Cezar Peluso toma posse como novo presidente do STF

Camila Campanerut
Do UOL Eleições

Em Brasília

Cezar Peluso é ministro reservado e técnico

O ministro Cezar Peluso toma posse no final da tarde desta sexta-feira (23) como novo presidente Supremo Tribunal Federal (STF). Carlos Ayres Britto, que deixou ontem a Presidência do Tribunal Superior Eleitoral, será o vice-presidente. Peluso substitui o ministro Gilmar Mendes nos próximos dois anos. 
 
"Estimaria ser apenas lembrado como alguém que contribuiu para recuperar o prestígio e o respeito público que fazem jus ao magistrado e à magistratura do meu país", disse o presidente recém-empossado.

Mais sobre Cezar Peluso

  • Lula Marques/Folha Imagem – 10.03.2010

    Indicado ao STF pelo presidente Lula, Antonio Cezar Peluso, 67, nasceu em Bragança Paulista (SP), especializou-se em direito civil e em filosofia do direito na USP (Universidade de São Paulo), sob orientação do jurista Miguel Reale. Foi desembargador do Tribunal de Justiça paulista e é juiz desde 1967. Foi empossado no Supremo em junho de 2003, apoiado pelo então ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos

A cerimônia conta com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do vice José Alencar, dos presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), além de convidados e outras autoridades políticas, como o presidenciável tucano José Serra e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM).  

O primeiro a prestar homenagens foi o ministro Celso de Mello, o mais antigo integrante da Corte. Também falaram o procurador-geral, Roberto Gurgel, e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante.

Mello destacou que o período comandado por Mendes e Brito foi marcado por julgamentos polêmicos como o da liberação das pesquisas científicas com células-tronco, considerado por ele como “o mais importante julgamento da história do Supremo Tribunal Federal”.

O ministro também elogiou a atuação de Gilmar Mendes na modernização do aparelho judiciário e a preservação da independência judicial. Na visão do ministro, Peluso e Britto terão pela frente dois grandes desafios: o da “crescente judicialização das relações políticas” e a fragilidade do sistema prisional, que mantém 153 mil pessoas presas sem julgamento.

Mendes presidiu sua última sessão destacando que, em 2008, tramitaram pela Justiça brasileira 70 milhões de processos e estima-se que no ano passado o número tenha atingido a marca dos 80 milhões. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos