Diretor de filme sobre Lula nega caráter eleitoreiro e critica oposição do governo

Claudia Andrade
Do UOL Notícias
Em Brasília

Atualizada às 21h35
  • Alan Marques/Folha Imagem

    A primeira-dama Marisa Letícia posa na noite desta terça-feira com a atriz Juliana Baroni, que a interpretou no filme "Lula, o Filho do Brasil"


No lançamento do filme "Lula, o Filho do Brasil" na noite desta terça-feira (17), na abertura do Festival de Brasília, o diretor do filme, Fábio Barreto, descartou qualquer ideologia política e disse que se trata de um "melodrama épico". Lula não compareceu ao evento que acontece no Teatro Nacional, na capital federal. O filme sobre a vida do presidente está abrindo o festival, mas não participará da competição.

"É um filme de superação, de emoção, é um melodrama épico", disse. O diretor também disse não se importar com o que diz a oposição ao governo. "Que oposição? Eu não tenho oposição. Eu sou artista, não estou vendendo nenhuma ideologia com esse filme, eu fiz uma obra de arte, não tem nenhuma intenção política. Julguem como quiser".

Várias autoridades incluindo ministros e parlamentares interromperam as agendas políticas para acompanhar o lançamento junto com todo o elenco do longa-metragem que tem a atriz Glória Pires no papel da mãe do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A primeira-dama Marisa Letícia também está no teatro para acompanhar o lançamento.

Assista o trailer do filme



A oposição vem apontando o lançamento do filme como uma arma política para as eleições do ano que vem. "Lula, o filho do Brasil" será lançado no circuito comercial no dia 1º de janeiro, mas antes terá uma série de sessões especiais em cidades como Recife e São Bernardo do Campo.

O presidente do PT, Ricardo Berzoini, ao ser questionado sobre o caráter eleitoreiro que o filme poderia ter desafiou a oposição a fazer o mesmo. "O presidente Lula não é candidato a nada no ano que vem. Obviamente que é um cabo eleitotal importante, mas a manifestação artística é livre. Por exemplo, eu sugiro à oposição que pense em fazer um filme sobre a vida do Fernando Henrique. Tenho certeza que vai ser interessante", afirmou.

O ministro Paulo Bernardo (Planejamento) também fez uma sugestão à oposição. "A oposição pode fazer um filme também, se procurar tenho certeza que acha alguém, não é proibido fazer."
  • Divulgação

    ''Lula, o Filho do Brasil'' abre Festival de Brasília



O diretor do filme chamou de "coincidência" o lançamento do filme às vésperas do ano eleitoral. "A gente queria ter lançado antes, o problema é que fomos pegos pela crise financeira. É uma coincidência, não creio que terá nenhuma importância eleitoral."

A atriz Juliana Baroni, que interpreta a primeira-dama Marisa Letícia, também negou que o filme favoreça a campanha petista. "Se vai influenciar ou não [as eleições], a gente não sabe, o que eu posso dizer é que nossa intenção não é fazer um filme de campanha. É um filme com a história de uma família", disse.

A secretaria de Cultura fez críticas ao fato de o diretor não ter autorizado a disponibilização do material para que fosse feita legendagem para surdos e áudio-descrição para deficientes visuais.

Fábio Barreto explicou que a autorização não foi dada para evitar pirataria.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos