CCJ do Senado rejeita convite de Dilma para explicar suposto encontro com Lina

Priscilla Mazenotti
Da Agência Brasil
Em Brasília

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado rejeitou hoje requerimento do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), de convite para que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e a ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, dessem explicações sobre o possível encontro para tratar de investigações nos negócios da família Sarney. O requerimento foi rejeitado por nove votos a quatro.

A estratégia governista, maioria na comissão, foi de apresentar e rejeitar o requerimento para que outro requerimento sobre o mesmo assunto - do líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM) - ficasse prejudicado e não fosse apreciado pelos senadores. Virgílio não estava presente na comissão por isso, seu requerimento não chegou a ser votado.

A decisão gerou revolta entre os oposicionistas. O vice-líder do PSDB, Álvaro Dias (PR), chegou a discutir com Romero Jucá e classificou a atitude de "mentira".

O líder do PT no Senado, Aloízio Mercadante (SP), disse que o convite a Lina e Dilma não é necessário. "Não vejo razão para 'requentar' esse assunto. O Senado tem matérias mais relevantes para debater."

Lina Vieira já havia comparecido à CCJ para dar explicações quanto ao possível encontro que, segundo ela, teria ocorrido na Casa Civil. Na reunião, teria ouvido de Dilma Rousseff um pedido para "agilizar" a investigação feita pela Receita Federal nos negócios da família Sarney. O encontro teria sido extraoficial, por isso, não registrado na agenda de trabalho das duas, mas, esta semana, Lina Vieira afirmou à imprensa ter encontrado uma agenda em que registrou a data e a hora da reunião.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos