Lina afirma que Dilma pediu rapidez, e não engavetamento de investigação

Claudia Andrade
DO UOL Notícias
Em Brasília

Quem está mentindo?
Lina ou Dilma?

A ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira reafirmou à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, nesta terça-feira (18), que teve um encontro particular com a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) e que a ministra pediu para que a fiscalização feita em empresas da família Sarney fosse acelerada. Negou, contudo, que tenha interpretado o pedido como uma indicação para engavetar as apurações.

"O encontro houve e reitero a entrevista que concedi ao jornal Folha de S.Paulo publicada no dia 9 de agosto deste ano", afirmou aos senadores. Clique aqui para ler a entrevista completa (exclusivo para assinantes). "O pedido da ministra foi: agilizar a fiscalização do filho de Sarney". Dilma nega o encontro com Lina.

Questionada se a solicitação teria sido interpretado pela ex-secretária como uma forma de "deixar pra lá" a fiscalização, Lina negou. "Não foi isso. De forma nenhuma foi isso", disse. "Eu entendi, das palavras da ministra, que resolvesse logo as pendências, que desse celeridade ao processo".

Lina Vieira disse que não se sentiu pressionada pela ministra Dilma e acrescentou que o Poder Judiciário fez o mesmo pedido para que o processo de investigação fosse acelerado. A partir disso, a Receita Federal teria reforçado o trabalho de investigação, de acordo com a ex-secretária.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), considerou a questão "encerrada" depois de Lina ter afirmado que "não se sentiu pressionada" pela ministra Dilma. "O entendimento da doutora Lina foi de que não houve nenhum posicionamento de mérito; em nenhum momento a senhora entendeu que era para abandonar o processo. Acho que o que houve foi um grande mal-entendido", disse Jucá.

No entanto, Lina Vieira contestou o posicionamento do peemedebista. "Não houve mal-entendido: o encontro ocorreu. Eu não entendi porque a ministra negou. Não tem sentido negar que o encontro aconteceu".

Jucá também minimizou a importância de Lina para uma aceleração nas investigações de Fernando Sarney. "A Receita Federal provavelmente estava levantando dados para a Justiça. Nem a superintendente da Receita nem ninguém teria condições de dar qualquer passo para mudar ou agilizar o andamento das investigações."

Agenda
Questionada sobre a data do encontro, Lina disse que o encontro não constou de sua agenda oficial nem na agenda da ministra. "Mas eu não preciso de agenda para dizer a verdade. Não vim aqui dizer mentira. Ter ou não ter agenda não vai comprovar a veracidade dos fatos".

Nesta segunda-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva havia desafiado Lina Vieira a apresentar a agenda dela para provar que teve um encontro com a ministra Dilma.

A ex-secretária esperou mais de duas horas para iniciar seu depoimento e o fez ressaltando que estava na comissão "como cidadã" e que em sua trajetória de 33 anos "dedicados exclusivamente à administração tributária" foi sempre "de natureza técnica". "Nunca tive filiação partidária".

"Não busquei, não desejei toda essa exposição. Não disputarei cargos eleitorais. Não vim a essa comissão com o propósito de fazer o jogo de A ou de B, de X ou de Y. Não tenho interesse em alimentar polêmicas, nem prejudicar ninguém. Tenho interesse apenas de preservar minha história de vida", acrescentou Lina, em sua exposição.

Lina Vieira descreveu sua visita à ministra da Casa Civil. Disse que foi identificada na entrada e encaminhada à sala onde haveria a reunião. "Foi um encontro rápido. Conversamos poucas amenidades no início e ela me pediu que a investigação do filho de Sarney fosse acelerada".

Segundo Lina, a investigação estava ocorrendo em segredo de Justiça. Por isso, segundo ela, não havia motivo para dar conhecimento da reunião ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, seu então superior hierárquico.

A ex-secretária disse ainda que esse foi o único encontro reservado que teve com a ministra Dilma.

Petrobras
O senador Jucá - relator da CPI da Petrobras que rejeitou requerimento para convocar Lina Vieira a prestar depoimento - questionou a ex-secretária sobre o sucessor dela no cargo, Otacílio Dantas Cartaxo: "Ele tem condições de falar sobre a Petrobras?", perguntou. "Lógico", respondeu Lina Vieira.

Para o peemedebista, portanto, a questão relacionada à manobra tributária utilizada pela estatal que resultou em recolhimento menor de tributos, também está concluída. Cartaxo prestou depoimento à CPI da Petrobras na última semana. Dias depois foi efetivado no cargo. "O doutor Cartaxo já deu a posição da Receita Federal e do governo brasileiro".

Para a oposição, ainda restaram perguntas a serem feitas à Receita Federal, mesmo após o depoimento de Cartaxo. O tucano Álvaro Dias (PR) chegou a questionar se Lina Vieira estaria disposta a falar sobre a manobra tributária na CPI. A ex-secretária disse que "não se furtaria", caso fosse convidada ou convocada. Mas se recusou a falar sobre a questão na CCJ, onde se limitou a prestar esclarecimentos sobre o encontro que teria tido com ministra Dilma.

Atraso
O depoimento de Lina atrasou por conta de uma longa discussão entre senadores da base governista e da oposição. Os governistas criticaram o depoimento da ex-secretária na CCJ. Eles defendem que, de acordo com o assunto a ser discutido, haveria outras comissões mais apropriadas, como a de Assuntos Econômicos.

A oposição contra-atacou: voltou a defender uma acareação entre Lina Vieira e a ministra Dilma Rousseff. O presidente da CCJ, senador Demóstenes Torres (DEM-GO), não colocou em votação requerimentos apresentados pelo líder do governo, Romero Jucá, que defendia que o depoimento de Lina ocorresse em outro fórum do Senado.

O peemedebista protestou contra a atitude de Demóstenes, mas reforçou que não se tratava de uma tentativa de cancelar o depoimento. "Não estamos aqui lutando pra deixar de ouvir a senhora Lina, mas para que o regimento do Senado seja respeitado. Lamento que a oposição tenha forçado tanto a barra".

Jucá não foi o único governista a questionar a aprovação do requerimento para que a ex-secretária fosse ouvida pela CCJ. Também não foi o único a dizer que, apesar disso, ela deveria dar sua versão sobre os fatos nesta terça.

Depois de um debate de quase duas horas, os senadores começaram a demonstrar impaciência e a cobrar o início rápido do depoimento de Lina Vieira. Lembraram até que seria "falta de educação" deixá-la esperando por tanto tempo. A ex-secretária chegou à sala da comissão no Senado por volta das 8h45. A sessão estava marcada para ter início às 9 horas.

Debate acalorado
Antes de Lina começar a falar, o tucano Flexa Ribeiro (PA) falou que a "tropa de choque" do governo tinha se tornado uma "Fard" - "Forças Armadas da Dilma", em uma referência à ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), provável candidata à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "As 'Fard' impedem de uma maneira absoluta o depoimento de Lina Vieira".

A declaração irritou os governistas. O líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), disse que as tais "Fard" teriam surgido pelo temor ao "Gas" - "Grupo de Assalto do Serra", em referência ao governador de São Paulo, o tucano José Serra.

Almeida Lima (PMDB-SE) também se exaltou. Admitiu fazer parte da "tropa de choque" que defende o governo e o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). E disse que a tropa de choque estava "preparada contra os "trombadinhas do poder", aqueles que querem roubar o poder a qualquer custo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos