Reforma trabalhista

Ciro critica reforma trabalhista e é vaiado em evento de industriais

Felipe Amorim e Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

Ao afirmar que, se eleito, pretende colocar em discussão mudanças na reforma trabalhista do governo Temer, o pré-candidato ao Planalto Ciro Gomes (PDT) foi alvo de vaias por parte da plateia em auditório de evento organizado pelo CNI (Confederação Nacional da Indústria) em Brasília. Ciro também foi aplaudido em outros momentos do evento.

"Meu compromisso com as centrais sindicais é trazer essa bola de volta ao meio de campo", disse Ciro, sendo vaiado em seguida.

"Pois é, vai ser assim mesmo, se quiserem um presidente fraco escolham um desses com conversa fiada aqui pra vocês", rebateu o pré-candidato.

Ciro Gomes participou nesta quarta-feira (4) do evento "Diálogos da Indústria com os candidatos à Presidência da República", organizado pela CNI.

Também participaram os pré-candidatos Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Jair Bolsonaro (PSL), Henrique Meirelles (MDB), e Alvaro Dias (Podemos).

Os candidatos puderam expor suas ideias e em seguida foram submetidos a três perguntas, feitas por integrantes da CNI.

Ciro citou a reforma trabalhista ao ser perguntado sobre se pretendia "revogar" a reforma aprovada pelo governo do presidente Michel Temer (MDB). Ciro afirmou que, como presidente, não teria o poder de, sozinho, revogar nenhuma das reformas propostas por Temer, mas afirmou que pretende rediscutir pontos da reforma trabalhista, que ele classificou como "selvageria". Como exemplo, ele citou a possibilidade de trabalho de gestantes em locais insalubres e a regulamentação do chamado trabalho intermitente.

Após a palestra, em entrevista a jornalistas, Ciro minimizou as vaias. "Fui vaiado por uma pequena fração [da plateia]. Mas não estou nem um pingo preocupado com fato de receber agressão por defender trabalhador. Meu lado é da classe trabalhadora. Só acho que a melhor forma de prestigiar a classe trabalhadora é prestigiar quem produz junto com eles", disse.

Marina e Dias defendem rever reforma trabalhista

Em palestra mais cedo, a pré-candidata da Rede, Marina Silva, disse aos empresários que não acha que a reforma trabalhisa tenha que ser revogada, mas sim "revisitada", para corrigir "injustiças que foram cometidas".

Ela defendeu ainda um modelo "economicamente próspero, socialmente justo e politicamente democrático".

Citando um provérbio chinês, Marina disse ainda que 'sábios são aqueles que aprendem com os erros dos outros, e estúpidos são aqueles que não aprendem nem com os próprios erros". "Não temos o direito de ser estúpidos", declarou.

Alvaro Dias afirmou, em entrevista a jornalistas após o evento, que se eleito pretende "melhorar" pontos da reforma trabalhista, como a questão do trabalho insalubre de gestantes. "Certamente teremos que melhorar essa proposta de reforma trabalhista", disse.

Dias, no entanto, elogiou a reforma e disse que as mudanças já reduziram o número de ações na Justiça do Trabalho.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos