PMDB espera definição de Lula sobre vice de Dilma para a próxima semana

Piero Locatelli
Do UOL Notícias
Em Brasília

O PMDB aguarda a definição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o candidato a vice-presidente da República em 2010 para a próxima semana. O partido espera ter a vaga assegurada na chapa da ministra Dilma Roussef, da Casa Civil.

Em reunião na noite de terça-feira (6), na casa do deputado Henrique Eduardo Alves, líder do partido na Câmara, a alta cúpula do PMDB decidiu acertar antes a candidatura nacional, para depois fechar os acordos regionais. Mas as lideranças do partido já admitem a possibilidade de haver dois palanques de candidatos apoiados por Lula em alguns estados, como Pará, Rio Grande do Sul e Bahia, onde o PT e o PMDB devem se enfrentar.
  • Sergio Lima/Folha Imagem

    Líderes do PMDB se reúnem na casa do deputado Henrique Eduardo Alves, líder do partido na Câmara



Os principais líderes peemedebistas também não cogitam apoiar outro candidato senão o indicado por Lula. "Orestes Quércia [ex-governador de São Paulo e presidente do PMDB paulista] e Jarbas [Vasconcelos, senador pelo estado de Pernambuco] são exceções, 90% do PMDB quer avançar nesse governo que ele já vem construindo", afirmou o deputado Henrique Eduardo Alves ao UOL Notícias.

"Vamos acelerar o processo de parceria no plano nacional para depois resolver possíveis problemas regionais", acrescentou o parlamentar. Além disso, integrantes do partido sustentam que a decisão sobre a aliança não cabe à direção do PT, e sim ao presidente Lula.

Na reunião, não havia opositores do governo Lula. Estavam presentes os senadores Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR) e José Sarney (AP), além dos deputados Michel Temer (SP), Jader Barbalho (PA), Rocha Loures (PR) e Eduardo Cunha (RJ). Também compareceram ao encontro os ministros Geddel Vieira Lima, da Integração Nacional; Edson Lobão, de Minas e Energia; Reinhold Stephanes, da Agricultura; e José Gomes Temporão, da Saúde.

Dilma defende candidatura única da base aliada
Enquanto a cúpula do PMDB se reunia para acertar a política de alianças no plano nacional, a ministra da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência oferecia um jantar para lideranças do PDT em sua casa. Na ocasião, Dilma defendeu uma candidatura única entre os partidos da base aliada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Achamos que o governo do presidente Lula tem que fazer o sucessor. Nós achamos que o governo tem de ter continuidade. Não são dois candidatos. Vai ser um candidato que vai representar o governo", afirmou Dilma. "Acho importante para o governo do presidente Lula ter continuidade. Seja quem seja esse candidato, nós temos certeza que esse é um projeto que foi muito importante para o Brasil. Que o Brasil de 2010 é muito diferente de 2003. Então, achamos que o Brasil não pode voltar para trás".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos