'Todo mundo sabe que eleição para presidente está decidida', diz França

Flavio Costa

Do UOL, em Aparecida (SP)

  • Roosevelt Cássio/UOL

O candidato à reeleição ao governo paulista, Márcio França (PSB), afirmou na manhã desta sexta-feira (12) que a eleição para presidente da República está definida em favor de Jair Bolsonaro (PSL).

"Eu vou centrar a campanha em São Paulo, que é a eleição mais importante. A gente sabe que São Paulo tem que dar orientação ao Brasil, que é de juntar o país. Nós precisamos criar estabilidade. A eleição brasileira já está decidida, todo mundo sabe disso", disse França ao UOL ao responder sobre a estratégia para conquistar eleitores de Bolsonaro no estado (quase 12,4 milhões de votos no primeiro turno).

"O povo já fez seu julgamento. Ele já decidiu pela mudança. O povo votou de alguma forma contra o PSDB e contra o PT. E em São Paulo muito mais forte", acrescentou.

Leia mais:

O seu partido, PSB, decidiu apoiar nacionalmente Haddad, porém o liberou para optar pela "neutralidade". O adversário, João Doria (PSDB), já manifestou que apoia Bolsonaro.

França conversou com jornalistas na cidade de Aparecida, onde a acompanha a missa solene da festa de Nossa Senhora. O governador chegou de helicóptero ao santuário. Mais de 200 mil pessoas são esperadas para passar pelo local nesta sexta, durante a festividade religiosa.

Ao comentar sobre a estratégia de seu adversário, João Doria, que insiste em associá-lo ao PT, França afirmou que "as pessoas têm sensibilidade para diferenciar o que é falso e o que é verdadeiro".

França disse ainda que acredita que receberá apoio de setores descontentes do PSDB. "Acho que muita gente não fica com João Doria. É porque o perfil de João Doria não combina com Mário Covas [ex-governador paulista morto em 2001]. Ele não junta as pessoas."

"Existem ainda 20% dos eleitores que não me conhecem. Mais uma semana e a eleição em São Paulo estará definida em meu favor", afirmou.

Alguns populares perguntaram aos jornalistas que autoridade estava presente e ao ouvirem a palavra "governador", responderam "Alckmin?", em referência ao antecessor de França no cargo, que deixou o cargo para disputar a eleição presidencial.

Unidade

Durante sua homilia,o padre João Batista de Almeida disse que o momento do país exige união nacional.

Roosevelt Cássio/UOL
Governador e candidato, França (PSB) vai à missa no santuário de Aparecida

"As famílias se separam, os partidos políticos se separam, mas Nossa Senhora traz a mensagem da unidade", disse o religioso, que exerce o cargo de reitor do santuário de Nossa Senhora de Aparecida.

"Os candidatos precisam desarmar os ânimos, pois a violência da campanha chegou a um nível de quase não-retorno", disse o padre em posterior entrevista ao UOL.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos