Bolsonaro e Alckmin no 2º turno seria um pesadelo, diz Haddad

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

Em um cenário hipotético de segundo turno entre Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSL) na disputa presidencial, o candidato a vice na chapa do PT, o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad, não descartou a possibilidade de uma aliança entre petistas e tucanos.

"O PT não tem esse preconceito", disse, nesta quinta-feira (9), em entrevista promovida pelo banco BTG Pactual, em São Paulo. Haddad, porém, considera que esse quadro seria um "pesadelo". A instituição tem recebido candidatos ao Planalto. Haddad se pronunciou na condição de representante do PT, já que o principal nome da chapa petista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), está preso em Curitiba.

Para sustentar sua fala, Haddad lembrou eleições do final do século passado. "O PT e o PSDB, aqui em São Paulo mesmo, tiveram episódios muito interessantes", comentou.

Em 1998, lembrou, a então petista Marta Suplicy ficou de fora do segundo turno na disputa do governo estadual. O PT decidiu, então, apoiar Mário Covas (PSDB) na disputa contra Paulo Maluf (PPB, atual PP). O tucano saiu vencedor. "E não integramos o governo Covas."

Dois anos depois, houve a "recíproca", recordou Haddad. "A Marta foi para o segundo turno e, como era o mesmo adversário, o Covas retribuiu, e a Marta foi eleita em 2000 com apoio do PSDB."

Haddad, porém, reforçou que esse seria um cenário improvável e que seria muito difícil essa análise na conjuntura atual. Para o petista, Alckmin só cresceria na disputa presidencial conquistando votos de Bolsonaro.

Ministro da Educação durante seis anos durante mandatos de Lula, Haddad ressaltou que nunca teve um voto contrário do PSDB. Ele também defendeu Alckmin, cuja gestão foi alvo de questionamentos em relação ao Rodoanel.

"Na campanha eleitoral, se me perguntarem sobre o Alckmin, vou dizer a verdade. Em quatro anos, nunca vi um empresário sugerir uma conduta inadequada do Alckmin." Haddad e Alckmin conviveram durante a gestão do petista à frente da Prefeitura de São Paulo.

Lula candidato?

Durante toda a entrevista, concedida ao jornalista Reinaldo Azevedo, Haddad ressaltou que o PT não vai abdicar de Lula. Ele entende que é difícil a situação de Lula, hoje inelegível com base na lei da Ficha Limpa. "Mas não vamos facilitar a vida de nossos adversários jogando a toalha."

Sobre outra hipótese, de ele substituir Lula na cabeça de chapa, o atual candidato a vice indicou que não governaria sob a influência do ex-presidente, mas que não se pode criticar pessoas por ouvir o petista. E lembrou críticas que a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) sofreu.

"Se ouvi uma coisa reiteradamente ao longo dos mandatos da Dilma é que ela não conversava com o Lula. Não ouvia o Lula. Os empresários iam procurar o Lula, pedindo para o Lula falar com a Dilma sobre determinados aspectos porque queriam que o Lula desse uma orientação nessa ou naquela direção", comentou.

Após a aliança do PT com o PCdoB, cresceu a possibilidade de que Haddad assuma a cabeça de chapa petista se o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidir em desfavor de Lula no caso de seu registro da candidatura. No mesmo movimento, a ex-presidenciável Manuela D'Ávila (PCdoB) assumirá a posição de vice.

Cresce número de eleitores que não acreditam em Lula candidato

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos