PT pede ao TSE que TVs noticiem agendas da coligação de Lula em telejornais

Ana Carla Bermúdez*

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/Facebook

O PT apresentou na noite desta quinta-feira (23) uma petição ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para exigir que Rede Globo, TV Bandeirantes, SBT, Record TV e RedeTV! passem a incluir em seus telejornais notícias sobre a agenda de campanha da coligação O Povo Feliz de Novo, formada pelo partido junto ao PCdoB e ao Pros. A chapa da coligação à Presidência da República é encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Lula está preso em Curitiba há quase cinco meses. Condenado em segunda instância, ele está, em tese, inelegível pela Lei da Ficha Limpa. O candidato a vice e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), é o principal substituto para o posto no caso de a candidatura de Lula ser barrada pela Justiça Eleitoral.

Nesta semana, Haddad iniciou um giro por estados do Nordeste, principal reduto eleitoral do ex-presidente. O objetivo da viagem é tornar o ex-prefeito conhecido na região. Em suas transmissões, as emissoras de TV não têm noticiado a agenda do candidato a vice.

No documento enviado ao TSE, o PT afirma que é "translúcida" a obrigação de as emissoras de televisão cobrirem a agenda da coligação, que lança a candidatura de Lula.

O partido alega que a legislação eleitoral proíbe emissoras de rádio e de televisão a dar "tratamento privilegiado" a candidato, partido ou coligação em sua programação normal e em seu noticiário.

Considerando que cada dia que a campanha presidencial dos Representantes [PT] é inviabilizada pelas Representadas [emissoras], perde-se milhões de interações com o eleitorado brasileiro, o que poderá impactar diretamente a lisura da disputa eleitoral, sendo necessária a imediata correção da distorção até então promovida
PT, em petição ao TSE

Segundo o PT, por Lula ser o candidato líder nas pesquisas de intenção de voto, a cobertura de sua campanha é "necessária à promoção da própria cidadania do povo brasileiro".

"Sendo assim, não cabe aos meios de comunicação, motivados por razões político-partidárias, omitir-se de acompanhar a campanha do candidato Lula, ainda que a posição editorial de cada um deles seja contrária a tal candidatura", diz a petição.

O partido também alega que não é possível justificar a falta de cobertura dos atos da campanha pela inviabilidade da candidatura, "dado se tratar de o candidato líder de todas as pesquisas de intenção de votos até aqui realizadas", e porque, segundo o PT, não há nenhuma decisão judicial que retire de Lula a condição de candidato.

A Rede Globo iniciou nesta segunda-feira (20) uma cobertura diária das agendas dos candidatos que aparecem à frente nas pesquisas e não incluiu Lula. "No caso do candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, obviamente não vai haver cobertura de atividades de campanha, uma vez que ele que está preso", afirmou jornalista William Bonner ao anunciar a exibição das reportagens no "Jornal Nacional".

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira (22) –a primeira realizada após os registros das 13 candidaturas ao Planalto-- aponta que Lula tem 39% das intenções de voto.

Sem ele, quem lidera é o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), com 22%. Nesse cenário, com Haddad no lugar de Lula, o ex-prefeito aparece com 4%.

Ainda segundo a pesquisa, 27% dos eleitores não conhecem Haddad, contra 59% que já ouviram falar dele. Por outro lado, apenas 17% dos eleitores dizem que, caso não seja candidato, Lula deveria apoiar o ex-prefeito.

O UOL procurou por e-mail as cinco emissoras acionadas na Justiça pelo PT e aguarda retorno.

PT fora de sabatinas e debates

A coligação encabeçada pelo PT também tem ficado de fora de debates e sabatinas organizadas pelas emissoras de TV. A defesa de Lula chegou a pedir na Justiça que ele fosse possibilitado de participar dos encontros entre presidenciáveis promovidos por Band e RedeTV!, mas os pedidos foram negados.

A RedeTV! cogitou deixar um púlpito vazio no debate de sexta-feira passada (17), mas o retirou do palco antes mesmo de o programa ir ao ar por decisão de sete dos oito candidatos presentes - na ocasião, apenas Guilherme Boulos (PSOL) foi contra.

Mais cedo nesta quinta, a TV Record exibiu brevemente uma cadeira vazia no horário programado para exibir uma entrevista com Lula no programa "O Voto na Record". No ar, o apresentador Eduardo Ribeiro disse que Lula estava preso e, "de acordo com as regras que foram assinadas pelas assessorias de todos os candidatos, apenas o titular de cada chapa pode estar presente nesta sabatina".

*Colaborou Bernardo Barbosa, de São Paulo

Receba notícias do UOL. É grátis!

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos