MST afirma que derrubou lavoura de laranja para denunciar grilagem

Daniel Mello
Da Agência Brasil
Em São Paulo

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) afirmou hoje (6), por meio de nota, que derrubou parte da lavoura de laranja da empresa Cutrale, em Borebi (SP), para denunciar a suposta grilagem de terras públicas.

"A produtividade da área não pode esconder que a Cutrale grilou terras públicas, que estão sendo utilizadas de forma ilegal, sendo que, neste caso, a laranja é o símbolo da irregularidade. A derrubada dos pés de laranja pretende questionar a grilagem de terras públicas". A fazenda, localizada a 300 quilômetros da capital paulista, foi tomada por cerca de 350 famílias, no último dia 27.

O MST também acusa a Cutrale de formação de cartel na produção de sucos e de despejos de esgotos sem tratamento em diversos rios da região. "A empresa também já foi autuada inúmeras vezes por causar impactos ao ecossistema, poluindo o meio ambiente ao despejar esgoto sem tratamento em diversos rios. No entanto, nenhuma atitude foi tomada em relação a esta questão", afirma a nota.

Apesar do movimento ter recebido receber um aviso de liminar da Justiça para a desocupação da área, as famílias pretendem permanecer na fazenda até que seja marcada uma reunião com o superintendente do Incra. No encontro, o movimento deverá exigir que as terras griladas sejam destinadas para a Reforma Agrária.

O presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Rolf Hackbar, condenou a invasão da fazenda. Segundo ele, "este tipo de ação não contribui para a resolução dos conflitos fundiários e para o avanço da reforma agrária no país".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos