Deputado acusado de mandar matar para aumentar audiência do próprio programa na TV é cassado no AM

Leandro Prazeres
Especial para o UOL Notícias
Em Manaus

Atualizado às 19h07

O deputado estadual pelo Amazonas Wallace Souza (PP), acusado pela Polícia Civil de mandar matar traficantes de drogas para aumentar a audiência de seu programa de TV, foi cassado pela Assembleia Legislativa do Amazonas nesta quinta-feira (1º). Foram 16 votos a favor, quatro contra e três abstenções. Houve confusão e pancadaria ao final da sessão.

Político é acusado de encomendar crimes


Wallace Souza responde a processo por quebra de decoro parlamentar em razão das suspeitas do envolvimento dele com o crime organizado, tráfico de drogas, coação de testemunhas e pedofilia.

Wallace Souza exercia o terceiro mandato como deputado estadual. Em 2006, ele foi o candidato com o maior número de votos: 48 mil.

No final do ano passado, começaram a surgir as primeiras suspeitas do envolvimento do deputado estadual com o crime organizado. O ex-policial militar Moacir Jorge Pereira da Costa, o "Moa", denunciou a existência de uma quadrilha comandada por Wallace Souza e seu filho, Raphael Souza, que está preso. A quadrilha estaria envolvida na morte de traficantes e as ordens para as execuções, segundo denúncia do Ministério Publico Estadual (MPE) tinham a anuência do parlamentar.

Mídia internacional repercute o caso

Reportagem do jornal espanhol "EL País" detalha as acusações contra deputado brasileiro


Durante as investigações, testemunhas afirmaram à polícia que Wallace não apenas sabia quem iria ser morto, como enviava equipes de seu programa de TV para "cobrir" os assassinatos. Para a polícia, Wallace se beneficiava duplamente das mortes: aumentava a audiência de seu programa de TV e eliminava inimigos na disputa pelo controle do tráfico de drogas em Manaus.

O MPE criou uma força-tarefa para investigar o caso. Em abril deste ano, a Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa do deputado e encontrou munições de uso restrito das Forças Armadas, além de US$ 15 mil e R$ 234 mil em espécie. Um bilhetes com uma lista de armas a serem compradas também foi encontrado no local e com o que a Polícia Civil diz ser um organograma da quadrilha.
  • Antonio Menezes/A Crítica/AP

    O ex-policial Wallace Souza, deputado em Amazonas, é investigado por mortes que ajudaram a aumentar a audiência de seu programa de TV


Wallace Souza responde, na Justiça Estadual, a processos por formação de quadrilha, associação para o tráfico, coação de testemunhas, porte ilegal de armas de uso restrito e porte ilegal de armas de uso permitido. Seu filho, Raphael Souza, responde por porte ilegal de armas e associação para o tráfico.

Wallace é um dos três irmãos "Souza" que têm mandato eleitoral. Seus irmãos, Carlos Souza e Fausto Souza são vice-prefeito de Manaus e vereador, respectivamente.

O deputado estadual já trabalhou como policial civil, jornalista e construiu sua carreira política em cima do sucesso de seu programa de TV, o "Canal Livre", que apresentava ao lado de seus dois irmãos, o vice-prefeito de Manaus, Carlos Souza (PP), e o vereador Fausto Souza (PP).

Pancadaria após cassação

Houve pancadaria no prédio da Assembléia Legislativa do Amazonas depois da cassação. Amigos e parentes do deputado se juntaram em frente à porta do gabinete do deputado para tentar impedir o acesso das outras pessoas ao parlamentar. Assessores parlamentares e correligionários de Wallace agrediram repórteres fotográficos e cinegrafistas.

Policiais militares foram chamados às pressas para o local, mas nenhum dos agressores foi preso. Os militares isolaram a área e impediram o acesso da imprensa a Wallace Souza. Pouco depois da confusão, médicos e enfermeiros foram chamados ao gabinete de Wallace. O ex-deputado tem problemas de saúde e já teve de ser internado por conta de trombose nas pernas.

Aos poucos, o deputado cassado e seus dois irmãos, Carlos Souza (vice-prefeito de Manaus) e Fausto Souza (vereador) deixaram o prédio em um carro fechado. Nenhum deles falou com os jornalistas.

A votação que resultou na cassação de Wallace Souza foi assistida por centenas de pessoas na galeria da Assembleia. Correligionários do ex-parlamentar hostilizavam com vaias e gritos os poucos militantes a favor da cassação. Do lado de fora da Assembleia Legislativa, porém, centenas de estudantes e militantes de movimentos sociais comemoraram com faixas a cassação do parlamentar que já estava em sua terceira legislatura.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos