Postura de Doria cria desconforto no PSDB, e ala tucana se reúne com França

Guilherme Mazieiro, Janaina Garcia e Luís Adorno

do UOL, em São Paulo

  • Hélvio Romero/Agência Estado

A derrota no pleito presidencial de Geraldo Alckmin e os conflitos internos no PSDB envolvendo João Doria, candidato do partido ao governo de São Paulo, geraram desconforto na sigla e podem resultar em uma debandada de tucanos para o PSB, caso Márcio França, ex-vice de Alckmin e oponente de Doria no segundo turno, vença o ex-prefeito de São Paulo em 28 de outubro. Uma frente do partido estuda lançar um manifesto contra o correligionário nos próximos dias.

Integrantes da cúpula de campanha de França se reuniram nesta quarta-feira (10) com membros do PSDB paulista para estabelecer uma estratégia conjunta. A cisão no estado conta com uma frente de pelo menos 30 membros do partido, entre prefeitos, deputados e vereadores descontentes com Doria, que veem o empresário cada vez mais isolado.

Nesta quarta-feira (10), Doria estava sozinho em uma visita ao Hospital Municipal Nova Cachoeirinha, único evento aberto ao público no dia. Ele foi acompanhado apenas por assessores da campanha. Não havia nenhum político ou quadro de peso junto ao tucano durante o ato. No primeiro turno, era comum ver o ex-prefeito ladeado por companheiros de sigla.

Uma liderança estadual tucana falou com o UOL sob anonimato e afirmou que, nos próximos dias, será divulgado um manifesto público de políticos do PSDB em apoio a França.

Segundo essa liderança, os episódios dos últimos dias envolvendo Doria – o anúncio de um voto "de solidariedade" em Alckmin, o apoio declarado a Bolsonaro e o bate-boca com Alckmin na executiva nacional – foram a gota d'água de uma série de confrontos que se arrasta desde as prévias que alçaram Doria a candidato e a posterior vitória à prefeitura de São Paulo, em 2016.

Na segunda-feira (8), a Executiva Municipal do PSDB da capital paulista expulsou sumariamente o ex-governador Alberto Goldman e o secretário Saulo de Castro. A expulsão é uma ofensiva de Doria para comandar a sigla, após a derrota de Alckmin, atual presidente nacional. No mesmo dia, a Executiva Nacional publicou uma nota, alegando que a decisão paulistana foi "árbitrária e inócua". 

Leia também:

Na ala que costura o movimento contra o ex-prefeito de São Paulo há nomes de expressão nacional como ex-governadores, prefeitos e deputados. Já no grupo que apoia Doria há uma tentativa de colocar panos quentes na situação que veio à tona nesta semana e priorizar a eleição ao governo.

Entre os grupos que compõem o partido, o deputado estadual Carlos Bezerra diz entender que o partido, no momento, precisa se autoavaliar e renovar e não por um "marketing vazio", mas de ideias e renovação.

"As urnas responderam aquilo que o partido se recusava a ver e que eu mesmo apontei publicamente como gravíssimos erros à época, tanto no episódio Aécio como na entrada no governo Temer. Ninguém vence uma guerra cercado por deslealdade ou pela busca desenfreada de poder. Não há que se esperar a colheita de acertos plantando erros", disse.

Outras duas lideranças estaduais, que deixaram o partido após embates com Doria, acreditam que o PSDB deve perder quadros nesse contexto, mas ainda não há negociações adiantadas sobre desligamentos.

Já o ex-comandante da PM (Polícia Militar) e atual deputado estadual Coronel Camilo (PSD), que, apesar de não ter sido reeleito, integra um grupo de trabalho que propõe políticas de segurança pública para Doria, afirmou não ter a impressão de isolamento do candidato tucano.

"Pelo contrário, o que tenho visto é João Jorge [presidente do PSDB na cidade de São Paulo], Pedro Tobias [presidente da sigla no estado] e Cauê Macris [presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo] o apoiando", afirmou. Na manhã de terça-feira (9), Camilo esteve junto de Doria, durante uma gravação sobre segurança pública em frente a uma base da PM. Na ocasião, Doria mencionou que, se for eleito, o próximo secretário da Segurança será um policial.

Histórico de desentendimentos

As declarações polêmicas de Doria e Alckmin, vazadas em áudio de reunião da cúpula do partido e a expulsão de Goldman e Saulo de Castro aconteceram após o partido ter tido um desempenho abaixo do esperado nas eleições. Na disputa presidencial, o ex-governador de São Paulo teve o pior desempenho tucano na história. No plano estadual, a sigla voltará a enfrentar um segundo turno após 16 anos.

A sequência de episódios que trouxeram o PSDB até a "lavação de roupa suja pela imprensa", como disse uma fonte ouvida pela reportagem, teve início com as prévias do partido, em 2016 que homologaram a candidatura de Doria à prefeitura de São Paulo. Naquele episódio houve inclusive confronto físico entre os filiados. Uma das votações acabou quando a Polícia Militar chegou.

"Desde então essa turma não engoliu isso e joga contra o partido...São movidos por ódio e é totalmente pessoal contra Doria. Não é nada pensando no partido. É uma insanidade completa querer fazer isso agora e por em risco a eleição do governo de São Paulo. Hoje nossa prioridade deve ser o estado de São Paulo", disse ao UOL uma liderança nacional ligada à ala de Doria, sob anonimato.

Em outubro do ano passado, o empresário e o ex-governador Alberto Goldman se criticaram em vídeos pelas redes  sociais com direito a acusações de "prepotente", "velho" e "fracassado". Seis meses depois, outro confronto verbal de Doria, agora com José Aníbal, durante as prévias para a candidatura ao governo de Sâo Paulo.

Mas o clima piorou de vez a partir de 7 de outubro, quando Doria disse ter votado em "solidariedade" a Alckmin e a posterior declaração de apoio a Bolsonaro logo após ser confirmado o segundo turno. No dia seguinte, a decisão do diretório municipal para expulsar Goldman e Saulo, e o bate-boca na terça-feira com Alckmin na executiva nacional com direito a insinuações de traição do ex-prefeito ao ex-governador – só aumentaram o desgaste de Doria.

Enquanto isso, PSB conquista apoios

A aproximação que pode levar quadros do PSDB para o PSB é mais uma das alianças que os socialistas almejam neste segundo turno. Três dias após o resultado do primeiro turno, o partido já agregou à campanha de França o apoio de Paulo Skaf (MDB), terceiro colocado na disputa, Major Olimpio (PSL), braço direito de Bolsonaro, e espera apoio informal dos eleitores do PT, que podem ver na agremiação uma resposta às seguidas acusações de Doria contra o partido.

O PSB era aliado de peso do PSDB em São Paulo, com França na posição de vice-governador de Alckmin, e ajudou a selar apoios para eleição de Doria à prefeitura, em 2016.

O MDB declarou apoio a França em um ato simbólico, em uma unidade do Sesi, em Suzano. A rede de escola era vitrine do programa de Skaf e marca um compromisso com a educação pelo lado de França. Durante o evento, Skaf ironizou Doria e disse que "se alguém tem dúvida do caráter de Doria, é só perguntar a Alckmin".

Eleito senador no último domingo, Major Olimpio disse que o PSL não apoiará formalmente Doria ou França. Mas como posição pessoal acredita ser mais provável que haja diálogo com o socialista.

"O voto do major Olímpio e a quem eu puder me manifestar será no Márcio França e não no João Doria, não no PSDB", disse ele em entrevista à rádio Cruzeiro FM.

Coordenadores da campanha de França e lideranças estaduais do PT ouvidas pelo UOL disseram que o PT não terá uma vinculação direta com a campanha de França, mas acreditam ser natural que os eleitores do candidato Luiz Marinho migrem para o lado do governador.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos