudada pela área econômica do governo.

Jair Bolsonaro (PSL)
Ricardo Borges/Folhapress

Em vídeo publicado em sua página no Facebook nesta sexta, o deputado federal Jair Bolsonaro disse ser favorável ao movimento dos caminhoneiros e criticou a "indústria da multa", "a condição das estradas" e o "roubo de cargas".

"Caminhoneiros, parabéns. Vocês estão fazendo uma coisa muito importante, mais até do que as eleições. Eu só peço uma coisa a vocês: não bloqueiem a estrada", disse o deputado, que responsabilizou "infiltrados do PT ou da CUT" pelos bloqueios em andamento em todo o país.

Na quinta-feira (24), Bolsonaro chegou a dizer que era "100%" favorável à paralisação dos caminhoneiros, mas afirmou que a categoria não contaria com seu apoio "se porventura" estivesse havendo bloqueio de estradas.

Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
Nelson Antoine/AP Photo

O ex-presidente Lula criticou a alta no preço dos combustíveis. "'A que ponto nós chegamos? O preço da gasolina, uma greve desse porte, e cadê o governo? O governo não faz nada", afirmou Lula, segundo os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e José Guimarães (PT-CE), que visitaram Lula na sede da PF (Polícia Federal) em Curitiba nesta quinta (24).

O ex-presidente cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva desde o dia 7 de abril.

Manuela D'Ávila (PCdoB)
Lucas Lima/UOL

Por meio das redes sociais, a deputada estadual (RS) Manuela D'Ávila disse que falta legitimidade ao governo de Michel Temer (MDB) e isso o impede de ter autoridade diante dos grevistas. "Não tem os pressupostos para negociar, achar rumos e encontrar saídas."

Manuela criticou o governo federal por ter acionado as Forças Armadas para desobstruir as estradas. "Sem autoridade pra negociar saídas, sem legitimidade nenhuma, Temer coloca o Brasil inteiro sob GLO [Garantia de Lei e da Ordem]. Essa é a solução improvisada de Temer para a crise", afirmou.

Marina Silva (Rede)
Carine Wallauer/UOL

Em sabatina promovida por UOL, Folha e SBT na quinta (24), Marina Silva disse que a mensagem passada durante a greve dos caminhoneiros é de que a Petrobras sofre pressão política e não segue todas as regras de mercado.

"Você segue a lógica de mercado, porque fazendo no olho do furacão com a pressão política, a mensagem que passou externamente é que a Petrobras não está se comportando de acordo com as regras do mercado", declarou. "E aí vai uma desvalorização das ações da Petrobras na ordem de 11%."

*Com Estadão Conteúdo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos