Topo

Moro cita de Batman a Poderoso Chefão e juristas em sentenças e palestras

Leonardo Benassatto/Futura Press/Estadão Conteúdo
23.mai.2016 - O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, participa de seminário em São Paulo Imagem: Leonardo Benassatto/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

22/12/2017 04h00

Doutor em Direito do Estado, com passagem pela Harvard Law School, o juiz federal Sergio Moro costuma fazer citações, em sentenças ou palestras, a pensadores e juristas dos Estados Unidos. As menções do magistrado, no entanto, não se restringem às referências acadêmicas e adentram a cultura norte-americana.

Moro arrancou olhares de surpresa e até alguns risos da plateia ao citar uma frase do Homem-Aranha para dizer o que achava da própria responsabilidade quanto ao combate à corrupção durante palestra em 2015. "Quanto maior o poder, maior a responsabilidade", afirmou.

Responsável pelos casos da Lava Jato relativos à Petrobras, o magistrado também costuma explicar o esquema de propinas na estatal por meio de um clássico norte-americano. O filme "O Poderoso Chefão", de 1972, que trata da máfia italiana, já foi citado em algumas palestras do magistrado.

Moro revela a maioria de suas inspirações ou dá exemplos da Lava Jato durante seminários pelo Brasil e até no exterior. Segundo levantamento até abril deste ano, ele percorreu 13 cidades de nove Estados brasileiros e outras seis no exterior para realizar 46 palestras desde que a operação foi deflagrada, em março de 2014. Em média, Moro realizou mais de uma palestra por mês desde a eclosão da Lava Jato. 

5 inspirações do juiz federal

  • Reprodução

    Batman e Homem-Aranha

    "Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades", é a tradução, em português, da frase utilizada por Moro em referência ao Homem-Aranha. A lição foi dada a Peter Parker por seu tio Ben, quando o protagonista descobriu que a vida de super-herói não é moleza. O juiz também recorreu a uma citação do filme "Batman, O Cavaleiro das Trevas" para dizer que a crise do Brasil é um momento passageiro. "A noite é sempre mais escura antes do amanhecer", disse. Leia mais

  • Arquivo/ AP

    Theodore Roosvelt

    O juiz citou um discurso do ex-presidente dos EUA Theodore Roosevelt (1901-1909), de 1903, ao condenar o ex-senador Gim Argello (PTB-DF) a 19 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e obstrução à investigação de organização criminosa. Moro destacou, segundo a fala do líder americano, que "não existe crime mais sério do que a corrupção". Leia mais

  • Divulgação

    O Poderoso Chefão

    Durante palestra em São Paulo, o juiz invocou uma passagem do filme "O Poderoso Chefão" para explicar o esquema de propinas na Petrobras. Ele lembra de uma cena na qual o líder mafioso atende a um pedido de um agente funerário e pede em troca ajuda em caso de necessidade futura. "Em casos envolvendo corrupção sistêmica pode ser muito difícil identificar, porque talvez não exista, uma contrapartida específica que o agente público oferece ou realiza em troca de uma vantagem financeira", disse. Leia mais

  • Wikimedia commons

    Rui Barbosa

    O juiz publicou um artigo em abril deste ano para reagir à discussão no Congresso sobre o projeto de abuso de autoridade. No texto, ele lembrou que a atuação de Rui Barbosa (1849-1923) como jurista foi, principalmente, na defesa da independência dos magistrados. "[Rui Barbosa] argumentou que submeter o julgador à sanção criminal por conta de suas interpretações representaria a sua submissão 'aos interesses dos poderosos' e substituiria 'a consciência pessoal do magistrado'", escreveu em texto no jornal O Globo.

  • Jorge Araújo/Folhapress

    Operação Mãos Limpas

    Em 2004, Moro escreveu o artigo "Considerações sobre a Operação Mãos Limpas", a megainvestigação nos anos 1990 que desvendou um esquema de corrupção na Itália. Em 2014, o juiz se viu diante de um caso semelhante para julgar, a Lava Jato. Na sentença que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no chamado processo do tríplex, Moro usou uma frase do juiz italiano Piercamillo Davigo (foto) em defesa das delações. "A corrupção envolve quem paga e quem recebe. Se eles se calarem, não vamos descobrir jamais." Leia mais