Diretor acusado de manter funcionários fantasmas na Assembleia do PR pede afastamento

Dary Jr.
Especial para o UOL Notícias

Em Curitiba (PR)

O diretor-geral da Assembleia Legislativa do Paraná, Abib Miguel, pediu afastamento no final da tarde desta quinta-feira (18) após ser acusado de montar um esquema de contratação e manutenção de pelo menos 20 funcionários que não prestavam serviços à Casa, mas sim a ele mesmo. Os “servidores” teriam recebido mais de R$ 11 milhões entre 2004 e 2009.

A denúncia contra Bibinho, como é conhecido, apareceu em uma série de reportagens da TV Paranaense (emissora afiliada da TV Globo) e publicada pelo jornal local “Gazeta do Povo”.

Em carta enviada ao presidente da Assembleia, deputado Nelson Justus (DEM), Miguel justificou o pedido de afastamento: “Recentes notícias publicadas em veículos de comunicação do Estado do Paraná que envolvem minha pessoa merecem ser apuradas por essa Casa de Leis, de forma clara e cristalina, sem qualquer possibilidade de minha interferência”.

Abib Miguel estava no cargo havia mais de 20 anos. Nos bastidores da Assembleia Legislativa do Paraná, era tido como o “todo-poderoso” da Casa. Ele não quis dar entrevista à imprensa para esclarecer seu envolvimento no escândalo.

Segundo as denúncias, Miguel usava o cargo para manter uma rede de relações e interesses pessoais por meio de funcionários pagos com dinheiro público. Entre eles, o jardineiro Izidoro Vosilk, de 82 anos, que se declarou primo dele e teria recebido R$ 192 mil da Assembleia no período entre 2004 e abril de 2009. Vosilk admitiu que nunca trabalhou na Assembleia.

Documentos obtidos pela imprensa revelam que a Casa fez 624 depósitos nas contas bancárias dos servidores ligados ao diretor-geral afastado, no período analisado. O valor atinge pelo menos R$ 11,2 milhões, média de R$ 18 mil para cada depósito. A Assembleia anunciou que vai abrir sindicância para apurar as denúncias e pediu ajuda ao Ministério Público.

Errata

Em nota divulgada no Jornal Nacional e em seu telejornal estadual na noite desta quinta-feira, a TV Paranaense admitiu que errou ao identificar uma mulher como Isabel Stein Miguel, filha do diretor-geral afastado da Assembleia Legislativa do Paraná, Abib Miguel, em uma das reportagens. O UOL Notícias foi induzido a erro e reproduziu a informação incorreta, de que Isabel cuidaria da fazenda do pai. Na verdade, a imagem na gravação feita em Goiás é da irmã dela, Luciana de Lara Abib, que não trabalha na Casa. Isabel Stein Miguel é funcionária e recebe salários da Assembleia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos