Após ato na Paulista, integrantes do MST vão à Assembleia de SP para receber homenagem

Do UOL Notícias
Em São Paulo

Protestos dos sem-terra reacendem as discussões sobre reforma agrária?

As passeatas são viáveis na cidade de São Paulo?


Após realizarem marcha do estádio do Pacaembu até a avenida Paulista, onde fizeram um ato em frente ao Tribunal Regional Federal (TRF), integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) se dirigem à Assembleia Legislativa do Estado para receber uma homenagem dos deputados pelos 25 anos do movimento. De acordo com a assessoria do MST, cerca de 300 militantes serão recebidos na Casa.

O ato de hoje contou com a participação de aproximadamente 1.000 manifestantes e foi realizado em protesto contra o Poder Judiciário, que, segundo eles, prejudica a criação de assentamentos em São Paulo por conta de processos contra a desapropriação de latifúndios pelo Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária).

"Há uma série de latifúndios improdutivos desapropriados pelo Incra que não podem se transformar em assentamentos por causa de ações na Justiça que atrasam a Reforma Agrária em São Paulo", afirma a integrante da coordenação nacional do MST, Soraia Soriano.

Por volta das 14h30, os sem-terra partiram do estádio do Pacaembu, onde estão alojados durante essa semana, e chegaram à Paulista por meio da rua da Consolação, uma das mais movimentadas do centro da capital. A marcha integrou a jornada nacional de lutas pela reforma agrária, na qual estão previstos atos, ocupações e passeatas em vários Estados do país até sexta-feira (14).

O grupo também protestou para cobrar do governo federal a realização da reforma agrária e melhores condições para os assentamentos. Na sexta-feira (14), os sem-terra participarão de um ato também na avenida Paulista ao lado de entidades sindicais e de outros movimentos sociais.

Outros Estados
Integrantes do MST e da Via Campesina protestam em outras 12 cidades - São Paulo, Brasília, Belém, Curitiba, Porto Alegre, Cuiabá, Salvador, Florianópolis, Maceió, Fortaleza, Campo Grande e Petrolina (PE).

Ontem (11), em Brasília, os sem-terra ocuparam o prédio do Ministério da Fazenda ao longo do dia. Nesta manhã, representantes dos ministérios do Desenvolvimento Agrário, Agricultura, Casa Civil, Planejamento e do Palácio do Planalto se reuniram com os militantes para ouvir as reivindicações dos movimentos.

Reivindicações
As principais exigências são o assentamento imediato de 90 mil famílias acampadas há mais de quatro anos pelo país e a atualização dos índices de produtividade da terra, que servem de parâmetro para classificar as propriedades rurais improdutivas. Segundo o movimento, a lei agrária de 1993 determina que esses números sejam atualizados a cada cinco anos, mas a tabela não é alterada desde 1975.

Os acampados também cobram do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, os compromissos assumidos em 2005, quando ele recebeu integrantes do movimento que haviam marchado de Goiânia até a capital federal, segundo o MST.

O movimento reivindica ainda a liberação de R$ 800 milhões retidos do orçamento destinado ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para aplicá-los na desapropriação e obtenção de terras destinadas à reforma agrária.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos