PT oficializa Haddad como vice de Lula e fecha aliança com PCdoB

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução -4.ago.2018/Facebook

    Fernando Haddad posa para foto Lula durante convenção nacional do PT

    Fernando Haddad posa para foto Lula durante convenção nacional do PT

O PT oficializou, na noite deste domingo, 5, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como candidato a vice-presidente na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República. Segundo a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do partido, a nomeação de Fernando Haddad como vice foi feita para garantir o registro da candidatura, respeitando o prazo definido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). 

A composição da chapa, no entanto, ainda pode mudar, porque o partido fechou uma aliança com o PCdoB, convidando a deputada gaúcha Manuela D'Ávila para ser a vice "reserva" em caso de a Justiça Eleitoral decidir pela inegibilidade de Lula na disputa. A parlamentar ainda não respondeu oficialmente se aceita o convite.

"Decidimos, o PT e o PCdoB, consultando o Pros, colocar nesse momento Fernando Haddad como vice-presidente para fazer a representação do presidente Lula durante esse processo tão logo se estabilize a situação dele", afirmou Gleisi.

A presidente do PCdoB, Luciana Barbosa de Oliveira Santos, confirmou a aliança.

"Nós estamos fazendo o desenho da frente que foi possível construir, entendendo a necessidade de um pacto das candidaturas de nosso campo. Nossa candidata viajou o país pregando a unidade, e vamos fazer aquilo que nós estávamos dispostos a fazer", disse a presidente da sigla.

Leia também:

Inicialmente, o PT queria manter a vaga de vice em aberto até o registro da candidatura, em 15 de agosto. Técnicos do TSE, no entanto, informaram que a coligação e a chapa precisariam ser definidas até este domingo. A comunicação ao tribunal foi feita cinco minutos antes da meia-noite.

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), classificou a situação como mais uma tentativa de barrar a candidatura de Lula, preso e condenado na Lava Jato. "É uma ação que foi feita exatamente para se colocar mais um obstáculo na candidatura do presidente Lula, uma intervenção da Justiça Eleitoral", disse a dirigente. Ela reiterou que o partido manterá a candidatura de Lula "até as últimas consequências" e registrará seu nome como candidato no dia 15 de agosto.

A possibilidade de nomear Manuela como vice foi indicada por Lula em carta publicada hoje, na qual indicou Haddad como vice. Na mensagem, Lula disse que Haddad seria o melhor nome para defender suas ideias. O ex-governador da Bahia Jaques Wagner, sondado anteriormente, fez chegar ao PT que não gostaria de ser indicado como vice.

Segundo a presidente do PT, Haddad e Manuela vão sair pelo Brasil em campanha já nesta semana. A coligação também reúne o PROS e o PCO.

Com a decisão tomada e a negociação com o PCdoB amarrada, os dirigentes petistas tentaram fazer chegar a Lula o resultado do acordo, mas, devido ao horário em que o ex-presidente está autorizado a receber recados na Polícia Federal em Curitiba, não deu tempo. A notícia da aliança com o PCdoB deve chegar ao ex-presidente na manhã desta segunda-feira (6).

Em seu discurso, Haddad disse que será "um prazer" andar pelo país defendendo as ideias do ex-presidente. Ele ressaltou que os programas de governo do PT e do PCdoB "só têm coisas em comum" e serão compatibilizados. O ex-prefeito e ex-ministro de Lula classificou a coligação, que também integra PROS e PCO, como uma "grande aliança para resgatar o País".

Entenda a polêmica sobre a candidatura de Lula

Candidatura de Lula foi confirmada no sábado

A candidatura de Lula à Presidência foi confirmada em convenção do PT realizada neste sábado (4), mesmo o ex-presidente estando preso em Curitiba, no Paraná.

A deliberação sobre o nome do candidato à vice-presidência ocorre em meio a dúvidas jurídicas sobre o prazo para definição da chapa. O partido havia decidido ainda no sábado não indicar de imediato um vice para Lula, mas houve um entendimento de que a espera para a oficialização poderia gerar riscos de impugnação da candidatura.

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, chegou a oferecer a vaga a Ciro Gomes, candidato presidencial do PDT, que negou a opção e qualificou a oferta como uma "aberração". Na sexta-feira, o nome de Manuela D'Ávila também chegou a ser apontado para o cargo, segundo disse uma fonte à Reuters.

Ações já pedem impugnação de candidatura

A equipe jurídica que assessora o PT na área eleitoral identificou, até a noite deste domingo, duas ações que pedem a impugnação do registro da candidatura de Lula ao Planalto no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Os advogados de Lula devem se manifestar alegando que a Justiça Eleitoral não pode decidir sobre a candidatura antes do registro da chapa, programado para o dia 15 de agosto. O advogado Luiz Fernando Casagrande Pereira esteve reunido, neste domingo, com a direção do PT para definir os detalhes da indicação do candidato a vice e do processo de registro da candidatura. (Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos