Termina hoje prazo para empresas melhorarem propostas de venda de caças à FAB

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

As empresas que participam do processo de licitação para a compra de novos aviões de combate da Força Aérea Brasileira (FAB) têm até hoje (2) para apresentar melhorias em suas propostas.
As multinacionais selecionadas preliminarmente pelo governo brasileiro foram a Boeing, dos Estados Unidos, a Dassault, da França, e a Saab, da Suécia.

Ao meio-dia, o secretário de Defesa da Suécia, Håkan Jevrell, o representante da empresa Saab Åke Svensson e o chefe da Divisão de Assuntos Militares do Ministério da Defesa da Suécia, tenente-general Mats Nilsson, concedem entrevista coletiva sobre a proposta final apresentada ao governo brasileiro para a venda de 36 aviões. Será na embaixada do país em Brasília.

Audiência pública
Nesta quinta-feira (1º) representantes da Suécia e da França compareceram a uma audiência pública com os integrantes da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) e da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) para defender suas propostas.

Como parte da decisão de acompanhar de perto o projeto do governo de reaparelhamento das Forças Armadas, a CRE foi palco de uma típica disputa comercial, da qual depende em boa medida a capacidade do país de se defender num novo cenário geopolítico regional. A compra dos caças também é vista como um elemento chave na proteção das plataformas de exploração de petróleo no pré-sal.

Autoridades militares e diplomatas suecos e franceses se esforçaram em descrever as vantagens de técnicas de seus aviões de combate e em reafirmar a intenção de cooperarem tecnicamente com o Brasil, mas procuraram evitar aspectos políticos delicados, como o futuro uso dos caças pelo Brasil.

Também estiveram presentes às reuniões os representantes das empresas fabricantes, o que marcou ainda mais o tom de disputa. O vice-presidente da empresa francesa Dassault, Eric Trapier, por exemplo, chegou a dizer sobre o projeto sueco que "o avião oferecido ao Brasil existe somente no papel".

Ele se referiu ao caça Grippen NG, da empresa sueca Saab, concorrente do francês Rafale, avião que tem até o momento maior simpatia da parte do governo brasileiro.

O Grippen foi objeto de explicações, ainda na parte da manhã, pelo secretário de Estado de Defesa da Suécia, Hákan Jevrel, que ofereceu ao Brasil a "oportunidade de desenvolvimento conjunto de aviões de combate do futuro". Ake Svensson, presidente mundial da Saab, propôs uma "parceria entre iguais" com o Brasil.

À tarde foi a vez de os franceses serem ouvidos pelos senadores. Além de Trapier, falaram o almirante Edouard Guillaud, chefe do estado maior particular do presidente da França, Nicolas Sarkozy, acompanhados do embaixador Antoine Pouillieute.

- Um acordo de transferência de tecnologia se faz com confiança - afirmou o almirante Guillaud, acrescentando que o maior problema técnico a ser enfrentado caso o avião venha a ser fabricado no Brasil seriam as turbinas e equipamentos eletrônicos, já que a indústria brasileira não elabora peças com o nível de sofisticação exigido.

Outro concorrente, mas que ainda não se manifestou é o F18 Super Hornet, da norte-americana Boeing, utilizado pelas Forças Armadas da Austrália e dos Estados Unidos.

A audiência foi presidida pelo senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), presidente da CRE.

*Com informações da Agência Senado e da Agência Brasil

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos